Quinta-feira, 23 de Junho de 2022

GRD S-73/072 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

GRD S-73/072 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

609ª – GRD S 73 Modelos 3J

GRD S-73/072 - Team Palma - Ernesto Neves XX Circuito Internacional de Vila Real 1973

 Modelo real

A G.R.D. (Group Racing Developments) foi fundada em 1971 por Mike Warner em Norfolk onde começou a produzir automóveis de Formula 3 e Sport com o projectista Jo Maquart, e como piloto de testes lá estava John Miles, antigo piloto da Lotus e vencedor de Vila Real.

Para 1973, aos dois Lola T292 do Team BIP viram juntar-se dois GRD S73, em Junho de 1973, importados pela “Gazo-Industrias Portuguesas Lda.” para Lumaro (Luis Madeira Rodrigues) Ernesto Neves, chassis #072 e #073.

Os motores eram os Ford BDA de 1997 cc e cerca de 270 cv, preparados pela Racing Services.

A estreia foi no Circuito de Vila Real com as cores do “Cartão Sottomayor” no de Ernesto Neves e em amarelo para Lumaro

A prova principal para os Grupos 3, 4 e 5, contava com cerca de 40 inscritos, muitos deles participantes no campeonato Europeu de 2 litros com destaque para os Lola T292 do Team BIP, para Carlos Gaspar e Carlos Santos, um outro T292 para Jean-Louis Lafosse e um quarto para Tony Birchenhough alem de vários Chevron.

O mais rápido, entre os 27 participantes foi o GRD (#041) da DART Racing, equipa semi-oficial, pilotado por Dave Walker, companheiro de Emerson Fittipaldi no JPS-Lotus no ano anterior, Ernesto Neves foi 5º nas duas sessões de treinos onde na primeira sessão a bomba de gasolina sobreaqueceu problema resolvido para a segunda sessão. No sábado já no final dos treinos rebenta um tubo de óleo junto ao respectivo manómetro.

A prova foi dominada durante 27 voltas pelo GRD de David Walker até bater com uma roda na curva da Salsicharia. Nesse dia Carlos Gaspar estava imparável foi recuperando terreno em relação a Walker, tendo vencido brilhantemente no seu Lola T 292/Ford do “Team BIP”, seguido de Peter Ghetin em Chevron B 23.

Lumaro fez uma volta e vai para a boxe, e Ernesto Neves com um bom início de prova, foi o melhor entre os portugueses nas primeiras 6 voltas, mas desistiu com problemas de pressão de óleo.

Modificação na miniatura

Como kit teve de ser preparado para depois ser pintado.

IMG_20220623_170319.jpg

IMG_20220623_170325.jpg

IMG_20220623_170407.jpg

IMG_20220623_170428.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

As rodas são de plástico

Fabricante Modelos 3J

Série 2 Litros

Referencia nº 5 preço 350$00

Material – resina e metal

A base faz parte da carroçaria

Apresentado em caixa de cartão.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 18:36
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 14 de Junho de 2022

Porsche 908/2 Flunder Le Mans 1970, - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Porsche 908/2 Flunder Le Mans 1970, - Um olhar sobre as minhas miniaturas

600ª – Porsche 908/2 Flunder Modelos 3J

Porsche 908/2 Flunder - cauda longa - Martini International Racing Team - 3º Le Mans 1970,

 Modelo real

A nova linha aerodinâmica de carroceria estava concebido para correr com cauda curta, como o Spyder para circuitos lentos e sinuosos, e com cauda longa, como os coupé para circuitos.

A versão 908LH 'Langheck' (cauda longa) também foi desenvolvida para velocidades excepcionalmente altas como em Le Mans, Spa, Monza e Daytona.

Por isso, nas 24 horas de Le Mans, o 908/02 tinha cauda longa e aletas verticais na traseira e estava inscrito pela Hart Ski Racing Team para ser conduzido por Siffert e Redman.

