Quinta-feira, 8 de Fevereiro de 2024

Lancia Ferrari D50 um carro modificado pela Ferrari  - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Lancia Ferrari D50 um carro modificado pela Ferrari  - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1107ª – Lancia Ferrari D50 1955 Brumm

O Ferrari F1 Lancia D50 N 1 no British GP pilotado por Juan Manuel Fangio

Na Alemanha volta a ter o nº1 e vencer a prova e o campeonato de 1956.mas não têm o nariz metalizado

Modelo real

A Lancia já há muito que não participava em competições oficialmente quando Gianni Lancia, filho do fundador da marca Vicenzo Lancia resolveu voltar às corridas.

As vitorias n0 Targa Florio e nas Mille Miglia. entusiasmam   Gianni a entregar ao engenheiro Vittorio Jano a tarefa de projetar e construir um Formula Um, o Lancia D50 para a Scuderia Lancia em 1954, o carro usava muitos recursos inovadores.

O motor dianteiro de 2,5 litros, 8 cilindros, 90º V, 250CV/8100 rpm, era alimentado por uma mistura de gasolina de avião, benzeno e álcool. na parte dianteira do carro e tinha função de sustentação, tornando-se parte estrutural do chassi, economizou espaço e peso de estrutura de sustentação do grupo motor-caixa de velocidades, a possibilitar à Jano fazer um carro com baixo centro de gravidade passando o eixo cardã ao lado do piloto, para compensar a inércia.

O Lancia D50 ficou pronto a tempo de ser estreado na última prova da temporada de 1954, Alberto Ascari no GP de Mônaco de 1955 quando o líder da prova, após falha no motor do Mercedes de Stirling Moss, perdeu o controle na chicane do Porto e mergulha do mar, com carro e tudo.

Ascari nadou até a um barco de apoio e foi resgatado com apenas uma fratura no nariz. Quatro dias depois, o piloto da Lancia sofreu um acidente em testes no autódromo de Monza, e morreu.

Dificuldades financeiras, levam a Lancia a entregar os ativos da Scuderia Lancia à Scuderia Ferrari.

A Ferrari continuou a desenvolver o carro, nota-se algumas modificações como a barra estabilizadora na suspensão dianteira e os tanques junto à carroçaria.

O carro foi rebatizado como "Lancia-Ferrari D50" e posteriormente para "Ferrari D50".

A hierarquia era Juan Manuel Fangio, Peter Collins, Mike Hawthorn, o italiano Luigi Musso e o espanhol Alfonso de Portago. Fangio venceu na Argentina, numa condução partilhada por Musso, enquanto Collins triunfou na Bélgica e em França. Fangio reagiu com vitórias em Silerstone e Nurburgring, e quer o argentino, quer o britânico, eram os favoritos ao título na ronda final, em Monza, para o GP da Europa a  a 2 de Setembro, as indicações de Ferrari a Luigi Musso era ceder o seu carro, em casode problemas com algum dos seus companheiros de equipa, mas quando Fangio parou, pouco depois, Collins para nas boxes e entregou o carro a Fangio, dizendo que "ele teria mais chances de ser campeão". acabou na segunda posição, conseguindo os pontos suficientes para o quarto campeonato, terceiro seguido.    

IMG_20240208_145423.jpg

IMG_20240208_145429.jpg

IMG_20240208_145435.jpg

IMG_20240208_145513.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Brumm

Série Oro

Referencia nº 76 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - Itália

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 17:50
link do post | comentar | favorito
Domingo, 24 de Dezembro de 2023

Lancia Aurélia B 20 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Lancia Aurélia B 20 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

910ª –Lancia Aurelia B20 Coupe Brumm

Lancia Aurelia B20 Coupe nº 101  #1010 Carrera Panamericana Mexico 1951 Giovanni Bracco / Gilberto Cornacchia.

Como as referências não coincidem, denota uma caixa trocada, o que também quer dizer que este foi comprado primeiro ref 97, uma vez que mais antigo já não tinha caixa ref 96.

