Sábado, 14 de Maio de 2022

Nash Healey Le Mans 1950 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Nash Healey Le Mans 1950 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

569ª – Nash Healey Le Mans 1950 Modelos 3J

Healey Silverstone X5 Le Mans 1950 Tony Rolt (GB)/Duncan Hamilton (GB) 4º

A outra prenda de Natal 1982

Modelo real

Em 1945, Donald Healey fundou a Healey Motor Co. Ltd em Warwick, Inglaterra, mas, aquele encontro durante a viagem a bordo do transatlântico Queen Elizabeth, entre Donald Healey e George Mason, da Nash Kelvinator Corporation, EUA, levou a construção do Nash Healey, um carro desportivo com o emblema Nash.

Pai e filho decidiram dirigir o Healey Silverstone equipado com um Nash Dual Jetfire modificado, em linha, motor de seis cilindros, na corrida de estrada Mille Miglia de 195 uma corrida de estrada, de Brescia a Roma e de volta a Brescia, numa distância de cerca de 1050 milhas, usando vias públicas. O Healey terminou em 177º lugar num total de 375 titulares e 213 finalistas e alcançaram um honroso nono lugar na classe.

O X4 não era tão rápido e a pouco mais de dois meses, era a corrida de 24 horas de Le Mans. A equipe de desenvolvimento, de Roger Menadue, começou a trabalhar no carro com urgência. O motor foi equipado com uma árvore de cames de alta elevação e novos anéis de pistão, o último reduziu o impacto e, como consequência, ajudou a diminuir a temperatura do óleo, o que havia sido um problema na Mille Miglia. A potência foi aumentada para 126 cv a 4600 rpm.

Naquele ano, o AOC (Automobile Club de l'Ouest), os organizadores da corrida, decidiram que as asas de bicicleta não eram mais aceitáveis, e como solução, uma carroceria totalmente envolvente, abrangendo os faróis, foi criada por Bill Buckingham. Este carro recebeu a designação X5. Com essas melhorias aerodinâmicas e de motor, o carro agora era capaz de alcançar e manter 124 mph.

Na estreia da Donald Healey Motores em Le Mans, Duncan Hamilton e Tony Rolt foram os pilotos do número 14. Durante a corrida, com Duncan Hamilton ao volante e o Nash Healey a diminuir de velocidade foi abalroado por um Delage com falha nos travões.

No boxe verificou-se que a transmissão o sistema de escape estavam danificados. Roger Menadue demorou cerca de vinte minutos para fazê-lo com a ajuda de uns fios arrancados de um telefone e os pilotos com ordem de reduzir o andamento para acabar a prova e evitar qualquer dano irreparável. Hamilton e Rolt percorreram um total de 2.103,262 milhas a uma velocidade média de 87,635 mph. Isso os colocou em quarto no final da corrida, atrás do primeiro e segundo colocados Talbot-Lagos e do Cadillac Allard de Sydney Allard e Tom Cole.

Apenas 105 foram produzidos entre 1949 e 1951, pois Healey precisava produzir 100 de seus carros de corrida habilmente disfarçados como versões de rua para atender aos requisitos de homologação.

a Warren Kennedy em Milton Keynes,  concluiu a restauração do Nash Healey X5 em junho de 2020.

Modificação na miniatura

Como Kit foram desbastado o material sobrante e tapados os buracos existentes.

Pintado e depois colocadas as decalcomanias segundo o esquema da Modelos 3J em que lhe faltava o nº da traseira tal como o da Provence Moulage. Mas como a única foto que tinha era do Livro das 24 Horas de Le Mans assim ficou e continuará.

Nota os livros vieram de França que a minha colega D. Elena me fez o favor de trazer.

IMG_20220514_182847.jpg

IMG_20220514_184332.jpg

IMG_20220514_184347.jpg

IMG_20220514_184407.jpg

Miniatura

Interior detalhado

As rodas são de resina de acordo com as originais.

Fabricante Modelos 3J

Série Normal

Referencia nº15 preço 150$00

Material – resina e metal

Material da placa de base – plástico

Apresentado em caixa de cartão.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 19:51
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 28 de Abril de 2022

Austin Healey LM 1953 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Austin Healey LM 1953 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

553ª – Austin Healey LM 1953 Modelos 3J

O Healey da Donald Healey Motor Co, o protótipo do Austin Healey 100/4, carro número 33 conduzido pela equipe de Marcel Becquart e Gordon Wilkins 14º lugar geral nas 24 horas de Le Mans em 1953.