Nos treinos o nº 20 foi o 3º mais rápido com 3´ 29´´ 900

Depois de uma boa partida suplantando Stommelen / Ahrens, Jr. e Vic Elford e Richard Attwood no 917 L Coupe, Jo Siffert /Brian Redman no 908/02 comanda até à quarta volta até ser obrigado a desistir com problemas na caixa de velocidades ao fim de 60 voltas. Irá fazer parte do cartaz do ano seguinte.

O Porsche 908 LH de Hans Herrmann e Gerard Larrousse terminaram a corrida em segundo.

O mesmo carro 908.02-05 Flunder voltou a Le Mans no ano seguinte revisto agora com o patrocino da Martini International Racing Team, foi pilotado por Rudi Lins e Helmut Marko

Nos treinos foi o 22º com 3'38"9, foi progredindo atá que á noite Lins/Marko 908 estava em 4º com 171 voltas e uma vantagem de 5 voltas na categoria Grupo 6 sobre o Alfa Romeo de Stommelen em 5º.

Ao amanhecer, o tempo passou de chuva forte para tempestade. Às 6h, após 16 horas, os Porsches ainda mantinham os quatro primeiros lugares: Herrmann/Attwood liderando com o Elford/Ahrens 'longtail' de volta ao segundo, o Lins/Marko 908 em terceiro (e primeiro protótipo) e o Larrousse/Kauhsen Martini longtail, na quarta posição.

O Porsche 908/2 Fulder Le Mans mantiveram o lugar terminaram a prova percorrendo uma distância de 4502,780 Km á media de 187,616Km/h. contribuindo para o 1-2-3 da Porsche em Le Mans em 1970, onde foi o 3º à geral, vencedor ao Índice de performance e também a vitória no Grupo Sport Protótipos e na classe 2 litros.

Modificação na miniatura

Escolhida a versão cauda longa para o modelo pretendido

IMG_20220614_171203.jpg

IMG_20220614_171259.jpg

IMG_20220614_171328.jpg

IMG_20220614_171621.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de resina de acordo com as originais.

Fabricante Modelos 3J

Série Export

Referencia nº 13 preço 230$00

Material – resina e metal

A base está junta á carroçaria no mesmo bloco

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 02:07
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 30 de Maio de 2022

MG A 1600 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

MG A 1600 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

585ª – MG EX 182 LM  Modelos 3J modificado

MG A 1600 Deluxe de Pedro Tores Fernandes no 1º Circuito de Cascais 8º

A única informação que possuía no fim da década de setenta era a que possuo agora.

Seguindo as indicações de Santos Carvalho na rubrica Escala reduzida do Jornal Motor e onde se pode ler”(…) No circuito de Cascais , com Pedro Tores Fernandes  ao volante.

O carro era vermelho e tinha as portas, tampa da mala e capot dianteira em cor branca, enquanto o vidro foi substituído por outro, no bom estilo dos carros de competição ingleses. (…)”

Actualmente podemos encontrar uma foto no Livro de Adelino Dinis “Circuito de Cascais 1963 - 1966”.

Modelo real

Vila Real não fazia as corridas tradicionais corridas e Monsanto foi utilizado pela última vez em 1959 e a Boavista em 1960 para a Formula 1.

Vila do Conde era o único circuito português em atividade, Alverca e Lordelo do Ouro foram e Montes Claros, o Pequeno Monsanto, só servia para provas nacionais enquanto do Circuito do Estoril quase ninguém se lembrava.

O objetivo era realizar um Grande Prémio de Portugal em 1964 naquele tempo para automóveis de Grande Turismo por isso realizaram em 1963, uma prova para um ensaio do novo traçado nas ruas de Cascais.

O circuito de Cascais faria parte do Campeonato Nacional de Pilotos, composto por três circuitos, duas rampas e oito ralis.

A pista utilizaria parte da nova estrada do Guincho, bem como a estrada marginal para a Boca do Inferno na qual se realizou durante três anos, entre 1963 e 1966.

