Sexta-feira, 22 de Maio de 2015

Prova de Fórmula 3

Prova de Fórmula 3

vila real 2_n.jpg

Nas boxes, Peter Korda em Tecno Cosworth MAE 

via real1_n.jpg

Na primeira linha da partida 

Manfred Mohr , Roonie Petterson e Allan Rollinson

seguido de

Cris Williams e Jurg Dubler

vila real  formula 3_n.jpgNo fim da prova António Vilela tira uma fotografia junto do Lotus de fórmula 3 de Jonh Miles que também se encontra ao lado

 


publicado por dinis às 00:04
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 5 de Setembro de 2014

Largo de S. Pedro

Fórmula 3 em Vila Real

 

Hoje ao passar no largo de S. Pedro lembrei-me do vídeo de Álvaro Pinto

“Fórmula 1 em Vila Real!”

https://www.facebook.com/video.php?v=823588504331569&set=vb.100000412820179&type=2&theater

A lembrar os meados dos anos sessenta, o sinaleiro, o falso sinaleiro, no Largo de S. Pedro, ou então, mais precisamente 1967 e 1968, quando Ronnie Peterson e outros levavam os bólides de Formula 3 a caminho do circuito, pelas ruas da cidade.

 

604106_1024362240912988_5336546470981861508_n.jpgÀ esquerda junto da igreja de S. Pedro, o edifício onde funcionou a garagem, alguns anos antes.

 

A propósito é bom ler o texto que se encontra no site oficial de Ronnie Peterson, em que descreve a viagem para Vila Real.

http://www.ronniepeterson.se/subc/eng/a4frame.html

 

Inaugurada em 2003, esta é a estátua em homenagem a Ronnie Peterson, em Örebro. 


publicado por dinis às 18:10
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 27 de Agosto de 2014

Ronnie Peterson, um ídolo que correu em Vila Real

Ronnie Peterson, um ídolo que correu em Vila Real 

(14/02/1944 - 11/08/1978

Sobre o titulo “ O tímido temerário “ encontramos no Auto Sport duas páginas de um piloto que iniciou a sua carreira internacional em Vila Real, na prova de Fórmula 3 e que  no Grande Premio de Italia (1978) durante a partida, sofreu um grave acidente, ao qual assisti em directo na televisão(RTP) ainda a preto e branco.

 


publicado por dinis às 18:54
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 27 de Janeiro de 2014

13º Circuito de Vila Real Fórmula 3

13º circuito Vila Real Fórmula 3

 

Joaquim Filipe Nogueira foi um dos mais brilhantes pilotos do automobilismo nacional.

Na juventude, a arte equestre ainda o aliciou, mas o desporto automóvel acabou por o atrair após as inúmeras participações em gincanas, ralis e circuitos.

Os resultados entretanto alcançados nas provas nacionais e internacionais contribuíram para a sua enorme popularidade.

Algumas participações do seu vasto palmarés

1947 Gincana de Lisboa Standard

1950  IV Rallye Internacional Lisboa segundo classificado da geral e melhor português em MG TC

1952 Triunfo no Rallye Internacional de Lisboa em Porsche 356

1952 Volta à França em Porsche

1954 Circuito de Tanger 2º em Denzel

  •  Taça Cidade do Porto 2º em Denzel

 1955 XXV Rallye Automobile de Monte Carlo em Porsche 356

  • 500Km de Nurburgring  10º Porsche 550
  • Circuito de Vila do Conde 1º Porsche 550
  • Campeão Nacional de Condutores

1956 Grande Prémio de Espanha em Porsche 1º

  • 1000Km de Nurburgring foi 10º com um Porsche 356 Carrera acompanhado de Schulze

1956 Na taça Cidade do Porto é 2º com um Porsche , mas na prova Internacional a sua carreira foi interrompida após o grave acidente ocorrido com o Ferrari 750 Monza  a três voltas do fim, quando comandava aprova.

