Terça-feira, 26 de Dezembro de 2023

Ford GT 40 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Ford GT 40 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1063ª – Ford GT 40 SPA 68 Box   

Ford GT40 Mk1 Jean Blaton - Franco Sbarro SPA 1968

Modelo real

Jean Blaton ou melhor BEURLYS corria com A Ferrari desde 1957, no Ferrari166 nas Mille Miglia. 250 GT, incluindo um GTO e um LM.

Quando Enzo Ferrari se retirou das corridas, em protesto contra os novos regulamentos de 1968, Blaton comprou um  Ford GT 40 ao mesmo tempo adquiriu o ex-Ecurie Francorchamps Ferrari 412 P e Dino 206 S para uma campanha no Campeonato Belga de Montanha naquele ano, mas o GT40 seria a carro para a temporada internacional e substituir o Ferrari 365 P2, obsoleto devido a um novo limite de motor de três litros para os protótipos do Grupo 6 em 1968.

Os Ford GT 40 foram destinados principalmente para a Gulf Racing através da John Wyer Automotive Engineering o piloto belga Jean Blaton comprou o chassi P/1079 e pintado de amarelo, apareceria numa entrada de Ecurie Francorchamps e Claude Dubois.

O Ford Gt 40 P/1079 foi entregue em Ostende no dia 20 de abril e levado para Monza para os 1000 km do Campeonato Mundial de Carros Desportivos, cinco dias depois.

Com o #49 Blaton foi acompanhado por Willy Mairesse, que levou o Ford ao sexto lugar no grid.

Mairesse caiu para sétimo na primeira volta e logo foi para os boxes com o spoiler traseiro à deriva. Apesar de Blaton ter batido posteriormente com o GT40 nos momentos finais, distância suficiente foi percorrida para garantir uma classificação em sétimo lugar e segundo na classe Sport de cinco litros.

Quatro semanas depois, o P/1079 agora com o nº 22 apareceu no 1000km de SPA onde Mairesse, especialista no circuito, se classificou em terceiro.

A corrida começou com muita chuva e Mairesse teve uma má largada depois de cair para 14º na primeira volta, ele voltou aos seis primeiros quando entregou o carro a Blaton.

A recuperação de Mairesse não deu para nada quando Blaton, em Blanchimont na volta 45, num NSU abandonado, destruindo-o, e causou muitos danos a um lado do GT40. Blaton quebrou o braço e foi levado ao hospital.

Blaton não perdeu as importantes 24 Horas de Le Mans normalmente realizado em junho, mas que teve de ser adiado para o final de setembro, em virtude da agitação civil em toda a França. Nos treinos, Mairesse qualificou o Ford recém-reparado em décimo.

Na partida, na pressa de fugir, ele não conseguiu fechar a porta corretamente. No final da reta Mulsanne, a porta se abriu a 240 km/h. e o tentar fechá-la, Mairesse perdeu o controle. O nº 8 saiu da pista e caiu nas árvores.

Mairesse sofreu fraturas e ferimentos na cabeça que o deixaram em coma por duas semanas e encerraram sua carreira de piloto.

Em 1969, os restos danificados do P/1079 foram vendidos ao ex-engenheiro suíço da Scuderia Filipinetti, Franco Sbarro.

IMG_20231226_142823.jpg

IMG_20231226_142840.jpg

IMG_20231226_142846.jpg

IMG_20231226_142852.jpg

IMG_20231226_142905.jpg

IMG_20231226_142909.jpg

IMG_20231226_142929.jpg

Miniatura

Levanta a mala para ver o motor.