O Circuito de Cascais realizou-se pela primeira vez a 21 de julho de 1963

Na prova de Grande Turismo e com nº 28 o MG A Deluxe de Pedro Torres Fernandes classificou-se em 8º. Luis Fernandes em jaguar foi o vencedor seguido de Horácio de Macedo e Álvaro Lopes em ferrari 250 GT berlinetta 

Modificação na miniatura

A miniatura é o modelo MG 185 da Modelos 3J que adaptei para um carro de estrada.

IMG_20220530_200441.jpg

IMG_20220530_200501.jpg

IMG_20220530_215154.jpg

IMG_20220530_220106.jpg

IMG_20220530_220135.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de um outro modelo.

Fabricante Modelos 3J

Série

Referencia nº 1

Material – resina e metal

A base está junta à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão.

País - Portugal

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 19:48
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 18 de Maio de 2022

Ferrari 275P Le Mans  #20 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Ferrari 275P Le Mans  #20 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

573ª – Ferrari 250/ 275 P Modelos 3J

24 Heures du Mans 1964 - Ferrari 275P #20 - Pilotes : Jean Guichet / Nino Vaccarella 1º

O 250P foi fabricado em 1963 e o desenvolvimento começou na segunda metade do ano de 1962 dos quais foram produzidos 4 (Chassis nº, 0810, 0812, 0814, 0816), e foi Campeão dos Construtores de 1963 e venceu obteve a 7ª e 8ª vitória da Ferrari na prova Francesa  

Ferrari 250P #21 Vencedor Le Mans 1963- Ludovico Scarfiotti /Lorenzo Bandini

Ferrari 275P Le Mans 1964 #20 Nino Vaccaeella Jean Ghichet

 Modelo real

O Ferrari 275 P #0816 venceu as 24 Horas de Le Mans em 1964, também foi o vencedor da prova em 1963… algo que se descobriu só agora apos numa venda privada depois de 48 anos na coleção do francês Pierre Bardinon, que nunca se quis desfazer do carro.

Na semana do Automóvel de Monterey, nos EUA, soube-se este Ferrari 275 P, terá sido o único carro com o emblema Cavallino Rampante no capot, a vencer, não uma, mas duas vezes as 24 Horas de Le Mans.

Sabia-se que o Ferrari 275 P, chassis n.º 0816, foi o vencedor das 24 Horas de Le Mans de 1964, mas agora ficamos a saber que este mesmo chassi, venceu, afinal, também no ano anterior.

A Ferrari terá inscrito em 1963, apenas um carro, com o chassi n.º 0814, mas que um despiste, em Nürburgring, impossibilitou a sua recuperação a tempo da corrida francesa.

Apresentaram-se à partida com outro 275 P, chassi n.º 0816 e que obteve a sua primeira vitória em Le Mans Ludovico Scarfiotti /Lorenzo Bandini.

No ano seguinte, 1964, o Ferrari 275P volta a Le Mans e com o #23 Nino Vaccaeella e Jean Ghichet obtiveram a vitória com o mesmo carro do ano passado, foi a última vitória de Maranello, na corrida francesa, como construtor oficial, em 1965, a vitória foi para um Ferrari 250 LM, privado einscrito pela equipa NART, o Ferrari 275 P n.º 0816 venceu ainda, em 1964, as 12 Horas de Sebring.

Modificação na miniatura

A miniatura é a mesma e não segui as instruções do folheto em cortar o modelo na capot, por cima das rodas traseiras e aumentar 3mm. Somente foi alterado o 0 do 20 para 1 e já está 21 o que não deixa de ser engraçado depois da historia agora conhecida.

IMG_20220518_164820.jpg

IMG_20220518_195355.jpg

IMG_20220518_195405.jpg

IMG_20220518_195419.jpg

IMG_20220518_195705.jpg

IMG_20220518_195727.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de resina de acordo com as originais.

Fabricante  modelos 3J

Série

Referencia nº 11130H0 a preço antigo

Material – bloco único de resina com elementos emmetal

Apresentado em caixa de cartão.

