Terça-feira, 20 de Fevereiro de 2024

Chevrolet Impala Daytona 500 1960 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Chevrolet Impala Daytona 500 1960 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1119ª – Chevrolet Impala Daytona 500 1960 #27 Junior Johnson Vitesse

Modelo real

A Chevrolet está na NASCAR Grand National desde 1950 e Junior Johnson ou Richard Petty descobriram o draft.

Uma coisa é certa, em que todos concordam é que Johnson inquestionavelmente usou o draft para vencer a corrida de 1960. "Mas eu fiz a mesma coisa na corrida de 160 quilômetros da Convertible Series no ano anterior às 500 milhas", disse Petty. “Éramos três ou quatro correndo pela liderança na última volta, em 1959, eu descobri que poderia ultrapassá-los se recuasse um pouco e recomeçasse a correr. mas eu sabia que funcionava.

"A única coisa que fiz de errado foi agir cedo demais", disse Richard Petty que naquele dia estava no Oldsmobile .

Assim que assumi a liderança, eles fizeram a mesma coisa e vieram atrás de mim. Nessa altura eu sabia como o draft funcionava, mas era tarde demais." Shorty Rollins venceu Marvin Panch por 60 centímetros nas 40 voltas naquela tarde de sexta-feira. Petty, Glen Wood e Gene White tiveram 3-4-5 na primeira corrida de stock car no Daytona International Speedway.

Johnson, na Daytona 500 daquele Domingo, 14 de fevereiro de 1960, tinha um Chevrolet Impala que claramente não era competitivo o suficiente para vencer sem muita ajuda aerodinâmica.

"Eu voltava e corria sozinho, e ele não andava. Era cerca de 24 quilômetros por hora mais lento que os outros carros. Era tão lento que era parecia mal, nunca, jamais pensei que venceria a corrida.

A virada veio tarde, quando o piloto do Pontiac, Bobby Johns, passou por Johnson se aproximando da reta final. Johnson deslizou atrás do novo líder, a mudança aerodinâmica sugou o vidro traseiro do carro de Johns e o fez girar. Ele finalmente se recuperou para terminar em segundo, mas nunca mais desafiou, já que Johnson liderou as últimas nove voltas para a única vitória de 500 milhas de sua célebre carreira.

Ele descreveu o grande momento para Waid e Higgins: "Ele deu voltas e voltas e desceu pela grama. Cheguei tão à frente que, mesmo que ele voltasse bem rápido, ele não teria me alcançado. Basicamente, Eu roubei a corrida. Não ganhei."

A vitória de Junior Johnson na Daytona 500 de 1960 foi um ponto de viragem na história da NASCAR e recebeu o crédito pela descoberta da arte negra aerodinâmica que veio a ser chamada de “o rascunho”.

Modificação na miniatura

Com um catálogo de 1993 em que só figurava a versão normal aberta.

IMG_20240220_141726.jpg

IMG_20240220_141800.jpg

IMG_20240220_141808.jpg

IMG_20240220_141832.jpg

IMG_20240220_141836.jpg

IMG_20240220_141952.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Vitesse

Série la Colection

Referencia nº293 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 18:49
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 19 de Fevereiro de 2024

Chevrolet Corvette- Um olhar sobre as minhas miniaturas

Chevrolet Corvette- Um olhar sobre as minhas miniaturas

1029ª – Chevrolet Corvette Budweiser Burago

Da série um para o Pai outro para o Filho.

Modelo real

Chevrolet Corvette C4

A Chevrolet lançou o novo C4 em 1984 e em poucos meses eles estavam na pista dominando a competição na SCCA Racing

Nas corridas SCCA Showroom Stock os carros eram de serie com exceção dos equipamentos de segurança, a ser pilotados conforme entregues de fábrica. Isso significava que se um carro viesse equipado com rádio, ar condicionado e direção hidráulica, ele também teria que rodar esses itens na pista.