 Modelo real

O mistério do NOJ 393

Em Earl's Court no outono de 1952, um aperto de mão entre Donald Healey, da Donald Healey Motor Corporation e, por outro lado, Leonard Lord, o todo-poderoso chefe de Austin e assim nascia o Austin Healey 100.

Donald Healey construiu alguna veículos de competição de pré-produção e foi para Le Mans, por estrada.

A 12 de junho de 1953, o NOJ 391 (número 33) e NOJ 392 (número 34) passaram nas verificações regulatórias enquanto NOJ 393, permaneceu no castelo que Healey havia alugado como residência durante as corridas.

A equipa vai passar a noite nas esplanadas de Le Mans e os carros vão para exibição, mas no caminho de regresso ao castelo, o NOJ 391 é vítima de um acidente.

De imediato, o NOJ 393 graças a uma noite de trabalho, toma discretamente a aparência de NOJ 391... É pela barba de todos, correu pelas mãos do francês Marcel Becquart e do inglês Gordon Wilkins e termina a corrida em 3º em sua classe e 14º geral. (NOJ 392 terminou em 2º na classe e 12º na geral).

O NOJ 393 volta dois anos depois mas ás 18h28, vai para  as boxes, Mike Hawthorn em Jaguar abriu caminho para Austin Healey, que se desviou para a esquerda para evitá-lo.

Modificação na miniatura

Como kit e depois de retiradas as interpretações foi montado e pintado e decorado, segundo as instruções da época.

IMG_20220428_173425.jpg

IMG_20220428_174015.jpg

IMG_20220428_174041.jpg

IMG_20220428_184025.jpg

Miniatura

Interior detalhado

As rodas são de resina de acordo com as originais.

Fabricante Modelos 3J

Série Normal

Referencia nº 14 preço 300$00

Material – zamac

Apresentado em caixa de cartão.

País - Portugal

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 22:30
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 28 de Março de 2022

Jaguar XK 120 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Jaguar XK 120 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

522ª – Jaguar XK 120 Le Mans 1950 Modelos 3J

Jaguar XK 120 de L. Johnson/Bert abandonou

O Jaguar de L. Johnson/Bert Hadley é um dos três XK 120 que a fábrica da marca preparou e atribuiu de forma selectiva a equipas particulares que participaram na edição de 1950 das 24 Horas de Le Mans.

Modelo real

Em 1950, numa cautelosa tentativa experimental, três KK 120, são inscritos para as 24 horas de Le Mans, as equipas eram constituidoras por Leslie Johnson/Bert Hadley (Nº17), N Haines/P. Clark (nº16) e P. Whitehead/ J. Marschal (nº 15). Os carros eram puramente de série e não sofreram qualquer alteração em relação as especificações de origem. Apenas utilizaram o equipamento opcional de velocidade, e que fazia parte do catálogo de fábrica. Para brisas, tampão rápido de gasolina e correias de segurança no capot.

Durante a corrida o comportamento dos XK 120 surpreendeu tudo e tosos: para além dos três carros se manterem entre os dez ou 15 primeiros, Johnson conquistara e defendia o quarto lugar em cada hora de corrida em relação ao líder, que era o francês ROsier em Talbot.A manter-se este ritmo, Rosier seria ultrapassado e Johnson obteria o 1º lugar, caso o francês não aumentasse a sua velocidade média. Na realidade parecia que Rosier não podia aumentar o ritmo da sua corrida, pois o seu Talbot já não estava a render totalmente. As esperanças nas boxes da Jaguar aumentaram grandemente quando se verificou que Johnson continuava paulatinamente a encurtar o seu atraso: o segundo lugar estava já á vista e o primeiro não podia estar muito longe. Mas as esperanças foram fugazes, com 21 horas de corrida o Xk 120 de Johnson parava perto das boxes com a embraiagem estoirada. Os outros dois jaguares classificaram-se em 12º e 15 lugares na geral com Clark/Haines e Whitehead /Marschall , respetivamente, e em 5º e 8 , na classe.

IMG_20220328_215742.jpg

IMG_20220328_220231.jpg

IMG_20220328_142642.jpg

IMG_20220328_142739.jpg

IMG_20220328_142830.jpg

Miniatura

Interior detalhado

As rodas têm pneus de borracha

As rodas são de plástico Ribeirinho.

Fabricante Modelos 3J

Série Export

Referencia nº 12

Material – resina com elementos em metal

Apresentado em caixa de cartão.

País - Portugal

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 22:22
link do post | comentar | favorito
Sábado, 12 de Março de 2022

Cooper Racing Car  - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Cooper Racing Car  - Um olhar sobre as minhas miniaturas

506ª – Cooper Racomg Car Dinky Toys

Um Cooper das corridas de infância.