País - França

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 21:21
link do post | comentar | favorito
Sábado, 14 de Maio de 2022

Nash Healey Le Mans 1950 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Nash Healey Le Mans 1950 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

569ª – Nash Healey Le Mans 1950 Modelos 3J

Healey Silverstone X5 Le Mans 1950 Tony Rolt (GB)/Duncan Hamilton (GB) 4º

A outra prenda de Natal 1982

Modelo real

Em 1945, Donald Healey fundou a Healey Motor Co. Ltd em Warwick, Inglaterra, mas, aquele encontro durante a viagem a bordo do transatlântico Queen Elizabeth, entre Donald Healey e George Mason, da Nash Kelvinator Corporation, EUA, levou a construção do Nash Healey, um carro desportivo com o emblema Nash.

Pai e filho decidiram dirigir o Healey Silverstone equipado com um Nash Dual Jetfire modificado, em linha, motor de seis cilindros, na corrida de estrada Mille Miglia de 195 uma corrida de estrada, de Brescia a Roma e de volta a Brescia, numa distância de cerca de 1050 milhas, usando vias públicas. O Healey terminou em 177º lugar num total de 375 titulares e 213 finalistas e alcançaram um honroso nono lugar na classe.

O X4 não era tão rápido e a pouco mais de dois meses, era a corrida de 24 horas de Le Mans. A equipe de desenvolvimento, de Roger Menadue, começou a trabalhar no carro com urgência. O motor foi equipado com uma árvore de cames de alta elevação e novos anéis de pistão, o último reduziu o impacto e, como consequência, ajudou a diminuir a temperatura do óleo, o que havia sido um problema na Mille Miglia. A potência foi aumentada para 126 cv a 4600 rpm.

Naquele ano, o AOC (Automobile Club de l'Ouest), os organizadores da corrida, decidiram que as asas de bicicleta não eram mais aceitáveis, e como solução, uma carroceria totalmente envolvente, abrangendo os faróis, foi criada por Bill Buckingham. Este carro recebeu a designação X5. Com essas melhorias aerodinâmicas e de motor, o carro agora era capaz de alcançar e manter 124 mph.

Na estreia da Donald Healey Motores em Le Mans, Duncan Hamilton e Tony Rolt foram os pilotos do número 14. Durante a corrida, com Duncan Hamilton ao volante e o Nash Healey a diminuir de velocidade foi abalroado por um Delage com falha nos travões.

No boxe verificou-se que a transmissão o sistema de escape estavam danificados. Roger Menadue demorou cerca de vinte minutos para fazê-lo com a ajuda de uns fios arrancados de um telefone e os pilotos com ordem de reduzir o andamento para acabar a prova e evitar qualquer dano irreparável. Hamilton e Rolt percorreram um total de 2.103,262 milhas a uma velocidade média de 87,635 mph. Isso os colocou em quarto no final da corrida, atrás do primeiro e segundo colocados Talbot-Lagos e do Cadillac Allard de Sydney Allard e Tom Cole.

Apenas 105 foram produzidos entre 1949 e 1951, pois Healey precisava produzir 100 de seus carros de corrida habilmente disfarçados como versões de rua para atender aos requisitos de homologação.

a Warren Kennedy em Milton Keynes,  concluiu a restauração do Nash Healey X5 em junho de 2020.

Modificação na miniatura

Como Kit foram desbastado o material sobrante e tapados os buracos existentes.

Pintado e depois colocadas as decalcomanias segundo o esquema da Modelos 3J em que lhe faltava o nº da traseira tal como o da Provence Moulage. Mas como a única foto que tinha era do Livro das 24 Horas de Le Mans assim ficou e continuará.

Nota os livros vieram de França que a minha colega D. Elena me fez o favor de trazer.

IMG_20220514_182847.jpg

IMG_20220514_184332.jpg

IMG_20220514_184347.jpg

IMG_20220514_184407.jpg

Miniatura

Interior detalhado

As rodas são de resina de acordo com as originais.