O principal evento Showroom Stock da SCCA foi no Dia Mais Longo em Nelson Ledges, em Ohio em junho de 1984, John Greenwood, Dave Heinz e Rod Millen inscreveram na corrida um Corvette '84 patrocinado pela BFGoodrich. foi a primeira corrida do novo C4, e o carro foi uma sensação classificou em segundo lugar e seu excelente consumo de combustível o colocou na liderança após a primeira hora. O Vette manteve esta posição durante nove horas até ser atingido por problemas mecânicos e terminou em 24º lugar geral no que seria a única não vitória do C4 nas corridas Showroom Stock.

Os C4s ficaram invictos de 1985 até o final da temporada de 1987 e geralmente ocupavam as oito a dez primeiras posições finais, até a SCCA proibiu as maravilhas do plástico e abordasse a Chevrolet sobre a criação de uma série exclusiva série de Corvette Challenge.

Entre 1988 e 1989 foi televisionado pela  rede de cabo SpeedVision. Com carros Corvette idênticos construído de fábrica, que proporcionaram corridas barulhentas, coloridas e intensas, ganhando rapidamente a reputação de uma série de "desportes de contato". Como os carros eram tão equilibrados, manobras agressivas eram muitas vezes a única maneira de obter vantagem.

A Chevrolet rodeou-se da Goodyear, Exxon e Mid America Designs para criar uma bolsa de um milhão de dólares para apoiar o novo Corvette Challenge. Cinquenta e seis Corvetes '88 com opção B9B foram construídas em Bowling Green com transmissões 4 + 3 e suspensões Z51. Quarenta e cinco foram enviados para a Protofab em Wixom, Michigan, onde foram equipados com equipamentos de competição, incluindo assento de corrida, gaiola de proteção, cinto de segurança e pastilhas e dutos de freio PBR. A Protofab também instalou um sistema de extintor de incêndio, emblemas especiais do Corvette Challenge e um escapamento Desert Driveline de baixa restrição. As rodas leves Dymag foram equipadas com pneus de rua Goodyear com meia profundidade de piso.

A primeira corrida foi realizada em 1º de maio de 1988, em Dallas. No final da série de 10 corridas, Stu Hayner foi o campeão da série. Em 1989, 60 carros R7F foram construídos e 29 deles foram convertidos em carros de corrida pela Powell Development America. Os novos carros eram mais parecidos com pilotos do que seus antecessores, com gaiolas completas - incluindo barras laterais - e escapamento direto.

IMG_20240219_142147.jpg

IMG_20240219_142156.jpg

IMG_20240219_142226.jpg

IMG_20240219_142247.jpg

IMG_20240219_142541.jpg

IMG_20240219_142628.jpg

Modelo real

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico e rápidas.

Fabricante Burago

Série

Referencia nº 4192 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está cravada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização

País – Itália

Anos de fabrico  a

 

 

 


publicado por dinis às 18:42
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 16 de Fevereiro de 2024

Chevrolet Lumina ou Buick Regal de 1990 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Chevrolet Lumina ou Buick Regal de 1990 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1115ª – Chevrolet Lumina  Raybestos Hut Strickland  Quartzo

Chevrolet Lumina  Raybestos Hut Strickin 1992  nº12 - Bobby Allison Racing

A Quartzo e escreveu “Strickland” em vez de Stricklin. Somente espero que não seja o Buick Regal 1990 de Hut Stricklin #12 Raybestos Brakes com uma cor metalizada Raybestos da equipe de Bobby Allison.

Com tanto modelo não me digam que comprei o errado numa época em que já havia o Eurosport outro grande canal desportivo da época, o Sky Sport, com a NASCAR a ter poucos seguidores na Europa.

Uma coisa é certo, o catálogo da Quartzo de 1996 não o contempla. Será que com uma pouco de trabalho transformo um Chevrolet Lunina num Buick Regal de 1990?