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Box

Série

Referencia nº8454 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 19:32
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 12 de Dezembro de 2023

Jaguar E  mais leve - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Jaguar E  mais leve - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1050ª – Jaguar Type E Spyder Hard Top Box     

Jaguar E Lightweight E-Type Competition Roadster 1963

Modelo real

A Jaguar construiu o Lightweight E-Type Competition Roadster numa pequena série de 18 exemplares, mas somente 12 carros foram construídos, os chamados “leves”, derivados do E-Type. Os Lightweight nasceram como conversíveis com capota rígida fixa e mantiveram a estrutura monocoque de aço do E-Type, coberta, porém por uma carroceria feita de painéis de alumínio rebitados e colados, com as cavas das rodas alargadas para acomodar pneus de corrida e com enchimento do tanque boné, bem visível, típico dos carros de corrida da época. O motor, 3,8 litros de 6 cilindros em linha, também foi alvo de modificações como adaptá-lo para uso em competição, elevando-o para mais de 300 cv de potência e em alguns exemplares foi instalado o sistema de injeção Lucas, em vez de carburadores. Para tornar o carro ainda mais leve, o motor foi equipado com um bloco de alumínio em vez de ferro fundido. O resultado foi uma redução global de mais de 220 kg em comparação com a versão de estrada. Os carros “leves” tornaram-se muito competitivos especialmente nas corridas de GT na Inglaterra nas mãos de pilotos particulares.

A primeira prova foi em 12.5.1962 em Silverstone International na prova de GT o Nº 39 #S850006 Graham Hill foi 3º e  a  primeira vitoria foi com Graham Hill em 30.3.1963 e no Lombank Trophy Snetterton Nº 52 #S850006

Já no seculo XXI, seis novos Jaguar E-Type leves, todos em alumínio, construídos à mão e vendidos pela Jaguar Heritage com o protótipo Car Zero a estrear-se no salão de carros clássicos de Pebble Beach, na Califórnia, em Agosto de 2014, mas não terá um dos seis números de chassis leves. No entanto, permanece idêntico, até o último detalhe, a aparência dos E-Types renascidos. Os clássicos renascidos serão montados na casa original do E-Type, a fábrica da Jaguar em Browns Lane, em Coventry.

Pouco depois, e actualmete, a Eagle precisa apenas de um E-Type original como ponto de partida, Incluindo o carro doador, são nada menos que 695 mil libras esterlinas, O pequeno fabricante apresentou a sua mais nova criação: o Spyder G processo de transformação do antigo Jaguar Série 1 E-Type envolve a remoção de todos os seus painéis do roadster, e aplica uma série de atualizações que são inspiradas no original Lightweight e projetado para tornar o E-Type um carro de estrada melhor e mais rápido O carro esportivo baseado no Jaguar E-Type afirma ser o resultado de incríveis 8.000 horas de trabalho e terá um preço de um milhão de dólares actualmente.

A colocação da capota obrigou a quatro sessões fotográficas

IMG_20231211_140737.jpg

IMG_20231211_140926.jpg

IMG_20231211_140939.jpg

IMG_20231212_190129.jpg

IMG_20231212_191704.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Box

Série

Referencia nº 8463 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 18:44
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 27 de Outubro de 2023

Ferrari P2 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Ferrari P2 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1007ª – Ferrari 330 P2 Box 

SEFAC Ferrari, Ferrari 330 P2. 1000 Km de Nurburgring John Surtees / Ludovico Scarfiotti.

Modelo real

A Ferrari construiu o 250 P em que o P é de protótipo, para competir na nova categoria de Protótipos do Campeonato Mundial de Carros Desportivos.

Nos 1000 km de Nurburgring no dia 19 de maio de 1963 na enorme pista Mairesse/Surtees obtiveram uma a vitória no 250 P e terminou oito minutos à frente do Pierre Noblet/Jean Guichet 250 GTO.

Nos 1000 Quilómetros de  Nürburgring realizados 23.5.1965 no assustador Nurburgring em 1963 com agora com o Ferrari 330 P2.

O vencedor foi o nº1de Surtees / Scarfiotti   Ferrari 330 P2 da equipa SEFAC-Ferrari  44  6:53:05.400 1003.640 kms  145.775  1º em P+3.0, seguido de Parkes / Guichet Ferrari 275 P2 SEFAC-Ferrari 44 6:53:50.200, 2º P+3.0 em que o 3º 20 Bonnier / Rindt Porsche 904/8 Porsche 44 7:00:59.600 1sº P2.0 e o 4tº o nº 31 Bandini / Vaccarella Ferrari Dino 166 P SEFAC-Ferrari 43 2nd P2.0

O Ferrari 330 P2 chassis 0828 da Ferrari P2 chega assim a Le Mans com duas vitórias, uma no Targa Florio e 1000 km de Nürburgring e um segundo lugar nos 1000 km de Monza no início da temporada. A Ferrari, a para tentar conter a ofensiva da Ford, o P2, trocou seu motor de 3,3 litros por um de 4 litros, mas ainda com árvores de cames duplas no cabeçote.