Modelo real

Muitas das inovações pré-guerra da Lancia, como suspensão independente e chassi monocoque, culminaram com o revolucionário Aurelia de 1951. O desenvolvimento do carro  começou durante a Segunda Guerra Mundial, com os primeiros modelos de produção chegando em 1951. Em conjunto com o piso rígido e a carroceria era um sistema de suspensão independente, com braços traseiros conectados à transmissão montada na popa. A configuração da transmissão não apenas deu ao Aurelia um equilíbrio de manuseio excepcional, mas também permitiu um túnel de eixo de transmissão baixo, limitando a intrusão na cabine. Outras características incluíam freios traseiros internos e o primeiro motor V6 de produção do mundo completo com câmaras de combustão hemisféricas.

Em 1951, Giovanni Bracco venceu o Circuito de Vila Real com um Ferrari 212 Export Vignale Barcheta , segundo na Targa Florio, dividindo uma Ferrari 212 Export com Franco Cornacchia, atrás de Frazer Nash, de Franco Cortese.

Em Abril de 1951, a Lancia apresentou o Lancia Aurelia B20 e Giovanni Bracco foi contratado pela Lancia Corse

Bracco-Maglioli conquistou um impressionante segundo lugar geral na Mille Miglia, atrás da vitoriosa Ferrari 340 America Vignale de Luigi Villoresi-Piero Cassani, um carro com cilindrada em vez de dupla (4,1 litros). Os outros Lancia Aurelia B20 de fábrica obtiveram o quinto, sétimo e décimo sexto lugar. Em 23 de Junho de 1951, surpreendentemente, um Aurelia B20 foi inscrito pela Scuderia Ambrosiana nas 24 Horas de Le Mans. Era dirigido por Giovanni Bracco e pelo cavalheiro e jornalista Johnny Lurani. A dupla fez uma corrida soberba e venceu a classe até 2000 cm3 a uma velocidade média de 132 km/h , classificando-se em 12º lugar geral. No mesmo ano, Bracco venceu as 6 Horas de Pescara, conduzindo o primeiro de cinco Aurelia B20s nos cinco primeiros lugares, com Enrico Anselmi em segundo, Gino Valenzano em terceiro, Salvatore Amendola em quarto e Luigi Bellucci em quinto. Em 25 de novembro de 1951, Bracco bateu forte enquanto liderava a Carrera Panamericana no México, ao volante do Lancia Aurelia B20 #101 preto patrocinado pela Olivetti.

IMG_20230618_190624.jpg

IMG_20230618_190629.jpg

IMG_20230618_190653.jpg

IMG_20230618_192746.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Brumm

Série

Referencia nº 97 preço 1340$00 

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 19:42
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 9 de Outubro de 2023

Lancia Delta - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Lancia Delta - Um olhar sobre as minhas miniaturas

989ª – Lancia Delta Hf Turbo 4WD SG Vitesse

Lancia - Delta Hf Turbo 4WD SG N 18 Rally De Portugal 1988 Carlos Bica - Fernando Prata

Prenda de Natal 1994 e um Lancia que me trouxe recordações de quando fumava SG Ventil mas por vezes lá ia um SG Gigante.

Modelo real

O Lancia Delta é uma obra do designer italiano Giorgetto Giugiaro na Ital Design e apresentado em Setembro de 1979, para suceder ao Fulvia para o qual utilizaram a plataforma do Fiat Ritmo, A berlina de quatro portas estava disponível com motores de 1300 e 1500cc e com caixa automática, conquistou o título de Carro do Ano na Europa, logo em 1980. 

A segunda série do Delta chegou em 1983, com a versão desportiva 1600 GT. alimentada pelo motor Lampredi com duplo comando de válvulas (105 cv) e travões a disco nas quatro rodas e meses depois, no Salão de Francfort surge a versão 1600 HF Turbo (130 cv), que ia de 0 a 100 km/h em cerca de 8 segundos com máxima de 195 km/h.