Fabricante Modelos 3J

Série Normal

Referencia nº15 preço 150$00

Material – resina e metal

Material da placa de base – plástico

Apresentado em caixa de cartão.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 19:51
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 28 de Abril de 2022

Austin Healey LM 1953 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Austin Healey LM 1953 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

553ª – Austin Healey LM 1953 Modelos 3J

O Healey da Donald Healey Motor Co, o protótipo do Austin Healey 100/4, carro número 33 conduzido pela equipe de Marcel Becquart e Gordon Wilkins 14º lugar geral nas 24 horas de Le Mans em 1953.

 Modelo real

O mistério do NOJ 393

Em Earl's Court no outono de 1952, um aperto de mão entre Donald Healey, da Donald Healey Motor Corporation e, por outro lado, Leonard Lord, o todo-poderoso chefe de Austin e assim nascia o Austin Healey 100.

Donald Healey construiu alguna veículos de competição de pré-produção e foi para Le Mans, por estrada.

A 12 de junho de 1953, o NOJ 391 (número 33) e NOJ 392 (número 34) passaram nas verificações regulatórias enquanto NOJ 393, permaneceu no castelo que Healey havia alugado como residência durante as corridas.

A equipa vai passar a noite nas esplanadas de Le Mans e os carros vão para exibição, mas no caminho de regresso ao castelo, o NOJ 391 é vítima de um acidente.

De imediato, o NOJ 393 graças a uma noite de trabalho, toma discretamente a aparência de NOJ 391... É pela barba de todos, correu pelas mãos do francês Marcel Becquart e do inglês Gordon Wilkins e termina a corrida em 3º em sua classe e 14º geral. (NOJ 392 terminou em 2º na classe e 12º na geral).

O NOJ 393 volta dois anos depois mas ás 18h28, vai para  as boxes, Mike Hawthorn em Jaguar abriu caminho para Austin Healey, que se desviou para a esquerda para evitá-lo.

Modificação na miniatura

Como kit e depois de retiradas as interpretações foi montado e pintado e decorado, segundo as instruções da época.

IMG_20220428_173425.jpg

IMG_20220428_174015.jpg

IMG_20220428_174041.jpg

IMG_20220428_184025.jpg

Miniatura

Interior detalhado

As rodas são de resina de acordo com as originais.

Fabricante Modelos 3J

Série Normal

Referencia nº 14 preço 300$00

Material – zamac

Apresentado em caixa de cartão.

País - Portugal

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 22:30
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 7 de Abril de 2022

Ford Escort RS 1800 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Ford Escort RS 1800 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

532ª – Ford Escort RS Modelos 3J

Ford Escort RS 1800 MKII Rali de Portugal 1979 Hannu Mikkola- Arne Hertz Vencedor

O primeiro Kit injectado da Modelos 3J

Modelo real

A segunda geração do Ford Escort o MKII foi produzido entre Dezembro de 1974 e Agosto de 1980, e ficou para sempre associada aos ralis do Campeonato do Mundo que venceu, em 1979 e 1981, com Björn Waldegard e Ari Vatanen, respectivamente.

Quando os engenheiros de Boreham, encontraram finalmente uma falha num cilindro e a fiabilidade restaurada, o Ford Escort RS 1800 mostrava a sua competitividade e permitiu a Roger Clark venceu o RAC e o Campeonato Britânico de Ralis, a bandeira da Ford era levada por pilotos como Ari Vatanen, Billy Coleman e Russell Brookes, que muito contribuíram para a evolução do Escort RS 1800. Em 1977, o departamento de competição da Ford preparava-se para o WRC, com Björn Waldegard no Safari, Acropóle e RAC 1977 e Kyosti Hamalainen  nos 1000 Lagos em 1977,

Em 1978 Hannu Mikkola e Arne Hertz foi batido no último troço em Portugal pelo Fiat 131 de Markku Alen, onde foi segundo da geral e Ari Vatanen a abandonar.