 Modelo real

A Cooper Car Company foi fundada em Dezembro de 1947 por Charles Cooper e seu filho John Cooper quecom Eric Brandon, começaram a contruir carros de corrida na pequena garagem de Charles em Surbiton, Surrey, Inglaterra, em 1946.

Em 1958, Rob Walker comprou um Cooper T43 para Stirling Moss vencer o GP da Argentina. Era a primeira vitória de um carro de motor traseiro na F1, um carro do ano anterior prestes a ser substituído na equipe Cooper pelo novo T45.

Maurice Trintignant venceu o GP de Mônaco, com o novo Cooper T45 o primeiro sucesso de classificação do Campeonato Mundial e desmistificar a vitória do Cooper com motor traseiro alcançada por Stirling Moss na Argentina teria sido uma vitória pontual,

Em 1959, a Cooper agora com o T51, ainda mais baixo aproveitando o novo motor Climax. E Jack Brabham venceu o seu primeiro campeonato. O motor traseiro mostrou a sua validade e fez com que se tornasse uma tendência na F1

O designer-chefe de Cooper, Owen 'The Beard' Maddock, fez um trabalho maravilhoso. John Cooper contribuíu tecnicamente, mas o mais importante sabia quais botões apertar com seu pai cada vez mais conservador, Charles. Enquanto o velho contribuía com imensa experiência, perspicácia e astúcia, pensava “Por que mudar se estamos vencendo?”, cego ou desdenhoso não se apercebeu do desafio emergente de novos rivais sofisticados como Lotus e Lola.

Nos anos 1950 e 1960, eles alcançaram os níveis mais altos do automobilismo como seu monoposto com motor traseiro, competiram na Fórmula 1 e nas 500 Milhas de Indianápolis, e o seu Mini Cooper dominou as corridas de velocidade e rali ao mesmo tempo que fazia as delícias dos inúmeros pilotos privados aos simplesmente amadores.

IMG_20220312_150604.jpg

IMG_20220312_150624.jpg

IMG_20220312_150706.jpg

IMG_20220312_150902.jpg

Miniatura

Levanta o capô para ver o motor.

O interior é uma peça única com o piloto

Sem suspensão.

As rodas têm pneus de borracha

Fabricante  Dinky Toys

Série

Referencia nº 240

Material – zamac

Material da placa de base – zamac

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão.

País – England

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 18:43
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 7 de Março de 2022

Fiat 500C Topolino 1949 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Fiat 500C Topolino 1949 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

501ª – Fiat 500C 1949/1955 Brumm

Uma nova carroçaria para o Fiat 500

 Modelo real

O Fiat 500C Topolino tem uma carroçaria reestilizada e o mesmo motor que o Modelo B,

No Salão Automóvel de Genebra a Fiat apresentou em 1949, a terceira série do 500 ‘Topolino’, o 500 C,  agora com uma carroceria totalmente moderna, com faróis integrados nos guarda-lamas dianteiros, grade horizontal, roda sobressalente e pneu reposicionados em um recesso especial na traseira e um porta-malas acessível a partir do banco do motorista. Incorporou até um aquecedor, algo que, observa ironicamente o catálogo da Coleção Quattroruote, “desperta a inveja de quem tem um 500 A ou B”. o 500 C continuava com a mesma engenharia simples, mas indestrutível, que sempre teve, incluindo o pequeno motor OHV de quatro cilindros.

Foi oferecido com a carroçaria de 2 portas, berlina e descapotável de 2 portas, carrinha de 3 portas e carrinha de 2 portas com a produção até 1955, aquando do aparecimento do Fiat 600.

IMG_20220307_165946.jpg

IMG_20220307_165951.jpg

IMG_20220307_170035.jpg

IMG_20220307_170253.jpg

Miniatura

Os bancos são rebatíveis.

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Brumm

Série Revival

Referencia nº R 12

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização.

País – Itália

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 18:53
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 4 de Fevereiro de 2022

Cunningham - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Cunningham - Um olhar sobre as minhas miniaturas

473º - Cunningham C-5R LM 1953 Modelos 3J

Rapidamente veio a minha memória o velho Dinky Toys com aquelas lindas rodas azuis.