Em Avril de 1986, no Salão de Turin, os faróis retangulares deram lugar a dois pares de faróis redondos, quando surge a primeira versão desportiva, o Lancia HF 4WD com tração integral, cuja construção foi confiada a Steyr, motor turbo de 2 litros e 165 cv do Lancia Thema. Os 1.190 kg aceleravam de 0 a 100 km/h em menos de 8 segundos e a velocidade máxima era de 208 km/h. O torque máximo de 26,5 kgfm saltava para 29,6 kgfm em overboost.

O Delta HF 4WD dominou o Grupo A em 1987, ao vencer nove das 13 rallyes do mundial e consequente título com Juha Kankkunen , teve a sua primeira evolução, logo no Salão de Frankfurt do mesmo ano, o Delta HF Integrale, com rodas de 15 polegadas em guarda lamas alargados, redimensionamento da suspensão e travões e turbina Garrett T3 calibrada pela Abarth, para render 185 cv.

Para Portugal vem um Lancia HF 4WD, para a equipa Duriforte Construções  /A Tabaqueira, onde nas primeiras provas do Nacional de Rallyes, o Sopete / Póvoa do Varzim e nas Camélias, foram terceiros e segundos na classificação geral

Na prova máxima do campeonato Nacional de Rallys o Rallye de Portugal Vinho do Porto, a terceira etapa do Mundial de Rallyes com a Lancia Martini a estrear o seu novo modelo de competição o Lancia Delta Integrale.

O Lancia Delta HF 4WD de Carlos Bica- Fernando Prata terminou na 9ª posição, sendo a segunda melhor equipa portuguesa, numa prova vencida pelo Massimo Biasion/ Carlos Cassina em Lancia Integrale e em 2º e 3º os Lancia Delta 4WD do Jolly Club.

No Rally do Porto iniciaram o ano de ouro, e no final Carlos Bica viria a ser o novo Campeão Nacional de Rallyes 1988 e na categoria de produção. com uma diferença de 0,5 pontos para Joaquim Santos.

Modificação na miniatura

Ainda não foram colocados os limpa para-brisas e os espelhos retrovisores.

IMG_20231008_230137.jpg

IMG_20231009_021520.jpg

IMG_20231009_135830.jpg

IMG_20231009_140727.jpg

IMG_20231009_140851.jpg

IMG_20231009_141126_1.jpg

IMG_20231009_141212_1.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Vitesse

Série Special Models

Referencia nº SM 52 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 

 

 

 

 


publicado por dinis às 18:16
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Setembro de 2023

Lancia  Aurelia B24 1956 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Lancia  Aurelia B24 1956 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

952ª – Lancia - Aurelia B24 Spider America1956 Brumm

Lancia - Aurelia B24 spider closed america 1956 um dos carros desportivos descapotáveis da Lancia da era “La Dolce Vita”

Modelo real

1955 Lancia Aurelia B24 Spider América

Quando a Lancia pensou em substituiu a Aprilia, encarregou o seu designer-chefe, Vittorio Jano, o homem responsável pela maioria dos Alfa Romeo do pré-guerra, agora a  trabalhou com o engenheiro Francesco de Virgílio e o resultado foi o Aurelia, uma berlina de prestígio com um design inovador, onde as famosas portas traseiras e dianteiras se abriam em direções opostas, como o Augusta e o Aprilia.

O Lancia Aurelia foi o primeiro carro a utilizar um motor V6 de 1,7 litros, lançado no Salão Automóvel de Turim de 1950 com um avançado design de construção unitária e no ano seguinte pelo B20 Coupé desenhado por Pinin Farina,

https://manueldinis.blogs.sapo.pt/lancia-aurelia-b-20-um-olhar-sobre-as-1695159

Em 1953, a 3ª série B20 e as subsequentes eram movidas por uma versão de 2.451 cc e 118 cv do pushrod V6, e isso foi adotado para o B24 Spider, também chamado de 'América', lançado em 1954.