Em 1979 no Rallye de Portugal, Hannu Mikkola e Arne Hertz no Ford Escort RS 1.8 é primeiro seguido por Bjorn Waldegaard/Hans Thorszelius também em Ford Escort. e Ari Vatanen a desistir novamente.

Foi o em que o Escort Mk II deu à marca da oval o primeiro título do mundial de marcas, onde conseguiu cinco vitórias nas 12 etapas eonde obteve 147 pontos. A Fiat, só venceu uma vez e ficou com 82 pontos, e aí está um carro campeão. Os dois pilotos da equipe de fábrica da Ford, o sueco Björn Waldegård e o finlandês Hannu Mikkola, subiram ao pódio juntos nada menos que nove vezes e ficaram com o primeiro e o segundo lugar no campeonato de pilotos.

Modificação na miniatura

É um Kit em resina injectada. O primeiro com esta forma de produzir os modelos de resina que eu tenho da Modelos 3J

 O modelo foi propositadamente sujo como tinha aprendido numa revista de modelismo.

IMG_20220404_190229.jpg

IMG_20220404_190249.jpg

IMG_20220404_190311.jpg

IMG_20220404_190729.jpg

IMG_20220404_190742.jpg

Miniatura

Interior detalhado

As rodas são em resina de acordo com as originais.

Fabricante Modelos 3J

Série Rally 700$00

Referencia nº 1

Material – resina

Material da placa de base – resina

Apresentado em caixa de cartão.

País – Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 19:06
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 4 de Abril de 2022

Porsche 908 Spyder - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Porsche 908 Spyder - Um olhar sobre as minhas miniaturas

529ª – Porsche 908 S Modelos 3J

Porsche 908/2 Spyder K #011 Brands Hatch Jo Siffert (CH)/Brian Redman (GB) 1º

O Natal de 1981 foi assim…

Um modelo muito querido de Vila Real mas que optei pelo de Brands Hatch

 Modelo real

Em 8 de Janeiro de 1969, um evento de imprensa em Hockenheimring revela o novo Porsche Porsche 908/2 Spyder

Estava equipado com um motor de oito cilindros refrigerado a ar, montado no meio do navio, duplo comando de válvulas no cabeçote, injeção de combustível, 2.997 cc, 350 hp a 8.400 rpm

Os regulamentos técnicos de 1969 não estipulam um peso mínimo, podia ser aberto, sem compartimento de bagagem ou roda sobressalente.

Essas novas regras de corrida permitiram carros abertos e a Porsche construiu um 908/02 K Spyder mais leve. Enquanto os 908/01 foram construídos inicialmente com armações de aço e depois com armações de alumínio, os 908/02 K Spyders foram todos feitos com armações de tubos de alumínio. As armações eram pressurizadas e possuíam medidores de pressão de ar. Isso ajudou a detectar se o quadro sofreu algum dano durante a corrida. Para aumentar ainda mais a estabilidade na frenagem nas curvas, um sistema antibloqueio foi criado e testado, mas ainda não era avançado o suficiente para ser usado em corridas (seria usado pela primeira vez em um 917). Essa estrutura espacial de alumínio, um corpo de plástico de 13 quilos, uma nova caixa de câmbio leve de cinco marchas e detalhes como eixos de titânio ajudaram o 908/02 Spyder a pesar 600 quilos. O 908/02 Spyder também serve como carro de teste nos primeiros testes de ABS, um recurso que não foi adotado para corridas.

Os três Porsche 908/2 inscritos nas 24 Horas de Daytona não terminaram mas em Sebring nas 12H a 22 de março de 1969. Rolf Stommelen/Joe Buzzetta/Kurt Ahrens Jr. levou o 908/02 K ao terceiro lugar.

Em Brands Hatch nas 6 Horas em 13 de abril de 1969 o 908/02 K fizeram uma tripla com Jo Siffert/Brian Redman a obter a primeira vitória seguidos por Vic Elford (GB)/Richard Attwood (GB) e em terceiro Mitter (D)/Udo Schütz (D) em carro idêntico

Modificação na miniatura

É um kit em resina maciça e metal feito em Portugal

IMG_20220404_214753.jpg

IMG_20220404_214958.jpg

IMG_20220404_215012.jpg

IMG_20220404_215029.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são em resina de acordo com as originais.