John Surtees, nascido em Surrey, correu de 1952 a 1972 com sucesso tanto em motocicletas quanto em carros de corrida. Até hoje ele é o único piloto a conquistar títulos mundiais em duas e quatro rodas. com seus sucessos com a Ferrari na Fórmula 1, no qual venceu o Campeonato Mundial de F1 de 1964, três vitórias no Isle of Man TT e sete títulos de Grande Prêmio de Motociclismo sobre duas rodas com a MV Agusta, Surtees também correu em Le Mans na década de 1960 e provou seu valor no mundo da resistência.

IMG_20231026_201551.jpg

IMG_20231026_201849.jpg

IMG_20231026_201911.jpg

IMG_20231026_201921.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Box

Série

Referencia nº 9449 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - Itália

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 18:23
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 22 de Junho de 2023

AC Cobra - Um olhar sobre as minhas miniaturas

AC Cobra - Um olhar sobre as minhas miniaturas

914ª – AC Cobra Box

AC Cobra Roadster CSX 2128 Alen Grant1963 

Modelo real

O AC Cobra foi equipado com dois espelhos retrovisores depois de retirado o para-brisas e lhe terem colocado um protetor contra respingos. um novo bocal de combustível, junto com uma barra de anti capotagem cromada e um único limpador de para-brisa. Os para-lamas não tinham aberturas e a parte superior da porta do motorista foi cortada para liberar o braço. Como a carroceria podia torcer o suficiente em curvas fechadas para destravar a tampa do porta-malas, o que poderia causar uma bandeira preta durante uma corrida, uma corda elástica presa a um par de soquetes abaixo da trava servia como segurança extra.

Inicialmente o carro era em preto com duas listras amarelas, o CSX2137 foi o primeiro Cobra de corrida equipado com um motor V8 289 como equipamento original, também foi o primeiro piloto com direção de pinhão e cremalheira. é claro, ambos provaram ser grandes vantagens, e vários pilotos que pilotavam carros com direção de minhoca e setor, incluindo Bob Johnson, venderam suas primeiras montagens e compraram um desses carros de melhor direção.

Para as 12 Horas de Sebring de 1963, sis cobras estavam inscritos a Shelby American dispunha de quatro Cobras bem preparados (Holman-Moody inscreveu um), completo com radiador e protetores de farol. CSX2128 foi alocado para Dan Gurney, Lew Spencer e Dave McDonald. Para facilitar a identificação do carro preto pela tripulação à noite, Peter Brock aplicou as listras, com uma lata de spray.

Em agosto de 1963, a Shelby American vendeu o carro para um de seus maiores revendedores, a Coventry Motors em Walnut Creek, Califórnia. O carro foi repintado em amarelo com listras diagonais pretas para um projeto de George Lucas, de 19 anos, que passou a produzir o filme. American Graffiti, entre outros. Como piloto da equipe, Coventry nomeou Allen Grant, de 23 anos, que ganhou o título de Novato do Ano da Costa Oeste da SCCA em 1962 em seu AC Ace-Bristol. Funcionário da Shelby American, Grant começou como soldador, trabalhou na equipe de box e acabou de ser encarregado de encomendar carros da A.C. Segundo ele, o apelido de Executor nos para-lamas traseiros significava que ele e o motorista estavam “em controle total."

Grant começou suas corridas no CSX2128 com duas vitórias rápidas, uma em um SCCA Regional em Santa Bárbara, a outra em um Divisional em Candlestick Park, onde rodou todos, exceto o segundo colocado. No Times Grand Prix em Riverside naquele outubro, ele terminou em segundo, e no Pacific Grand Prix em Laguna Seca ele venceu sua classe, embora tenha sido retardado por um rolamento de roda apertado. No dia seguinte, Grant foi convocado e, ironicamente, designado para o Forte vizinho. Isso não acabou com suas viagens Shelby American; eventualmente, ele serviu como piloto de equipe no Daytona Coupe.