Modelo real

Cunningham - C5-R N 2 3rd 24h Le Mans 1953 P.Walters - J.Fitch

Exemplar único de Briggs S. Cunningham no seu Museu

Na juventude o seu tio tinha um Dodge com motor Hispano-Suiza e com ele fez varias viagens, até que a imaginação e a criatividade levou Briggs Cunningham a criar em 1939 o Bu-Merc, como o nome indica a junção de Buick e Mercedes-Benz para o qual utilizou um chassis de um Buick Century do mesmo ano com o motor original de oito cilindros em-linha de 5,2 litros que preparou e reposicionou para melhorar a aerodinâmica e o centro de gravidade, porque a parte mecânica era robusta e potente. A carroceria é de um Mercedes-Benz SSK acidentado. O carro obteve bons resultados nas mãos de Cunningham e de Miles Collier até o fim dos anos 1940.

Briggs entusiasmou-se com as 24 Horas de Le Mans, uma grande corrida de muito prestígio e o maior e mais reconhecido desafio automobilístico que um piloto poderia enfrentar numa prova de resistência e velocidade.

Depois de varias participações, a equipe de Briggs S. Cunningham era a favorita para a prova de Le Mans em 1953 e o novo C-5R esteve presente com os antigos C-4RK e o C-4R.

Phil Walters e Briggs Cunningham usando estatísticas de LeMans da última década chegando ao pormenor de calcular o aumento de velocidade que seria necessário para a vencer, construiu o seu carro mais potente até então, com enormes travões a tambor Alfin de 17 polegadas, os maiores já instalados em um carro de corrida.

Um eixo dianteiro sólido foi escolhido depois de os Kurtis em Indianápolis demonstraram a sua eficácia e economizou 30 libras em relação aos componentes anteriores.

O Cunningham C-5R 1953 foi equipado com um motor Hemi  de oito cilindros da Chrysler de 331,1 polegadas cúbicas com carburadores Zenith downdraft desenvolvendo 310 cavalos de potência a 5200 rpm.

A forma do C-5R valeu-lhe o apelido de 'O Tubarão Sorridente', e registrou o quilômetro mais rápido em Le Mans em 1953 com 154,81 mph. Pilotado por John Fitch e Phil Walters, o carro obteve uma média de 104,14 durante 24 horas, quase 8 mph mais rápido do que a média de vitórias do 300 SL em 1952. Mas o Jaguar foi quase 9 mph mais rápido que o vencedor de 1952 e estava equipado com os novos tavões a disco da Dunlop terminou em 1º, 2º e 4º. O Cunningham C-5R, ficou em 3º, a apenas quarenta e duas milhas atrás do segundo colocado.

Os outros dois, o C-4R terminou em sétimo e o C-4RK em décimo. O C-5R terminou em terceiro,

John Fitch ainda o pilotou nas 12 horas de Reims, onde sobreviveu a um grande acidente. O bólide voltou aos EUA, onde Phil Walters o dirigiu mais duas prova até ir para o Museu Cunningham e toda a coleção ser adquirida por Miles Collier em 1986.

IMG_20220122_190458.jpg

IMG_20220122_190600.jpg

IMG_20220122_190650.jpg

IMG_20220122_190721.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas têm pneus de borracha

As rodas são de resina de acordo com as originais.

Fabricante Modelos 3J

Série

Referencia nº 9

Material – bloco de resina

Apresentado em caixa de cartão.

País – Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 20:50
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 31 de Janeiro de 2022

Maserati A6 GCS, afinal os dois tinha melão - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Maserati A6 GCS, afinal os dois tinham melão - Um olhar sobre as minhas miniaturas

469ª – Maserati A6 GCS Modelos 3J

Como os preços dos Modelos 3J iriam aumentar a partir de 1 de Maio de 1980, segundo o Jornal Motor, de 23 de Abril, deliciei-me com as novidades da 3J.

Na divida, comprei outro e não lhe toquei, como se pode ainda hoje comprovar. Ou melhor admirei-o certamente durante várias vezes bem como os meus amigos To Zé, António Varejão, Fortunato e Machado e Zé “pastilhas” entre outros.

Afinal ambos os Maserati tinham melão.

Para a exposição de Fotografias e miniaturas do Circuito de Vila Real não apareceram novas fotos para desvendar o mistério.

Somente mais tarde é que pude confirmar a existência de Melão nos dois Maserati de Vila Real.

Maserati A6 GCS Bialbero de Manuel Nogueira Pinto

O pai de José Nogueira Pinto correu em Osca 1500 e o seu filho “Mané” no Maserati A6GCS uma vez que para a primeira senhora a correr em Vila Real, Maria Teresa de Filippis já o tinha comprado.

IMG_20220131_195422.jpg

IMG_20220131_195509.jpg

IMG_20220131_193751.jpg

IMG_20220131_193902.jpg

IMG_20220131_193939.jpg

IMG_20220131_193958.jpg

Modelo real

Miniatura

A miniatura como foi vendida em Kit

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são em resina de acordo com as originais.