Modelo real

A Chevrolet está na NASCAR Grand National inicialmente  com os sedans grandes de duas portas dos primeiros dias do automobilismo stock car entre 1950 e 1970, um tanto desviada, quando as equipes Chevrolet pilotaram o Chevrolet Monte Carlo.

No ano seguinte e 1972 foi utilizado o Chevrolet Chevelle, em 1973 e 1974 o Chevelle Malibu e a partir de 1975 o Chevrolet Laguna S3, eram carros mais pequenos.

A partir de 1977, as grandes limusines voltaram, Chevrolet Monte Carlo, um típico enorme road cruiser dos exuberantes anos 70, Ford Thunderbird, Mercury Montego, Dodge Magnum ou Chrysler Imperial.

Depois de 1980, algo fundamental mudou na NASCAR, a partir de então uma gaiola espacial tubular não era mais construída em carrocerias de produção relativamente padrão; em vez disso, as formas dos “carros de estrada” foram soldadas em uma estrutura espacial tubular recém-projetada a partir de folhas de alumínio. A Ford só ficou com o Thunderbird na corrida contra a superioridade do grupo GM com o Buick Regal, Pontiac Grand Prix e Oldsmobile Cutlass. A Chevrolet manteve-se fiel ao Monte Carlo.

Entre 1988 e 1994, a Chevrolet um carro menor, modelo intermediário Chevrolet Lumina para vencer o Campeonato de Construtores em 1988-91 e 1993, bem como o Campeonato de Pilotos em 1990, 1991, 1993 e 1994 por Dale Earnhardt.

IMG_20240216_134346.jpg

IMG_20240216_134351.jpg

IMG_20240216_134356.jpg

IMG_20240216_134433.jpg

IMG_20240216_134439.jpg

Miniatura

Interior detalhado

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Quartzo

Série Nascar

Referencia nº preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Portugal, feito na China

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 18:52
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 4 de Outubro de 2023

Cadillac Seville - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Cadillac Seville - Um olhar sobre as minhas miniaturas

984ª – Cadillac El Dorado Seville  Solido

Cadillac El Dorado Seville 1957 

o mesmo, sem capota

https://manueldinis.blogs.sapo.pt/cadillac-eldorado-biarritz-um-olhar-1693129

Modelo real

O nome Seville foi colocado pela primeira vez numa versão com capota rígida do Cadillac Eldorado conversível 1956, no auge do luxo da GM.

O Cadillac Eldorado em 1957 entra na sua terceira geração quando recebeu uma atualização saudável em 1956 num trabalho de Ron Hill, um talentoso novato em design de 23 anos, que em 1957 viu o Eldorado, nos estilos de carroceria conversível Biarritz e capota rígida Seville, receber um novo estilo com um design traseiro exclusivo com um para-lama baixo e curvado para baixo, coberto por barbatanas internas pontiagudas. Logo atrás das caixas das rodas traseiras abertas, os quartos traseiros inferiores foram enfeitados com amplos e esculpidos painéis de beleza em aço inoxidável que se misturavam visualmente com os conjuntos do pára-choques traseiro dividido. Quatro Eldorado Sevilles de capota rígida de 4 portas especialmente construídos também foram construídos em 1957.

O Eldorado custaria ao comprador US$ 7.750. Apenas 532 exemplares foram vendidos no primeiro ano. No ano seguinte, a Cadillac reduziu o preço do Eldorado em mais de US$ 2.000, tornando-o mais razoável e acessível para mais compradores.

Quatro Eldorado Sevilles de capota rígida de 4 portas especialmente construídos também foram construídos em 1957.