Em março de 1964, o carro foi negociado de volta para a Shelby American e novamente se tornou um carro de equipe, desta vez em azul Princess, com rodas mais largas e pára-lamas traseiros maiores.

Em agosto daquele ano, a Shelby American vendeu o CSX2128 pela segunda vez, para o piloto Pete Harrison de Atlanta, Geórgia. Como de costume, Shelby cobrou da Ford a diferença entre o custo original do carro e seu preço final de venda. Harrison correu, agora marrom, em mais três eventos do USRRC naquele verão e outono - Mid-ohio, Road America e Bridgehampton - com resultados mistos, sendo seu melhor um terceiro na Classe GT em Road

IMG_20230622_180411.jpg

IMG_20230622_180514.jpg

IMG_20230622_180532.jpg

IMG_20230622_180714.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Box

Série

Referencia nº 8421 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália

Anos de fabrico  a

 

 

 

 

 


publicado por dinis às 18:40
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 25 de Maio de 2023

Ferrari 250 LM - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Ferrari 250 LM - Um olhar sobre as minhas miniaturas

887ª – Ferrari 250 LM Box

Ferrari 250 LM Ferrari 1965 (3.286 cc.) 6313 Pierre Dumay Gustave Gosselin

Modelo real

Nas 24 Horas de Le Mans de 1965ª realizar em 19 e 20 de junho de 1965. a Ferrari era a rainha, mas o desafio daFord aí estava, com os novos MkII de 7 litros para Ken Miles/Bruce McLaren e Phil Hill/Chris Amon, apoiados por cinco GT40s de 4,7 litros, e um quarteto de Cobra Daytona Coupes.

 Na Ferrari encontramos inscritos cinco 250 LM,  a saber:

North American Racing Team #21 Jochen Rindt /Master Gregory Ed Hugo 1º

Pierre Dumay #26 Pierre Dumay 7 Gustave Gosselin 2º

Scuderia Filipinetti #27 Dieter Spoerry 8 Armand Boller 6º

Écurie Francorchamps #25 Leon Dernier/Gerald Langlois van Ophem DNF (12ª hora)

Maranello Concessionárias #23 Mike Salmon/Lucien Bianchi DNF (8ª hora) acompanhados de mais dois Ferrari e as sete entradas privadas

No início os dois Ford MkII tomaram a dianteira, mas logo foram atingidos por problemas na caixa de velocidades e abandonaram enquanto três dos GT40 de 4,7 litros também desistiram e na terceira hora já temos os Ferrari nos cinco primeiros lugares. Durante a noite, no entanto, todos os três P2 também começaram a ter os problemas, inerrantes a uma corrida de resistência, 6313 correu perfeitamente e liderava nas primeiras horas da manhã de domingo. Quando um sol apareceu no horizonte, o Ferrari 250 LM amarelo continuou a fazer voltas em um ritmo consistente. perseguido pelo NART LM de Rindt/Gregory, e  do 275 GTB de Willy Mairesse e Jean Blaton da Ecurie Francorchamps .

No final da manhã, a vantagem do Ferrari amarelo  6313 era de meia volta sobre vermelho de Rindt e Gregory.

Eis que no Ferrari  LM amarelo o pneu traseiro direito do 6313 explodiu na reta Mulsanne, danificando gravemente a asa traseira e forçando o carro a ir ás boxes. Minutos foram perdidos antes de Dumay subir a bordo para completar uma volta lenta antes de parar novamente para entregar a Gosselin, continuado as várias paradas e reparos até que o LM amarelo fosse capaz de rodar com qualquer tipo de consistência, momento em que o carro Rindt/Gregory havia passado para uma liderança inatacável.

Poucas pessoas, no entanto, previram que seria um par de 250 LMs que estaria lutando na frente no domingo à tarde.

O 250 LM fez dupla em 1965, uma prova que Maranello não perdia desde 1959.