A versão desportiva aberta foi também entregue à Pinin Farina, o Aurelia B24 Spider que compartilhava os elementos mecânicos e distância entre eixos reduzida com o comprovado B20 GT, tinha a manete de velocidades montada no chão. Seu desempenho igualou o do B20 Coupé, com velocidade máxima de 115 mph (185 km/h).

Como o próprio nome sugere, o Spider America foi direcionado diretamente ao próspero mercado americano, cativa pelo seu design limpo e minimalista, dotado de um para-brisas envolvente, de linhas excepcionalmente limpas permitiram que o Spider alcançar  um desempenho excepcional para um carro aberto da época, sendo livre de maçanetas externas, apenas com havia cordões e para-choques divididos tanto o dianteiro como o traseiro.

Em constante desenvolvimento nas suas seis séries distintas, a quarta série, teve um eixo traseiro de Dion a substitui os braços de arrasto originais. Todos os B24 Spyders tinham o layout de Dion e a versão de 2.541 cc do motor que foi ajustado para produzir 118 cv. A velocidade máxima foi estimada em 184 km/h, mas o mais importante foi o seu excelente comportamento e aderência à estrada, que o tornaram imbatível em estradas rurais.

Apenas 240 B24 Spider foram fabricados durante 1954/55

IMG_20230901_195028.jpg

IMG_20230901_195035.jpg

IMG_20230901_195042.jpg

IMG_20230901_195107.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Brumm

Série oro

Referencia nº 134 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália

Anos de fabrico  a

 

 

 

 


publicado por dinis às 21:35
link do post | comentar | favorito
Domingo, 18 de Junho de 2023

Lancia Aurelia B20 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Lancia Aurelia B20 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

910ª – Lancia Aurelia B20 Coupe 1951 Brumm    

Paolo Petrobelli / Evelino Cremonesi Lancia Aurelia B20 Coupe Mille Miglia 1954

Modelo real

A 21ª edição das Mille Miglia começou às 21h01 do dia 1 de Maio de 1954, quando Domenico Stragliotto e Adolfo Montorio partiram de Brescia no seu Iso Isetta. Os carros mais rápidos partiriam na manhã seguinte, quando as condições eram de neblina misturada com pouca chuva. Depois de nove horas e meia, todos os carros estavam a caminho de Roma.

Os Lancias assumiram a liderança inicial, com o D24 de Taruffi controlando o ritmo, com média de 108,9 mph, nas etapas iniciais em Ravenna, com uma vantagem de 90 segundos, sobre Ascari e Castellotti. A Ferrari de Maglioli voltou em quarto. Na corrida para Roma, o Lancia de Castellotti desenvolveu problemas de distribuição e foi forçado a se aposentar, colocando Maglioli em terceiro. Outros problemas atingiram o Lancia de Taruffi, quando houve um vazamento de óleo e ele logo se aposentou. Ascari tinha pegado leve nas fases iniciais, agora assumiu a liderança.

Na volta para Brescia, o Lancia de Ascari sofreu uma falha no retorno da mola do acelerador e foi temporariamente substituído por um elástico. Este e outros problemas começaram a afetar o Lancia e quando Ascari chegou a Florença, ele estava farto e quis se retirar do evento. Foi somente depois de uma longa parada para reparos que ele foi persuadido a continuar. Em Bolonha, todos os principais carros da Scuderia Ferrari foram eliminados e o caminho estava livre para a vitória de Ascari.

Como o ataque britânico não conseguiu regressar a Brescia, coube aos alemães fornecer alguma oposição às equipas italianas. Ao encontrar um portão rebaixado em um cruzamento ferroviário, o motorista do Porsche, Hans Herrmann, passou por baixo dele com seu 550 Spyder baixo, errando por pouco um trem expresso. Este ato ousado deu à Porsche o primeiro lugar na classe e um incrível sexto lugar geral.

No final, Paolo Petrobelli / Evelino Cremonesi no Lancia Aurelia B20 nº 428 depois de 13:09:42.000 foi 3ª GT+1.5  e 12º da geral.