Os modelos de 1958 compartilhavam uma aparência comum com a mesma traseira bulbosa dos modelos de 1957, mas se distinguiam por seus diferentes para-choques traseiros e acabamentos. Em 1958, um V estreito e dourado e o nome Eldorado apareceram em pequenas letras maiúsculas no canto inferior esquerdo da tampa do porta-malas. Os pára-lamas dianteiros agora apresentavam uma única barbatana baixa. Além disso, havia dez venezianas verticais nos pára-lamas traseiros logo à frente das aberturas das rodas traseiras sem saia e cinco venezianas semelhantes em cada lado do suporte da placa traseira. Mais uma vez, grades dianteiras e rodas de liga fundida com "raios de sabre" estavam disponíveis em acabamento cromado ou dourado. Custando US$ 7.410, este foi um ano de baixa produção, com apenas 815 conversíveis e 855 cupês sendo construídos.

IMG_20231004_183549.jpg

IMG_20231004_183553.jpg

IMG_20231004_183852.jpg

IMG_20231004_183904.jpg

IMG_20231004_183910.jpg

IMG_20231004_183929.jpg

Miniatura

Levanta o capô para ver o motor.

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Solido

Série Age d´or

Referencia nº4520  preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País -  França

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 19:26
link do post | comentar | favorito
Domingo, 17 de Setembro de 2023

Chevrolet Corvette Pace Car- Um olhar sobre as minhas miniaturas

Chevrolet Corvette Pace Car- Um olhar sobre as minhas miniaturas

967ª – Chevrolet Corvette convertível Solido

Chevrolet Corvette C4 Cabriolet-Pace Car 1986

Uma visita que todos certamente terão feito.

Modelo real

Ao fim de dez anos de ausência. uma versão conversível voltou novamente para 1986, ao lado do coupé.

A GM, encontrou a oportunidade perfeita em 1986, quando colocou o Corvette para ser o Pace Car da 500 Milhas de Indianápolis daquele ano.

Pela primeira vez que o Corvette conversível seria feito pela própria GM, com um monobloco desenvolvido para ser conversível uma vez que os Corvette das duas gerações anteriores eram convertidos a partir dos coupês, e tinham baixa rigidez estrutural.

Uma joint venture entre a Chevrolet e a ASC, onde a estrutura monobloco do carro foi consideravelmente revista, em parte pela reengenharia de seções da estrutura original pela adição de rigidez com um suporte em X sob o piso da cabine,

O sistema de travagem antibloqueio derivado da Bosch, que agora é padrão em ambos os estilos de carroceria reduziu a distância de travagem a 70 mph é de apenas 164 pés, a segunda mais curta medida para um carro de produção. pela Car and Driver

O VATS, o novo Sistema Anti-Roubo de Veículos da Chevrolet, era uma nova tecnologia, antifurto passivo Pass Key I, em que cada chave continha um pellet especial que podia ser detectado e identificado. pelo sistema do carro, na resistência elétrica

O Corvette de 1986 foi o Pace Car das 500 Milhas de Indianápolis onde a GM não fez uma série limitada de réplicas do Pace Car da Indy 500, como o fizera em 1978.

Para não se repetir o sucedido em 1978, e evitar reproduções de fundo de quintal baseadas num Corvette qualquer, decidiu que todos os Corvette conversíveis de 1986 fossem réplicas do Indy 500 Pace Car. vendeu 7.315 unidades, 21% da produção anual do Corvette e todos eram “versões especiais”, com autocolantes “Official Indianapolis 500 Pace Car”. mesmo os que não fossem amarelos como o Pace Car oficial.

Em 1995 o Corvette voltou a ser o Pace Car oficial da Indy 500 e a GM novamente aproveitou para lançar uma série especial de réplicas como fez em 1978 e 1986. Voltando a um modelo com características próprias e exclusivas, em produção limitada, que agora não podia ser reproduzido usando um Corvette comum.

IMG_20230917_165902.jpg

IMG_20230917_165913.jpg

IMG_20230917_173323.jpg

IMG_20230917_165927.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Solido

Série Hi Fi

Referencia nº preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - França

Anos de fabrico  a

 

 

 

 


publicado por dinis às 18:14
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 13 de Setembro de 2023

Chevrolet Camaro 1983 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Chevrolet Camaro 1983 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

963ª – Chevrolet Camaro Solido

Chevrolet Camaro - 1982

Modelo real

A terceira geração do Chevrolet Camaro continuou com a plataforma F-body da General Motors.