IMG_20230525_141948 (1).jpg

IMG_20230525_142014.jpg

IMG_20230525_142059 (1).jpg

IMG_20230525_142036 (1).jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de metal e borracha de acordo com as originais.

Fabricante Box

Série

Referencia nº 8436 preço 2150$00

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 18:58
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 22 de Maio de 2023

Ferrari 250 TDF - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Ferrari 250 TDF - Um olhar sobre as minhas miniaturas

884ª – Ferrari 250 TDF 59 Box

Ferrari 250 Tour De France

Modelo real

A carroceria projetada pela Pininfarina e construída pela  Carrozzeria Scaglietti. O motor é um V12 de três litros, ou seja, tem 250 cm³ por cilindro, daí seu nome, é capaz de produzir 240 a 260 cv. a primeiras séries fabricadas 14 unidades da série I, que é conhecida como “no-louvre” por não trazer entradas de ar na coluna traseira, e nove unidades da série II, conhecida como “14-louvre”. É só contar as fendas ao lado do vidro traseiro para entender o motivo.

Em 1958, a Ferrari havia essencialmente aperfeiçoado seu carro para a especificação de “1 louvre” , e o mesmo V12 do carro que venceu o Tour de France de 1957.

A novidade em 1958 era a carroceria com uma faixa cromada ao longo da parte inferior da porta, e todos os carros tinham faróis cobertos, mas os regulamentos de 1959 significam faróis abertos para os modelos restantes. Como muitos carros tinham altercações frontais, eles foram atualizados para o layout de farol aberto.

Todos os carros de 1 louvre usavam o motor Tipo 128D, com pequenas revisões no bloco, caixa da corrente de distribuição, bielas mais fortes e distribuidores duplos Marelli. Novos cabeçotes de cilindro tinham válvulas e passagens de admissão maiores. O resultado foi um motor que podia produzir de 235 a 260 cv, dependendo da afinação.

O Tour de France, a prova que lhe deu o nome, em 1959 contava com 106 inscritos, para uma prova a exigir uma preparação extensa, um grande nível de pilotagem, minando constantemente o potencial físico humano e muitas vezes a mecânica excessivamente elaborada

Na etapa Nice - Spa com 1.532 km o domínio foi da Ferrari com dez Ferrari, com Gendebien na pole, à frente do seu compatriota e rival Mairesse.

Spa-Francoprchamp, recebe o Tour de France pela primeira vez, e é percorrido em 22 voltas, ou seja, 130 km que serão fatais para Consten que queima duas válvulas à 6ª volta. No GT, as Ferrari dominam e no índice, Laureau domina sua categoria no DB.

No circuito de Rouen Les Essarts entre Arras, Calais, Boulogne e Dieppe, com 196 km no circuito normando. Isso permite que os dois líderes do GT (Gendebien e Laureau) consolidem sua liderança à frente de Guilhaudin -Rey, enquanto Hanrioud - Checchi mantém seu HBR como os bons samaritanos: Armagnac - Justamond. A luta continua acirrada e Gendebien volta a vencer ao estabelecer um novo recorde de volta.

Somente 29 viaturas que chegaram a Nice, ou seja, 13 GT e 16 Turismo.

Assim, Gendebien e Bianchi venceu a prova pela 3ª vez consecutiva apesar de adversários de altíssimo nível e ao volante de carros idênticos, como no ano passado, os Ferrari 250 GT dominam a classificação geral e em GT,

1.#163 Gendebien Olivier - Bianchi Lucien icon        Ferrari 250 GT LWB Interim Ecurie Francorchamps GT         

2.#159 Mairesse Willy - Berger Georges Ferrari 250 GT Ecurie Francorchamps GT                                                       

3.#161Schild Jean-Pierre - de Lageneste Roger Ferrari 250 GT GT      

IMG_20230522_190338.jpg

IMG_20230522_190630.jpg

IMG_20230522_190726.jpg

IMG_20230522_190833.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Box

Série

Referencia nº 6427 preço 2150$00

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália


publicado por dinis às 21:31
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 18 de Maio de 2023