Fabricante Modelos 3J

Série Export - preço 230$00 em 1981

Referencia nº 12

Material – resina

Material da placa de base – resina

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 22:49
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 1 de Abril de 2022

Porsche RS 61 Spyder - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Porsche RS 61 Spyder - Um olhar sobre as minhas miniaturas

526ª – Porsche RS 61 Spyder Modelos 3J

Porsche 718 RS 61 Spyder Targa Florio em 1961, 2º com Jo Bonier-Dan Gurney

O coupé Carrera de quatro câmaras no cabeçote, anteriormente um item de produção, agora é um carro de corrida com carroceria especial e disponível em quantidade limitada. Além disso, o RS-61 Spyder é estritamente para corridas, e apenas alguns são produzidos para venda a proprietários particulares que podem defender as vitórias da Porsche. Se um fã de corrida desejar, é possível preparar um dos Porsches de produção para corridas de carros esportivos amadores por algumas centenas de dólares e ser competitivo o suficiente para ganhar troféus de classe.

Motor Trend, Abril de 1961

 Modelo real

Da celebre e vasta gama iniciada em 1954 com o 550/4 e onde pontificaram o referido 550/4, o RS 57, o RSK e o RS 60, o RS 61 foi talvez o ultimo dessa gloriosa geração de Spyders da classe 1500/2000.

Tradicionais vencedores da respectiva classe em quase todas as provas do Mundial de Marcas que disputavam, este pequenos spyders chegaram a obter convincentes vitorias em luta com carros com o dobro da cilindrada, São o caso da Targa Florio (3 triunfos) e de Sebring em 1960. 

O RS61, aparecido em 1961, apresentava a inevitável versão aberta (spyder) nas também uma versão fechada (coupé). Qualquer das versões obteve bons resultados, atendendo à sal cilindrada, especialmente no ano seguinte.

Como curiosidade refira-se que o RS 61 Spyder, equipado com um motor de oito cilindros em 1962, teve uma tão longa carreira – Targa Florio, Campeonato Europeu de Montanha, etc. – que ficou conhecido pela designação de “Avô” (Gross Mutter).

A estreia foi na 45° Targa Florio foi a 30 de Abril de 1961, no Circuito Piccolo delle Madonie, (Sicília, Itália). Foi a segunda prova da F.I.A. Campeonato Mundial de Carros Desportivos.

O Ferrari de von Trips/Gendebien herdou a liderança, para conquistar a vitória, nas 10 voltas, em que percorreu 447,388 milhas em pouco menos de 7 horas e meia de corrida, com uma velocidade média de 64,272 mph O segundo lugar foi para a Porsche de Bonnier e Gurney num Porsche 718 RS 61, a mais de 4 minutos e meio.

O pódio foi completado por outro Porsche, de Herrmann e Barth, que estavam mais 12 minutos atrás.

Joakim Bonnier e Dan Gurney terminaram em 2º na classificação geral, 2º na categoria de Sport e 1º na classe 1601-2000 cc, nada mau para uma estreia.

Enquanto fotografava e por breves momentos, pousou na miniatura, uma jovem mosca como que a admirar o Porsche, a lembrar.me dos bons velhos tempos de: uma mosca com o seu cafezinho.

IMG_20220401_170335.jpg

IMG_20220401_175318.jpg

IMG_20220401_175609.jpg

IMG_20220401_175637.jpg

.Miniatura

É um kit em resina e metal

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de resina de acordo com as originais.

Fabricante  Modelos 3J

Série Normal

Referencia nº 13

Material – resina

Apresentado em caixa de cartão.