IMG_20231224_152947.jpg

IMG_20231224_153000.jpg

IMG_20231224_153011.jpg

IMG_20231224_153158.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Brumm

Série oro

Referencia nº 96 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 18:13
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 7 de Junho de 2023

Lancia Aprilia - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Lancia Aprilia - Um olhar sobre as minhas miniaturas

900ª – Lancia Aprilia Brumm

Um dia o António veio comigo a Vila Nova para ver a casa e lhe dar um arranjo. No regresso, o Lancia parecia que voava pela Caminho do Turra em direcção a Senhora de Lurdes. Era um carro velho, mas uma máquina infernal.

No Circuito de Vila Real em 1938, Mário da Rocha Teixeira e Mário Ferreira foram 6º e 11º voltando os Lancia Aprilia agora dotados de motores de 1480cc , para Manuel dos Santos Pinto obter o 6º lugar e Guilherme Guimarães abandonar

Modelo real

O Lancia Aprilia foi um dos primeiros projetos no túnel de vento em colaboração com Battista Farina e Politecnico di Torino, coeficiente de arrasto recorde de 0,47.

O carro foi exibido em 1936, e iniciou a produção em fevereiro de 1937, o mês do falecimento do fundador da marca, o último dos projetos de Vincenzo Lancia, é uma berlina quatro portas sem pilares. e quando se abriam as portas em simultâneo mostravam um amplo acesso ao interior do carro

Equipada de um motor de 4 cilindros em V, teve na primeira série (mod. 238, 10.354 unidades, 1937–39) de 1.352 cc com 47 cv (35 kW). A segunda série (mod. 438, 9.728 unidades, 1939–49) teve sua cilindrada aumentada para 1.486 cc, que fornecia 48 cv (35 kW).

A Lancia na sua primeira fábrica fora da Itália, em Bonneuil, no lado sul de Paris, fez com que o Aprilia surgisse no mercado antes do Italiano foi rebatizada como Lancia Ardennes, com os faróis ligeiramente maiores apenas 1.620 modelos foram produzidos antes que a guerra terminasse com a sua produção.

IMG_20230607_140732.jpg

IMG_20230607_140739.jpg

IMG_20230607_140755.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Brumm

Série

Referencia nºR 58 preço 1420$00

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 19:01
link do post | comentar | favorito (1)
Segunda-feira, 29 de Maio de 2023

Lancia 037 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Lancia 037 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

891ª – Lancia 037 Pioner Vitesse

Lancia 037 Pioneer Rallye International de la Baule 1984 Jean-Claude Andruet - Marie-Claude Jouan 2º classificado

Modelo real

O sucesso do lancia 037 no Campeonato do Mundo de Marcas de 1983 foi coroado com a vitória nos campeonatos europeu e italiano. Foi o último carro com tração nas duas rodas a vencer o Campeonato Mundial de Rally e também foi o único a prevalecer sobre os carros com tração nas quatro rodas mais avançados.

Jean-Claude Andruet voltou a integrar a equipa oficial da Lancia em duas provas: Monte Carlo e Tour de Corse. O contrato com a importadora Chardonnet foi renovado.

O rali de La Baule nos dias 2 e 3 de junho foi um duelo entre Béguin e o BMW M1 contra Andruet e o 037 (7235 HX 93). O árbitro se chamava Serpaggi (R5 turbo TdC). Os contendores, pilotos habituais do campeonato da segunda divisão foram Bouscary, Hoffner (R5 turbo) sem esquecer Rigollet (Alfetta GTV6). Se Jean-Claude (que inaugurava um novo navegador na pessoa de Marie-Claude Jouan) atirou primeiro, Béguin respondeu imediatamente e com força: quatro vezes o tempo mais rápido consecutivo e completou a primeira etapa com 20" de vantagem sobre Andruet e 1'03" sobre Bouscary. A segunda etapa teve mais ou menos o mesmo aspecto: oito raspadinhas para o piloto da M1, cinco para Andruet, Serpaggi e Bouscary vencendo cada um. Mas um resultado nunca é adquirido antes do final. A duas etapas do final, a caixa de câmbio do Lancia estava presa em cinco marchas. A mecânica conseguiu uma proeza ao substituí-la a tempo, permitindo a Andruet manter a segunda posição.