AC Cobra - Um olhar sobre as minhas miniaturas

AC Cobra - Um olhar sobre as minhas miniaturas

881ª – AC Cobra Box

AC Shelby Cobra - Le Mans 1963

Modelo real

AC Shelby Competition Cobra 289 Le Mans 1963 Hardtop

Melhorias invisíveis, mas significativas, para o Cobra Mk II de 1963 incluíam direção de pinhão e cremalheira, que substituiu a caixa de direção do antigo Ace. O Mk II também tinha freios a disco maiores do que o Mk I e, mais notavelmente, rodas e pneus mais largos. O clássico motor Cobra era o então novo Ford '289', um V8 de 4,7 litros, para fornecer 300 cv e velocidade máxima de 155 mph.

Após a saída do primeiro AC Cobra com direcção de cremalheira Shelby leva três chassis CSX2127, 2128 e 2129 para a sua equipa para correr nos estados unidos nas provas dos estados Unidos em Road Racing Club nas cores preto e vermelho.

Uma deles foi pintado posteriormente em “Viking Blue” e estreados em  por Dan Gurney nº 15 e nº12  em   e reconhecíveis pelas bandas amarelas na frente.

A Ford estava determinada a vencer a Ferrari no Campeonato Mundial de Carros Desportivos quando apoiou a Shelby em 1963, para a construção de dois Cobras para a corrida de Le Mans daquele ano,

Dois outros cobras identificados como Racing CS2130 é designado como um “RHD Race Cobra” deixa a fabrica a 5 de Avril aparentemente sobre a responsabilidade de Alan Frazer Automobiles e vendida a Peter Jop para Sebring a segunda como AC Le Mans Car CS2131 com a pintura  “British Car CS2131 uma vez que a Shelby ignorava o prefixo inglês CS.

Dois AC Cobra foram inscritos e ambos os carros competiram com a impressionante e aerodinâmica capota rígida de liga de alumínio, em estilo semi-fastback. que melhorou sua aerodinâmica e, assim, aumentou a velocidade máxima no circuito de Le Mans, principalmente na reta Mulsanne. Também foram equipados com tanques de combustível superdimensionados de 30,8 galões, capot com a entrada de ar, aberturas de ventilação laterais e rodas Dunlop de liga leve.

Contudo o CS2130 designado como Le Mans Car, não vai a Le Mans e é substituído pelo CSX2142 reportado como “American Le Mans Car” com a carroçaria branca e as tradicionais duas listas azuis.

Quanto ao ao CS2131 de condução a direita e matrícula 39PH é o inscrito pela AC car e o Sunday Times tinha o nº3 inscrito por W. Hurdock- AC cars para Piter Bolton e Ninian Sanderson que no final se qualificaram em 7º da geral e foram os primeiros da classe 4001 a 5000.

O Nº 4 inscrito por E. Hugus para ele e Peter Jopp, foram desqualificados na 10ª hora por abastecimento antecipado.

Modificação na miniatura

Foram colocadas umas rodas mais reais

IMG_20230518_174656.jpg

IMG_20230518_174743.jpg

IMG_20230518_174816.jpg

IMG_20230518_174847.jpg

IMG_20230518_181139.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de metal e plástico de acordo com as originais.

Fabricante Box

Série

Referencia nº 8420  preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 19:12
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 3 de Maio de 2023

Shelby Cobra - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Shelby Cobra - Um olhar sobre as minhas miniaturas

868ª - AC Cobra route à raggi Box

No autódromo do Estoril por vezes encontrava um Cobra vermelho …

Modelo real

John Tojeiro nascido no Estoril, filho de pai português e mãe inglesa, foi para Inglaterra em 1924 após a morte do pai, onde produziu carros para a equipe Ecurie Ecosse, equipados motores fornecidos pela Jaguar, Buick, Bristol, Scirocco-Powell e Climax, entre muitos. O Ecurie Ecosse Tojeiro EE foi um dos primeiros carros desportivos de corrida a usar o motor central para melhorar o manuseio e a tração. Mas a sua maior produção foi um design que a AC Cars desenvolveu no AC Ace. capaz de alcançar uma velocidade de 160 km/h. Em 1957 o carro evoluiu e foi incorporado nele um motor Bristol de 2.0 litros que elevava sua velocidade máxima até os 190 km/h.