O moderno  design americano do Camaro incluía uma grande e complexa janela traseira a refletir os avanços recentes no design dos vidros dos automóveis. O para-brisas dianteiro reclinou-se em 62 graus e o banco traseiro rebatia-se para expandir a bagageira, que era acedida através de uma grande porta traseira.

Iniciada a produção em 12 de outubro de 1981 o Camaro foi posto á venda em Dezembro de 1981, como modelo de 1982. O primeiro Camaro com carroceria hatchback tinha como opções a injeção de combustível de fábrica e motor de quatro cilindros. O Camaro Z28 foi o Carro do Ano da revista Motor Trend em 1982.

Estavam disponíveis três modelos: Sport Coupe,  Berlinetta e Z28. 173.000 Camaros foram vendidos nos Estados Unidos em 1982. onde 12 por cento dos compradores preferiram o quatro cilindros, 37 por cento o V6, enquanto 51 por cento optaram pelo V8.

O Sport Coupe estava equipado com o motor LQ9 de quatro cilindros de 2,5 L (151 pol. cúbicos). O LC1 V6 de 2,8 L (173 pol. cúbicos) e o LG4 V8 de 5,0 L (305 pol. cúbicos) eram opcionais. Calotas tipo prato para cachorro eram padrão; as tampas completas das rodas eram opcionais, assim como as rodas de rally de aço e cinco raios de 14 x 7 polegadas na cor da carroceria.

O Berlinetta veio com o 2.8 LC1 V6 padrão ou o 5.0 LG4 V8 opcional. Este pacote também ostentava rodas exclusivas de alumínio com aletas de 14x7 polegadas com detalhes dourados e uma tampa central 'Berlinetta'. Suas próprias listras na parte inferior do corpo, o emblema dourado 'Berlinetta' e os bolsos dos faróis foram pintados em uma cor de destaque.

O Z28 veio de fábrica com o 5,0 L LG4 V8 de 4 barris avaliado em 145 cv (108 kW) e estava disponível com uma transmissão manual de quatro velocidades ou uma transmissão automática TH200 lockup de três velocidades. O LU5 duplo TBI 'Cross Fire Injection' 5,0 L (305 pol. cúbicos) opcional com entradas de capô funcionais foi avaliado em 165 hp (123 kW) e estava disponível apenas com transmissão automática.

Os Z28s incluíam capôs ​​SMC leves de fibra de vidro com abas funcionais de indução de ar no capô em carros RPO LU5. O Z28 tinha um nariz diferente, um spoiler traseiro de três peças e saias dianteiras, laterais e traseiras em prata ou ouro. Logo acima da saia havia uma faixa de três cores na parte inferior da carroceria que circundava o carro. Os bolsos dos faróis do Z28 eram pretos. O padrão eram as novas rodas de cinco raios em alumínio fundido de 15 x 7 polegadas com detalhes em prata ou ouro. Os emblemas do Z28 apareceram no para-choque traseiro direito e nas saias laterais.

No Salão Automóvel de Genebra de 1982, foi apresentada uma versão especial para a Europa, o Camaro Z28E. O "E" significava "Exportar" O Z28E recebeu o V8 de 5 litros com carburador DIN de 157 cv (155 cv; 115 kW), enquanto o V6 de 2,8 litros de 108 cv (107 cv; 79 kW) foi logo adicionado à linha.

IMG_20230913_142435.jpg

IMG_20230913_142511.jpg

IMG_20230913_142520.jpg

IMG_20230913_143310.jpg

IMG_20230913_143319.jpg

IMG_20230913_143329.jpg

IMG_20230913_143342.jpg

Miniatura

Abre as portas.