1957 Volta a Nurburgring  onde foi 11º com um Porsche 356 Carrera

1962 Circuito de Fortaleza em Jaguar 3.2  foi 1º  

1963 4º no circuito de Montes Claros Porsche 550

  • 2º no Circuito de Vila do Conde  Porsche 550

1965 Grande Prémio de Portugal em cascais foi 4º com um Lotus F 3  

Para as corridas em Vila Real onde a Fórmula 3 era a novidade, todos esperavam uma boa prestação dos volantes nacionais.

 Luís Fernandes inscrito com um Matra e Joaquim Filipe Nogueira a estrear o Brabham do seu Portuguese Racing Team para defrontar os concorrentes estrangeiros na prova Internacional, a mais importante da jornada vila-realense.

O  Matra de Luís Fernandes não compareceu e assim Filipe Nogueira foi o único concorrente nacional a percorrer o circuito para adaptação, e nos treinos obter o 5º  tempo e uma dor de costas, conforme nos informa o Jornalista do Comércio do Porto

“ - Alguma lesão?

- Tenho as costas queimadas. O depósito verteu alguma gasolina e com a transpiração  e o calor fiquei ligeiramente queimado. Nada de grave(…).   

No dia seguinte

 “(…) O nosso Filipe Nogueira fez o que pode perante estes profissionais do “volante “ internacionais. O público logo à tarde vai vibrar com os pequenos “bólides” da Fórmula 3”

 Dizia o Comércio do Porto.

 

Novamente no jornal O Comércio do Porto de Segunda-feira 11de Julho de 1966, podemos ver uma desenvolvida reportagem sobre o acidente ocorrido no Domingo, durante a prova de Fórmula 3.

 

Joaquim Filipe Nogueira passa entre os destroços do carro de Charles McCarty e Steve Matchett

 

No final, Joaquim Filipe Nogueira foi 5º com 24 voltas e o tempo de 1h 10m 42,77s. sendo a sua volta mais rápida em 2m 52,03s 


publicado por dinis às 23:51
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 4 de Outubro de 2013

Ronnie Peterson

Ronnie Peterson, apelidado de o sueco voador

 

Ronnie Peterson, apelidado de o sueco voador,

 

 

 


publicado por dinis às 23:29
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 8 de Dezembro de 2011

Circuito Internacional de Vila Real prova de Fórmula 3

Circuito Internacional de Vila Real prova de Fórmula 3

 

Para 1967, e na corrida principal, a prova de Fórmula 3, estão inscritos novamente dois pilotos portugueses com bólides decorados com as cores nacionais “Vermelho e Branco”  o Brabham do Portuguese Racing Team de Joaquim Filipe Nogueira, aqui estreado no ano anterior, e  a estrear o novo Brabham BT 21 de Carlos Gaspar.

vila real O.jpegUm cena familiar, para a família Filipe Nogueira, nesta foto histórica, Joaquim Filipe Nogueira e José Filipe Nogueira , em cima do Brabham BT18 Ford do Portuguese Racing Team ou seja pai e filho, … é de pequenino que se começa…e se prolonga até à actualidade.

Ao fundo o Brabham BT21 de Carlos Gaspar

Os treinos de sexta-feira foram mais favoráveis a Carlos Gaspar que obteve o 7º lugar e no sábado para Filipe Nogueira a 12º posição.

Vila real 1302_n.jpgOs bólides aguardam nas boxes o início da corrida…

Entre outros podemos ver com o nº 87 Chris Williams, …, …, 92 Charles Mc Carthy …,94 Barry Collerson

vila real D.jpegDurante a corrida, Filipe Nogueira aproxima-se de Carlos Gaspar, ultrapassa-o, mas é obrigado a abandonar. Definitivamente o 4º lugar não seria para os portugueses, uma vez que o Repco de Carlos Gaspar deixou de funcionar perto da meta, mas classificando-se ainda no 10º lugar.

    


publicado por dinis às 13:59
link do post | comentar | favorito
Sábado, 9 de Fevereiro de 2008

A viagem de Ronnie Peterson para Vila Real

A viagem de Ronnie Peterson para Vila Real

Peterson 67 2.jpg

As peripécias da viagem de Ronnie Peterson e da sua "Squadra Robardie" a caminho de Vila Real para a sua primeira grande corrida internacional de F3,em 1967, contadas por Bo G Hallqvist.