Carroll Shelby, o piloto texano com o apoio da Ford Motor Company, entrou em negociações com a AC para a montagem de um leve e potente motor "Ford V8" em um chassi do AC Ace.

Em janeiro de 1962, os mecânicos da AC Cars em Thames Ditton, Surrey, projetaram o protótipo "AC Ace 3.6" com número de chassi CSX2000 depois de fazerem as modificações necessárias para instalar o V8 de bloco pequeno do Ford Zephyr 6 em linha de 2.553 litros (156 cu in).. A única modificação na frente do primeiro Cobra em relação ao "AC Ace 2.6" foi a caixa de direção, que teve que ser movida para fora para liberar o motor V8 mais largo.

O carro foi fabricado pela AC, e essa combinação provocou o surgimento do AC Cobra, um dos carros desportivos mais rápidos, famosos e potentes jamais fabricados anteriormente.

Em 1962, a AC concentrou-se na produção do AC Cobra com cada carro fabricado à mão na fábrica de Thames em  Ditton.

Carroll Shelby, por sua vez, irá desenvolveu o AC Cobra, em Los Angeles, na Califórnia combinando os potentes motores da Ford  V8 americano com o leve chassis britânico.

Em 1964, o AC Cobra 427 atinge os 295 km/h por hora na autoestrada M1. colocando o seu nome no Guinness como o  carro de produção em série mais rápido do mundo, um título que ostentou durante vários anos,  Mas em 1965 Shelby ganha o Campeonato do Mundo de GT, mas a velocidade em autoestrada é limitada nos 120 km/h por hora.

Em 1967, é apresentado o AC Cobra 428 com um monstruoso motor de 7.0 litros. Até o final de sua produção em 1973, fabricaram 80 unidades do modelo, 29 Conversíveis e 51 Fastbacks.

O AC Shelby Cobra 427 chassi #CSX3178 foi propriedade de Carroll Shelby, na cor vermelho Rangoon Red, carroceria alargada ,rodas monoporca cinzas e o interior completo em couro preto.. O Cobra original já era um monstro com seu motor V8 260 de 4.26 litros, agora a versão equipada com o motor V8 FE 427 de 7.0 litros era simplesmente diabólica. A grande quantidade de potência desta mecânica Big Block da Ford foi necessário alargar consideravelmente os eixos do modelo, assim como a carroceria, próprios das versões S/C (siglas de Semi Competititon),.

IMG_20230503_140851.jpg

IMG_20230503_140857.jpg

IMG_20230503_140927.jpg

IMG_20230503_140947.jpg

IMG_20230503_140955.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Box

Série

Referencia nº 8410 preço 2150$00

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - Italia

Anos de fabrico  a

 

 

 

 

 


publicado por dinis às 23:24
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Abril de 2023

Um Ferrari de Rali - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Um Ferrari de Rali - Um olhar sobre as minhas miniaturas

861ª – Ferrari 275 GTB/4 Box

Rali de Monte Carlo 1966 Pianta / Lippi

Modelo real

o primeiro protótipo do Ferrari 275 GTB

o primeiro protótipo da Ferrari 275 GTB construído, usado pela fábrica como um carro de desenvolvimento participou no Rally de Monte-Carlo,

o primeiro e único protótipo do 275 GTB, foi construído em 1964 no chassi nº 06003, foi dotado de uma carroceria original de nariz curto e usado pela Ferrari para desenvolver os próximos carros de produção.

Depois de  muitas mudanças, tendo sido atualizado com a carroceria Scaglietti longnose . vendido em abril de 1965, voltou à fábrica em novembro daquele ano, onde foi decidido que o #06003 passaria por mais testes para obter informações sobre o então novo câmbio e suspensão traseira independente do modelo.

Cerca de 12.000 km de testes se seguiram, durante os quais o carro recebeu vários equipamentos para rali, incluindo os holofotes, cortina do radiador, limpador de pára-brisas, uma preparação para o Rally de Monte-Carlo de 1966, para Giorgio Pianta e o navegador Roberto Lippi

Ferrari 275 GTB/4 foi inscrito no Rali de Montecarlo de 1966, com o nº N 43, foi conduzido por Giorgio Pianta e navegado por Roberto Lippi mas não chegaram ao final.