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Solido

Série Hi Fi

Referencia nº 1503 03/83 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - França

Anos de fabrico  a

 

 

 

 

 


publicado por dinis às 19:06
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 4 de Setembro de 2023

Chevrolet Corvette C4 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Chevrolet Corvette C4 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

955ª – Chevrolet Corvette coupé 1984 Solido

Chevrolet Corvette C4, quarta geração C4; 1983–1996

Modelo real

A mais popular e mais celebre viatura automóvel de desporto americana foi totalmente renovada   na sua quarta geração, foi produzido entre 1983 até 1996, e um CX de 0,34

A equipa do designer-chefe do Corvette Dave McLellan, que substituiu Duntov em 1975, alterou os para-choques traseiros e os painéis do C4 passaram a ser feitos de plástico moldado, uma moldagem de folha composto. O C4 fastback coupé foi o primeiro Corvette de produção geral a ter um hatchback de vidro (a edição limitada de 1982 Collector Edition foi o primeiro Corvette equipado com esse recurso) para melhor acesso ao armazenamento. O painel do teto, feito de fibra de vidro ou opcionalmente de acrílico transparente, era removível. O Corvette C4 veio de fábrica com painel eletrônico com painel de instrumentos digital com tela de cristal líquido. Ele exibia uma combinação de gráficos de velocidade e RPM, nível de combustível e usava displays digitais para outras funções importantes do motor. Pela primeira vez desde 1957, o Corvette usou faróis simples em vez de unidades duplas, mas ainda eram retráteis.

O Corvette estava disponível com uma transmissão Doug Nash "4+3" - uma transmissão manual de 4 velocidades acoplada a um overdrive automático nas três marchas superiores. Essa transmissão incomum foi uma sinergia que permitiu ao Corvette manter uma robusta velocidade de 4 velocidades, mas adicionar um overdrive.

IMG_20230904_175740.jpg

IMG_20230904_175746.jpg

IMG_20230904_175749.jpg

IMG_20230904_175757.jpg

IMG_20230904_175819.jpg

Miniatura

Levanta a mala traseira.

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas têm pneus de borracha de acordo com as originais.

Fabricante Solido

Série Hi-Fi

Referencia nº preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - França

Anos de fabrico  a

 

 

 

 

 


publicado por dinis às 18:20
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 31 de Maio de 2023

Chevrolet Corvette “SCCA- B production - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Chevrolet Corvette “SCCA- B production - Um olhar sobre as minhas miniaturas

893ª – Chevrolet Corvette Scca-B Production Spyder Vitesse

Chevrolet Corvette C1

Modelo real

O primeiro Corvette já construído foi introduzido em 1953 e em 1956, a Chevrolet para salvou o futuro do modelo o protótipo SR, The Real McCoy, ficou em 9º lugar geral nas 12 Horas de Sebring em 1956 no carro nº 1 classe S8.0 com John Fitch e Walt Hansgen no caro da Raceway Enterprises Chevrolet Corvette Special

Como resultado, o # 1 foi equipado com o came Duntov, carburadores Carter gêmeos de 4 cilindros e a capacidade total foi perfurada para 307 polegadas cúbicas. Anexado a isso estava uma caixa de câmbio ZF de 4 velocidades.

Em 1958, a terceira série do modelo recebeu uma carroçaria redesenhada de quatro faróis na frente, disponível até 1960, com pequenas alterações pelo meio. no ano de 1960, a Chevrolet produziu dez unidades destinadas à competição, com a alcunha de Race Rat, com a opção RPO 687 de suspensão e direcção melhoradas, a opção RPO 579D do motor V8 283 equipado com injecção Rochester de 4,6 litros de cilindrada, 315cv de potência e caixa manual de quatro velocidades e, por fim, a opção RPO 276 das jantes 15×5.5. Além destas opções, este Corvette contava ainda com a LPO 1625A, que era uma opção disponível por tempo limitado, do depósito de combustível de 90 litros, desenhado pelo próprio Arkus-Duntov.