O rali do Var terminou a temporada de Andruet e A. Peuvergne, a fazer o seu último rally no 037 (7235 HX 93) e Chardonnet ansioso para alcançar o sucesso. Diante de Fréquelin finalmente venceu este rali do Var que tantas vezes lhe foi negado.

IMG_20230529_182715.jpg

IMG_20230529_182721.jpg

IMG_20230529_182733.jpg

IMG_20230529_182742.jpg

IMG_20230529_182748.jpg

Miniatura

No cataloga da Vitesse está como 1983.

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Vitesse

Série SM Limited edition

Referencia nº SM 4 preço 1570$00

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Portugal

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 21:46
link do post | comentar | favorito
Sábado, 27 de Maio de 2023

Lancia Stratos - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Lancia Stratos - Um olhar sobre as minhas miniaturas

889ª – Lancia Stratos Soldo

Lancia Stratos Giro de Itália grupo 5 apresentação.

Uma adaptação de um solido antigo proveniente de uma troca e deu para fazer um vencedor com três tripulantes.

Modelo real

Lancia Stratos Giro de Itália grupo 5

Em 1976, a Lancia construiu 2 exemplares para o Grupo 5 com o aspecto de silhueta muito agressivo, a carroceria, amplamente modificada pela Bertone no túnel de vento, com uma via dianteira mais larga e spoiler plano, estribos de plástico sólido e uma nova traseira mais larga, no qual foi colocada, uma asa traseira.

O Giro d'Italia Automobilistico em 1976, vamos encontrar dois Lancia Stratus, o nº598 para Carlo Facetti /Sodano e o nº 599 para Raffaele Pinto /Arnaldo Bernacchini,

No final Carlo Facetti /Sodano foram os vencedores, onde o Stratos Silhueta  Marlboro alcançou seu maior e primeiro sucesso em 20 de outubro de 1976.

Em 1977 voltam com as cores da Alitalia, mas, Sandro Munari e Piero Sodano abandonam com problemas do motor.

O último ano em que o Lancia Stratos HF corre seguido pelo fabricante oficial, então a equipe de corrida Lancia HF e Abarth Corse serão unificadas, por isso sua presença será limitada apenas às rodadas europeias do campeonato mundial e a partir de 1º de janeiro de 1978, o carro teve que retornar às especificações da versão "padrão": a embreagem de disco duplo de cobre, o cabeçote de 24 válvulas, o capô traseiro alargado e outros detalhes foram abolidos, tanto no grupo 5 e 4

E em 1978 as cores são agora da Pirreli quando contribui ao criar os pneus P7 de baixo perfil.

A sexta edição do Giro de Itália foi a primeira que permitiu a participação de dois pilotos e um navegador.

No Lancia Stratos Pirelli nº 506 com Giorgio Pianta inicialmente destinado a Sandro Munari. Markku Alen era o copiloto, com seu navegador habitual Kivimaki. O trio obteve uma boa vitória, a frente do Porsche 935 Gr.5 da Facetti/Finotto/De Antoni. Em terceiro lugar, e primeiro do Gr.4, terminou o outro Lancia Stratos, o de Pittoni/Magnani/Cresto. A vitória do Gr.2 foi para Patrese/Pozzetto/Sodano com o estreante Ritmo (quinto geral); os primeiros do grupo 3 foram Regis/Perotto/Cena (Porsche 911 Carrera, sexto da geral) e Enjalbert/Machoir com o Alfa GTV venceram o Gr.1 (décimo quinto da geral).

Modificação na miniatura

 O modelo foi pintado, aguardando o resto dos decalques.