País – Portugal

Preço em 1981 210$00

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 19:01
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 28 de Março de 2022

Jaguar XK 120 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Jaguar XK 120 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

522ª – Jaguar XK 120 Le Mans 1950 Modelos 3J

Jaguar XK 120 de L. Johnson/Bert abandonou

O Jaguar de L. Johnson/Bert Hadley é um dos três XK 120 que a fábrica da marca preparou e atribuiu de forma selectiva a equipas particulares que participaram na edição de 1950 das 24 Horas de Le Mans.

Modelo real

Em 1950, numa cautelosa tentativa experimental, três KK 120, são inscritos para as 24 horas de Le Mans, as equipas eram constituidoras por Leslie Johnson/Bert Hadley (Nº17), N Haines/P. Clark (nº16) e P. Whitehead/ J. Marschal (nº 15). Os carros eram puramente de série e não sofreram qualquer alteração em relação as especificações de origem. Apenas utilizaram o equipamento opcional de velocidade, e que fazia parte do catálogo de fábrica. Para brisas, tampão rápido de gasolina e correias de segurança no capot.

Durante a corrida o comportamento dos XK 120 surpreendeu tudo e tosos: para além dos três carros se manterem entre os dez ou 15 primeiros, Johnson conquistara e defendia o quarto lugar em cada hora de corrida em relação ao líder, que era o francês ROsier em Talbot.A manter-se este ritmo, Rosier seria ultrapassado e Johnson obteria o 1º lugar, caso o francês não aumentasse a sua velocidade média. Na realidade parecia que Rosier não podia aumentar o ritmo da sua corrida, pois o seu Talbot já não estava a render totalmente. As esperanças nas boxes da Jaguar aumentaram grandemente quando se verificou que Johnson continuava paulatinamente a encurtar o seu atraso: o segundo lugar estava já á vista e o primeiro não podia estar muito longe. Mas as esperanças foram fugazes, com 21 horas de corrida o Xk 120 de Johnson parava perto das boxes com a embraiagem estoirada. Os outros dois jaguares classificaram-se em 12º e 15 lugares na geral com Clark/Haines e Whitehead /Marschall , respetivamente, e em 5º e 8 , na classe.

IMG_20220328_215742.jpg

IMG_20220328_220231.jpg

IMG_20220328_142642.jpg

IMG_20220328_142739.jpg

IMG_20220328_142830.jpg

Miniatura

Interior detalhado

As rodas têm pneus de borracha

As rodas são de plástico Ribeirinho.

Fabricante Modelos 3J

Série Export

Referencia nº 12

Material – resina com elementos em metal

Apresentado em caixa de cartão.

País - Portugal

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 22:22
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9
11

18


29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. GRD S-73/072 - Um olhar s...

. Porsche 908/2 Flunder Le ...

. MG A 1600 - Um olhar sobr...

. Ferrari 275P Le Mans  #20...

. Nash Healey Le Mans 1950 ...

. Austin Healey LM 1953 - U...

. Ford Escort RS 1800 - Um ...

. Porsche 908 Spyder - Um o...

. Porsche RS 61 Spyder - Um...

. Jaguar XK 120 - Um olhar ...

. Fiat Abarth Rali Internac...

. Lola T 70 Riverside 1966 ...

.  Porsche 908/3- Um olhar ...

. Cunningham - Um olhar sob...

. Fiat F2 19hp GP deDiepe 1...

. Fiat 124 Spider Abarth Ra...

. Maserati A6 GCS, afinal o...

. Ferrari 250 P 1963 - Um o...

. Ferrari 712 Can Am - Um o...

. Maserati A6 GCS - Um olha...

. Triumph TR2 Le Mans - Um ...

. Porsche 718 Fórmula 2 - U...

. Aston Martin DB3S - Um ol...

. Aurora Porsche Spyder - U...

. Vanwall F1 Grande Prémio ...

. MG 182 EX - Um olhar sobr...

. Connaught Type A 1953 - U...

. Maserati A6 GCS Bialbero ...

. Lotus 11 em Vila Real  - ...

. Lola T 210 - Um olhar sob...

. Lotus 11 - Um olhar sobre...

.arquivos

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs
RSS
Em destaque no SAPO Blogs
pub