nas 12 Horas de Sebring de 1960 na categoria GT14,  venceu, com os pilotos Bill Fritts e Chuck Hall, ficando na posição 16º da geral. Uma das razões que levou à sua vitória foi o facto de estar equipado com um depósito de grandes dimensões, que reduziu e muito, as paragens nas boxes, para reabastecimentos. Além disso, o próprio Zora Arkus-Duntov, ajudou a assistência da equipa nas boxes.

um Corvette 1960 com a opção de capota rígida 419 e sem teto dobrável, com os para-choques e calotas removidos ai está um típico carro de clube 'B-Production' da América, guerreiro de fim de semana da época, provavelmente dirigido para os circuitos não rebocado e não suficientemente modificado para fazer o círculo do vencedor

O Chevrolet Corvette em 1959 continuou a participar em vários eventos SCCA movido por um V8 283ci emparelhado com uma transmissão manual de quatro velocidades.

os carros e pilotos mais conhecidos da SCCA  são os de nível  “nacionais” sem esquecer os  que correram no nível “regional”.

O Corvette conduzido por Jim Jefforeds, e patrocinado por Nicky Chevrolet de Chicago, foi construído por Ronnie Kaplan e chamado Purple People Eater MKII, foi Campeão nacional da SCCA BP em 1959 quando venceu todas as corridas em que participou, exceto a última, com Jim Jeffords ao volante e o mecânico Ronnie Kaplan virando chaves.

IMG_20230531_185253.jpg

IMG_20230531_185311.jpg

IMG_20230531_185330.jpg

IMG_20230531_185334.jpg

 

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Vitesse

Série

Referencia nº 114 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 19:31
link do post | comentar | favorito
Domingo, 28 de Maio de 2023

Chevron B 19 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Chevron B 19 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

890ª – Chevron B 19/21 Modelos 3J

Jonh Bamford  Chevron B19 -71-4 Cosworth FVC Vila Real 1971 e 3º classificado. Chevron B19 B19-71-4

De acordo com o plano nº 4 que custava 30$00, era possível fazer 14 versões , mas nas folhas de decalques que a 3J também disponibilizava somante alguns dos autocolantes eram disponibilizados.

O Chevron B 21 com lista azul foi pilotado em Dijon ou Paul Ricard em 1971, mas como a decoração não era completa nas folhas de decalques da 3j, optei para o guardar para o de Jonh Bamford no Chevron B19 Cosworth FVC que correu em Vila Real em 1971 e ficou em 3º.

Modelo real

Chevron B19 B19-71-4

Para John Bamford dirigir no Campeonato Europeu de 2 litros de 1971: estreia BARC 1000 4 de abril de 1971 (MN 8 de abril de 1971 pp12-14,24) inscrito pela Worcestershire Racing Association e co-dirigido por John Burton. Também dirigido por Bamford em Thruxton Yellow Pages Trophy Race em 12 de abril, os carros desportivos do GP de Paris em 23 de maio, Silverstone em 5 de junho, Vila Real em 4 de julho (MN 8 de julho de 1971 p19),

Depois dos belos Chevron B 8 que proliferavam no circuito de Via real a presença do novo Chevrom B19  Worcestershire Racing Association que veio a Vila Real ou os não menos belos Chevron B16 de de Ken Walker ou o de Thierry Tilmant.

Modificação na miniatura

IMG_20230528_214026.jpg

IMG_20230528_214114.jpg

IMG_20230528_214130.jpg

IMG_20230528_214320.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Modelos 3J

Série

Referencia nº preço

Material – bloco único de resina e partes em metal branco

Apresentado em caixa de cartão

País – Portugal

Anos de fabrico  a

 

 


publicado por dinis às 22:05
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 11 de Maio de 2023

Chevrolet Corvette em Le Mans- Um olhar sobre as minhas miniaturas

Chevrolet Corvette em Le Mans- Um olhar sobre as minhas miniaturas

876ª – Chevrolet Corvette Vitesse

Nº 2 Thompson / Windridge Chevrolet Corvette B. S. Cunningham 8º e 1º da Classe 4000 a 5000.