IMG_20230527_180555.jpg

IMG_20230527_180558.jpg

IMG_20230527_180605.jpg

IMG_20230527_180619.jpg

IMG_20230527_180622.jpg

 

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Solido

Série

Referencia nº27 -10-74 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - França

Anos de fabrico  a

 

 

 


publicado por dinis às 22:13
link do post | comentar | favorito
Domingo, 19 de Fevereiro de 2023

Lancia Rallye Evo 2, uma lenda em Portugal - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Lancia Rallye Evo 2, uma lenda em Portugal - Um olhar sobre as minhas miniaturas

799ª – Lancia 037 Evo2 Vitesse

Lancia 037 Evo 2 Massimo Biasion Tiziano Siviero 1984

A outra prenda de Natal 1988

Modelo real

O protótipo Lancia Rally 037, fapresentado no 59º Salone dell’Automobile di Torino, a 21 de abril de 1982, estava pintado de Rosso Corsa e equipado de um motor de 2.0 litros 16 válvulas, quatro cilindros, sobrealimentado por um compressor volumétrico, bem visivel, coberto por uma tampa de vidro, a fazer lembrar os Ferrari!

A segunda fase da vida do Lancia 037 a parte traseira da carroceria foi alterada e prosseguiu a adopção de uma injecção da água e o aumento da cilindrada para 2.111 c.c. melhorou a potência e o binário do motor.

A decoração da Totip era a característica da época dos automóveis geridos pelo Jolly Club, uma equipa satélite da Lancia que veio ao Rali de Portugal com quatro carros provar que com as alterações introduzidas por César Torres podia vingar-se da vitória da Audi no ano passado.

Nos estradas florestais de Marão, a Pec 29 foi ao meio dia e os carros de quatro rodas motrizes eram os favoritos mas intercalaram-se com os de duas rodas, como o Audi de Mikkola e o ser o mais rápido, seguido Blomkvist, Alen Lancia, Bettega Lancia , Biasion Lancia, Ragnotti Renault , Waldegard Toyota, Grundel VW ,Moutinho Renault, MeylanNissan, ,OrtigãoToyota, Sena Ford. O inexplicável capotanço do Audi de Walter Rohl foi conhecida através da Radio.Renascença.   

Massimo Biasion no Marão foi muito cauteloso depois de a estratégia da Lancia fazia com que Bettega e BIasion penalizassem por avanço para permitir que Alen saísse maís tarde e não apanhassem a poeira levantada por Mikkola.

No final o primeiro foi Hannu Mikkola - Arne Hertz Audi Quattro  Audi Sport  7:35:32 90.2

 2º.#2 Alén Markku - Kivimäki Ilkka Lancia 037 Rally Martini Racing              

  1. #5 Attilio Bettega - Maurizio Perissinot Lancia 037 Rally Martini Racing
  2. #8 Miki Biasion – Tiziano Siviero Lancia 037 Rally Jolly Club Totip 7:59:22 depois de cinco vitorias em Gradil, Montejunto, Figueiró dos Vinhos, Campelo e Préstimo .

No ano seguinte Massimo Biasion e Tiziano Siviero voltaram ao Rali de Portugal / Vinho do Porto de 1985.e terminaram no segundo lugar da Classificação Geral

O Lancia 037 da Totip/Jolly Club foi entregue a Carlos Bica a 16 de Janeiro de 1986 nas instalações da Abarth, em Itália e em seguida decorado com as cores de empresa de construção familiar a Duriforte para se estrear no Rali Sopete, primeira prova do Nacional, onde acompanhado por Cândido Júnior foi o segundo da geral.

Visto no Leiria sobre rodas de 29 de Setembro a 1 de Outubro de 2023.

Modificação na miniature

Depois de feitos os para lamas foi decorado e sujo.

IMG_20230218_202052.jpg

IMG_20230219_143417.jpg

IMG_20230219_143317.jpg

IMG_20230219_143439.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Vitesse

Série Kit

Referencia nº  preço 1570$00

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 18:56
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Fevereiro de 2023

Lancia 037 Rally Vila Real - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Lancia 037 Rally Vila Real - Um olhar sobre as minhas miniaturas

794ª – Lancia 037 Rally Vitesse

Lancia 037 António Rodrigues

Não o vi no Marão mas, veio a Vila Real e ficou em 2º.