A caminho de Vila Real para a nossa primeira grande corrida internacional de F3 e antes de deixarmos a nossa querida cidade de Örebro, recebemos um pequeno patrocínio duma estação de serviço da BP de Karlskoga e ainda algum apoio do "The Karlskoga Motor Klubb maffia", graças a Sten Gunnarsson (experiente piloto de karts, formulas e também helicópteros) um dos seus mais jovens e principais beneméritos. O patrocínio era nada mais nada menos que um barril de gasolina, o que era óptimo e com sorte seria suficiente para chegarmos pelo menos ao Norte da Alemanha, e lá o amarramos muito bem na traseira da nossa ‘pick-up’ Dodge, ligado ao depósito através de uma mangueira com uma válvula para que pudéssemos ir abastecendo enquanto conduzíamos.

 

Tudo o que precisávamos ia bem arrumadinho: ferramentas, o carro, o “patrocínio”, dois pares de ‘jeans’, três ‘t-shirts’ (umas das quais para eventuais cerimónias de pódio!!!), os fatos de competição, dois sacos-cama (já que a Dodge poderia ser transformada numa cama… desconfortável) e quilos e quilos de pães de canela da Baker-Bengts (a padaria do pai do Ronnie) que haveriam de constituir as nossas provisões durante a nossa longa aventura através da Suécia, Dinamarca, Alemanha, França, Espanha e Portugal…

 

Ma tinhamos acabado de sair do ‘ferry’, já na Alemanha, e começamos a sentir um certo cheiro a gasolina. Claro que cheira a gasolina, pensamos, afinal se andamos nas corridas de carros é normal que haja cheiro a gasolina!...Mas como o cheiro se foi tornando cada vez mais forte lá decidimos finalmente parar para ver o que se passava. Ia-nos dando uma coisa e quase caiámos para o lado quando descobrimos que o nosso bendito “patrocínio” se vinha a espalhar pela estrada em vez de ir parar ao depósito da Dodge como era suposto! Era a catástrofe total, pois o nosso orçamento dependia desta gasolina que afinal simplesmente estava a desaparecer pela sarjeta… Bom, agora o melhor era esquecer quaisquer refeições ‘fora de casa’ durante a viagem e tentar sobreviver o melhor possível com pães de canela e coca-colas até Vila Real…

 

Á medida que nos aproximávamos da fronteira portuguesa, foram-se nos juntando mais alguns pilotos suecos de F3, também a caminho de Vila Real, constituindo assim numa autêntica caravana que incluía, entre outros, Reine Wisell e o seu irmão Jan (com um Mercedes e um atrelado), Ulf Svensson e a sua simpática mulher Johan, também conhecida como engenheira de corrida (com uma ‘pick-up e o atrelado) e Lasse Lindberg (com uma pick-up Volswagen).

Até à fronteira portuguesa correu tudo sobre rodas - o problema foi depois… Uma autêntica aventura serpenteando por montes, vales e montanhas numa estrada cujo pavimento era constituído por 20% de asfalto e 80% de gravilha, que nos custou 7 pneus furados! Agora imaginem o que era tirar o pneu sobresselente e as respectivas ferramentas de debaixo de um F3 numa Dodge com um pneu furado… Pois, tínhamos de desmontar todo o equipamento de cada vez que precisávamos de substituir o pneu, o que nos custou imensa energia, entusiasmo e paciência, e só não foi pior porque, que Deus os abençoe, Ulf Svensson e a sua mulher nos foram dispensando a sombra e os refrescos da sua caravana e a sua hospitalidade.

 

Chegados a Vila Real fomos muito bem recebidos pelo Motor Club local, organizadores da corrida internacional de F3, que nos disponibilizaram uma garagem bem no centro da cidade e mesmo ao lado de uma escola feminina, com tudo o que isso significa! Cerca de 80% do traçado da pista estava desenhado no centro da cidade de Vila Real. Naquele tempo recebíamos um prémio de participação desde que efectuássemos um tempo nos treinos, passássemos nas verificações técnicas e estivéssemos em condições de participar na corrida. Os treinos, no entanto, não estavam a ser grande coisa até que o Ronnie se foi ambientando à pista e começou a melhorar os seus tempos. Lá conseguiu um 10º tempo, o que já era considerado muito bom para um principiante entre a ‘elite’ internacional presente. Mas o Ronnie, sempre com o objectivo fixo, lá ia dizendo que aquilo era ‘canja’, que o deixássemos fazer mais umas voltas que ele haveria de conseguir fazer melhores tempos e atingir melhor posição. E lá deu mais umas voltas até conseguir realmente melhorar de 10º para 6º.