Modelo real

A contribuição da General Motors, embora não oficial e de Zora Arkus-Duntov, considerado o pai do Corvette, permitiu a aquisição de três Corvette Roadsters á General Motors prontos a tempo para as 12 Horas de Sebring de 1960 e determinar onde deviam ser melhorados para Le Mans.

Um Chevrolet Corvette foi enviado para a França para o teste oficial de Le Mans, inscrito por Cunningham em conjunto com o protótipo  Jaguar E2A. Nos Estados Unidos, o trabalho continuou e as últimas modificações foram testadas em Bridgehampton em Maio. os três Corvettes foram enviados e entraram na corrida com pilotos americanos. Arkus-Duntov também foi incluído.

Nº 1 Cunningham / Kimberly           Chevrolet Corvette B. S. Cunningham

Nº 2 Thompson / Windridge             Chevrolet Corvette B. S. Cunningham

Nº 3 Fitch / Grossman Chevrolet Corvette B. S. Cunningham

Nº 4 Lilley / Gamble Chevrolet Corvette Camoradi U.S.A.

O quarto exemplar da equipe Camoradi de Lloyd 'Lucky' Casner, estava mais próximo do normal e não possuía o motor V8 modificado, mas era mais o leve dos três Cunningham Corvettes. No entanto, as modificações foram tais que os carros mais desenvolvidos eram realmente mais rápidos.

O primeiro a abandonar foi o # 1 Cunningham Corvette devido a uma forte tempestade na segunda hora. Na terceira hora um acidente obriga o carro nº 2 a perdeu tempo precioso para reparar os danos.

O carro nº 3 funcionou fortemente até que o motor começou a superaquecer na manhã de domingo. Com os regulamentos limitando as recargas de refrigerante apenas uma vez a cada 25 voltas, parecia tudo acabado para o # 3 durante os estágios finais. Uma solução engenhosa foi encontrada enchendo o compartimento do motor com gelo a cada volta durante a hora final da corrida.

Compartilhado por John Fitch e Bob Grossman, o Corvette nº 3 cruzou a linha em oitavo no geral e primeiro na classe. Foi o único Corvette a ser classificado, pois o carro nº 2 foi forçado a se aposentar com problemas no motor após 20 horas e o Camoradi atrasou tanto que percorreu uma distância insuficiente. Apesar do sucesso em Le Mans, os Cunningham Corvettes não voltaram a correr,

Embora os Corvettes resultado da estreia do Corvette em Le Mans pensava-se  que um estava perdido, sabendo se que agora todos os três Cunningham Corvettes são conhecidos por terem sobrevivido.

IMG_20230511_142605.jpg

IMG_20230511_142718.jpg

IMG_20230511_142839.jpg

IMG_20230511_173609.jpg

Miniatura

Modificação na miniatura

Aberto no vidro traseiro da entrada de combustível

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Vitesse

Série Retro Vitesse

Referencia nº preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 

 

 

 

 

 


publicado por dinis às 18:50
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9





.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Chevrolet Impala Daytona ...

. Chevrolet Corvette- Um ol...

. Chevrolet Lumina ou Buick...

. Cadillac Seville - Um olh...

. Chevrolet Corvette Pace C...

. Chevrolet Camaro 1983 - U...

. Chevrolet Corvette C4 - U...

. Chevrolet Corvette “SCCA-...

. Chevron B 19 - Um olhar s...

. Chevrolet Corvette em Le ...

. Chevrolet sedan 1950 - Um...

. Chevrolet Camaro SS - Um ...

. Chevrolet Corvette 1960 -...

. Chevrolet Corvette Sting ...

. Chevrolet Corvete Coupé S...

. Chevrolet Astro 1 - Um ol...

. Chevrolet Corvette Pininf...

. Chevrolet Corvair- Um olh...

. Chevrolet Impala - Um olh...

.arquivos

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs
RSS
Em destaque no SAPO Blogs
pub