Modelo real

O Lancia 037 de António Rodrigues, um dos primeiros clientes a quem entregaram uma viatura, foi levantado em Alfragide, a sede da Fiat, uma semana antes do Rali, depois de ter sido adquirido a equipa oficial, era uma evo 1 e foi o carro de treinos de Markku Alen e que nunca tinha feito uma prova,

A 7 de Março de 1984 António Rodrigues, José Cotter na primeira passagem pela Lagoa Azul, fez o nono tempo, atrás dos pilotos oficiais de fábrica. Um segundo tempo à geral na Pec 7 Lagoa Azul e um 3º lugar na Pec 13 Campelo, termina a primeira etapa no 7º lugar atrás dos pilotos da Lancia com a evo 2., da Audi e do Renault 5.

A velocidade continuou e vem o circuito de Vila Real e o carro que não vi no Marão iria participar nas corridas

Na prova do agrupamento B e N com os Treinos a 21 e a prova: 22 Julho 1984 um dos assuntos era o Lancia e os BMW M1

Na prova a previsível junção dos grupos N e B foi decidida pela organização depois de ouvidos os pilotos, e assim o espectaculo foi em parte assegurado.

António Taveira e António Rodrigues são os mais rápidos, seguidos de Mário Silva.

Depois de uma partida em falso em que a luz verde a surgiu algo inesperadamente e o motor do BMW do António Taveira a ser desligado e a corrida interrompida. Nova partida, agora sem volta de aquecimento e Taveira na Timpeira despista-se. Mário Silva assume o comando e a diferença para o segundo António Rodrigues vai aumentando.

O Lancia vai a box para reparar um problema de escape, voltando a pista para recuperar o segundo Lugar.

A Volta mais rápida foi de Mário Silva em B M W M 1, 2m 40,03 s à média de 155,763 km/h. e o vencedor das 15voltas em 40m 37,38 a media de 153,422k/h e o 2º              António Rodrigues no Lancia 037 Rallye com 14 voltas em 43m 31,53s            á media de 133,422K/h seguidos de  Ferreira da Silva e Araújo Pereira os primeiros do Grupo N

Modificação na miniatura

A miniatura foi pintada faltando-lhe o resto dos decalques.

IMG_20230214_183706.jpg

IMG_20230214_184810.jpg

IMG_20230214_184851.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Vitesse

Série SM edition limitée

Referencia nº SM16   preço 1000$00

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 

 

 

 


publicado por dinis às 19:28
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9



29


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Lancia Ferrari D50 um car...

. Lancia Aurélia B 20 - Um ...

. Lancia Delta - Um olhar s...

. Lancia  Aurelia B24 1956 ...

. Lancia Aurelia B20 - Um o...

. Lancia Aprilia - Um olhar...

. Lancia 037 - Um olhar sob...

. Lancia Stratos - Um olhar...

. Lancia Rallye Evo 2, uma ...

. Lancia 037 Rally Vila Rea...

. Lancia Beta Montecarlo Tu...

. Lancia Delta S 4 - Um olh...

. Lancia Martini Gr C Le Ma...

. Lancia D 24 - Um olhar so...

. Lancia - 037 Panasonic - ...

. Lancia Stratos protótipo ...

. Lancia Stratos HF Safari ...

. Lancia 037 Rallye - Um ol...

. Lancia Stratos HF de velo...

. Lancia Beta coupé 1800- U...

. Lancia Stratos - Um olhar...

. Lancia Stratos - Um olhar...

. Lancia Beta Berlina  - Um...

. Stratos HF Zero - Um olha...

. Lancia Flaminia Coupe Pin...

. Lancia Fulvia FM 1.6 - Um...

. Lancia Fulvia Sport Zagat...

. Lancia Flavia Sport - Um ...

.arquivos

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs
RSS
Em destaque no SAPO Blogs
pub