O protótipo exclusivo da Ferrari ainda é hoje apresentado na sua especificação para o Rally de Monte-Carlo.

Modificação na miniatura

IMG_20230426_141727.jpg

IMG_20230426_141748.jpg

IMG_20230426_141853.jpg

IMG_20230426_141912.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Box

Série

Referencia nº 8429 preço 2150$00

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália

Anos de fabrico  a

 

 

 

 


publicado por dinis às 20:17
link do post | comentar | favorito (1)
Sábado, 25 de Março de 2023

Ferrari 275 GTB 4 descapotável - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Ferrari 275 GTB 4 descapotável - Um olhar sobre as minhas miniaturas

829ª – Ferrari 275 GTB 4 spyder Box

 Ferrari 275 GTS/4 1967 NART Spyder

Modelo real

O luxuoso cabriolet Ferrari 275 GTS e o Grande Turismo o 275 GTB/4, quando foram lançados, delimitavam os americanos que queriam um conversível com o melhor de ambos os carros. Chinetti queria um sucessor ao seu 250 California Spider e na apresentação do 275 GTB/4 Salão Automóvel de Paris, em Outubro de 1964, procurou convencer Enzo Ferrari a construir uma versão descapotável para ele, o NART Spyder'.

Inicialmente, a Chinetti encomendou 25 carros que foram executados pelo experiente artesão nas oficinas de Sergio Scaglietti. Embora o chassi do 275 dependesse do corpo para rigidez, nenhum reforço adicional foi introduzido ao NART Spyder.

o 10709 foi entregue à Luigi Chinetti Motors em Nova York e Eddie recebeu a entrega em Março de 1968 e seguiu para as corridas de resistência em Sebring pouco depois. Ele retornaria duas ou três vezes, sempre com Eddie Jr., que disse: “Devemos ter quebrado o recorde de velocidade terrestre entre Lexington e Sebring em mais de uma ocasião”.

Eddie Smith tinha apenas US$ 15 no bolso aos 18 anos, quando deixou o orfanato em que cresceu apos a mosrte dos seus pais,  num autocarro foi para Lexington, Carolina do Norte. Em 1937, conseguiu um emprego como lanterninha no cinema local, ganhando US$ 9 por semana , US$ 5 dos quais eram dedicados a hospedagem e alimentação. Quinze anos depois, ele fundou a National Wholesale, um serviço de pedidos pelo correio especializado em roupas femininas. os negócios prosperavam e Eddie começou a comprar Ferraris.

A primeira Ferrari de Eddie foi uma 250GT Spider de curta distância entre eixos, que ele seguiu com uma 275GTB.. Eddie recebeu o oitavo NART Spider em março de 1968 por um preço em que as memórias e os relatórios e  se acredita estar entre US$ 8.000 e US$ 14.500. manteve por vários anos, muitas vezes dirigindo até Sebring para a corrida de 12 horas com seu filho, Eddie Jr. ; você está arruinando minha média.”

IMG_20221109_130150.jpg

IMG_20221109_130202.jpg

IMG_20221109_130312.jpg

IMG_20221109_130647.jpg

Modificação na miniatura

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

As rodas são de plástico Whizzwheels.

Fabricante  Box

Série

Referencia nº 8419 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria onde sobressaem os longos canos de escape.

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - Itália

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 19:10
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Abril 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
13

20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ford GT 40 - Um olhar sob...

. Jaguar E  mais leve - Um ...

. Ferrari P2 - Um olhar sob...

. AC Cobra - Um olhar sobre...

. Ferrari 250 LM - Um olhar...

. Ferrari 250 TDF - Um olha...

. AC Cobra - Um olhar sobre...

. Shelby Cobra - Um olhar s...

. Um Ferrari de Rali - Um o...

. Ferrari 275 GTB 4 descapo...

. AC Cobra - Um olhar sobre...

.arquivos

. Abril 2024

. Março 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs
RSS
Em destaque no SAPO Blogs
pub