 

Entretanto, quando já recolhia as coisas para voltarmos à garagem, vejo uma enorme nuvem de pó em frente à recta da meta: era o Ronnie, que na sua ânsia de melhorar ainda mais os seus tempos acabaria por alargar demasiado na saída da curva e batera no lancil do passeio com a roda traseira esquerda, partindo a suspensão. Catástrofe: tínhamos as verificações técnicas na manhã seguinte (dia da corrida) e apenas havíamos cumprido um dos requisitos para obter o prémio de participação! Sem peças sobresselentes e praticamente tesos (com o ‘patrocínio’ perdido algures nas estradas alemãs…), estávamos metidos numa linda alhada!

 

Bom, mas como havia muitas 'English Brabham Team' lá pensamos que não haveria problema em perguntar àquele pessoal se, caso tivessem uma suspensão a mais, nos poderiam vendê-la, emprestá-la ou aluga-la ou qualquer coisa do género. “NEM PENSAR”, foi a melhor resposta que obtivemos! Entre a malta sueca que anda nestas coisas é comum ajudarmo-nos uns aos outros, mas na cena internacional a resposta é mais do género, antes das corridas, “NEM PENSAR”, e depois das corridas, “Talvez”… E havia equipas muito bem organizadas, com peças e motores sobresselentes e tudo o mais, e inclusive, se não me falha a memória, Frank W. e Bernie E. ainda faziam parte do ‘circo’ internacional de F3 dessa época. De volta às nossas traquitanas, lá tentamos concertar nós próprios o carro o melhor que pudemos, com a ajuda dos nossos amigos suecos, e de facto conseguimos que ele passasse nas verificações técnicas e alinhasse à partida.

 

Antes da corrida começar, acordei com o Ronnie que ele apenas faria algumas voltas, porque não tínhamos conseguido ajustar correctamente a roda e estávamos com receio que ela não aguentasse toda a corrida, tendo por isso colocado o retrovisor esquerdo de forma a que ele conseguisse manter a roda debaixo de olho. Ronnie saiu para a linha de largada e assim que largou comecei a arrumar as coisas, pois era suposto ele encostar ao fim de umas voltas e metermo-nos logo ao caminho para a próxima corrida, em Magny-Cours. Mas eis que quando os carros passam na meta ao fim da primeira volta eu quase ia tendo um ataque de coração: Ronnie era segundo e não parecia com ideias de arrumar as trouxas e partir tão cedo para França! Só ao fim de algumas voltas mais começou a cair na classificação, por causa do problema na roda traseira, e lá acabou por ter mesmo de parar. Seja como for, esta sua estreia numa competição internacional fê-lo ganhar confiança e ainda mais vontade de fazer carreira no desporto automóvel.

 

O calor que se fez sentir durante a corrida é que era mais do que aquilo a que nós, suecos, estávamos habituados, pelo que o Reine Wisell enfiou-se na elegante fonte que havia bem no centro da cidade (próxima da recta da largada) antes da corrida começar e lá foi ele todo contente, bem fresquinho que nem um pinto e na maior fazer a sua corrida: dois dias depois estava com uma linda pneumonia! Egge Haglund teve ainda pior sorte: bateu numa parede durante a corrida e partiu um pé, tendo de ser evacuado de helicóptero para o Porto, através de um convento de freiras local.

 

Bo G Hallqvist (http://www.ronniepeterson.se/subc/eng/a4frame.html)


publicado por dinis às 14:54
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

16
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Prova de Fórmula 3

. Largo de S. Pedro

. Ronnie Peterson, um ídolo...

. 13º Circuito de Vila Real...

. Ronnie Peterson

. Circuito Internacional de...

. A viagem de Ronnie Peters...

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs
RSS