Fabricante Modelos 3J

Série

Referencia nº 9

Material – Resina

Fabricado em resina num bloco único.

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 21:30
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 28 de Janeiro de 2022

Ferrari 250 P 1963 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Ferrari 250 P 1963 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

466ª – Ferrari 250 P 1963 Modelos 3J

Em 1963, Lorenzo Bandini e Ludovico Scarfiotti a única equipe 100% italiana a vencer as 24 Horas de Le Mans ao volante de uma Ferrari.

O 250P foi fabricado em 1963, o desenvolvimento começou na segunda metade do ano 62, e produzido no total 4 (Chassis nº, 0810, 0812, 0814, 0816), venceu as 12 horas de Sebring, Le Mans 24 horas (0814), tornou-se Campeão dos Construtores de 1963.

Ferrari 250P #21 Vencedor Le Mans 1963-Scarfiotti/Bandini

Ferrari 250P Le Mans 1963 #23 Surtees/Mairesse

 Modelo real

Aparecido em 1953, o Ferrari 250P veio confirmar-se como um carro ganhador dentro da linha das grandes tradições da fabrica de Maranelo..

Era então a época aurea do cavalinho rompante (inclusive) que ganhavam consecutivamente o Campeonato Mundial de Marcas. E as tradicionas 24 horas de Le Mans.

O domínio da Ferrari era total

O 250 P era equipado com um motor V12 de 3 litros e a sua estreia efectuou-se em sebring, em março de 1963 e com pleno êxito.

Em Le Mans foram inscritos três 250P para Scarfiotti/Bandini nº21, Parkes/Magliori n22 e Surtes/Mairesse. O domínio foi total, Scarfiotti obtém o primeiro lugar Parkes e Maglioli o terceiro e um GTO classifica-se em2º ganhando a classe de Gt. Nos lugares seguintes classificam-se mais dois carros e a Ferrari conquista os cinco primeiros lugares na geral.

IMG_20220128_185441.jpg

IMG_20220128_191126.jpg

IMG_20220128_191227.jpg

IMG_20220128_191238.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de resina de acordo com as originais.

Modelos 3J

Série

Referencia nº

Material – resina

Apresentado em caixa de cartão.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 

 

 

 


publicado por dinis às 19:34
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 18 de Janeiro de 2022

Maserati A6 GCS - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Maserati A6 GCS - Um olhar sobre as minhas miniaturas

456ª – Maserati A6 GCS Modelos 3J

A primeira corrida que vi tinha cinco Maserati e entre eles dois A6 GCS, sabia que eram vermelhos, mas como eram só conhecia uma foto do da Maria Teresa e tinha melão, o dilema agora era: com “melão” sem “melão”.

Como o de Le Mans tinha melão para esta miniatura, retirei-o, tal como o modelo das Mille Miglia de 1954 e pilotado por L. Musso/Zecco e ainda está assim hoje.

Modelo real

O modelo da Maria Teresa de Filippis a primeira senhora a correr em Vila Real em 1958 sabia que tinha melão baseado numa foto da revista Mundo Motorizado.

O Maserati A6 GCS Bialbero de Manuel Nogueira Pinto que utilizou na prova e na qual o seu Pai José Nogueira Pinto, utilizou o Osca 1500, eu não tinha uma única foto.

O Maserati A6GCS equipe de fábrica da Maserati durante a temporada de 1954, nas mãos do famoso piloto da Maserati e da Ferrari, Luigi Musso. O carro viu vários pódios e primeiros lugares na classe com a Maserati, inclusive na Targa Florio, Imola, e mais notavelmente alcançando o 3º lugar geral na Mille Miglia de 1954. Após a temporada de 1954, o chassi no. O 2078 foi vendido para Ricardo Grandio, um piloto argentino, que o utilizou das temporadas de 1955 e 1956, terminando em 3º na geral nos 1000 km de Buenos Aires. Depois de passar por uma série de proprietários sul-americanos, o Maserati voltou á Europa no início dos anos 1980, onde o industrial italiano o levou novamente às Mille Miglia de 1987 a 1992, e mais uma vez em 1995.

IMG_20220118_193039.jpg

IMG_20220118_193055.jpg

IMG_20220118_193217.jpg

IMG_20220118_193552.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são em resina de acordo com as originais.

Fabricante Modelos 3J

Série

Referencia nº 9

Material – Resina

Fabricado em resina num bloco único.

Apresentado em caixa de cartão.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 20:03
link do post | comentar | favorito (1)
Domingo, 16 de Janeiro de 2022

Triumph TR2 Le Mans - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Triumph TR2 Le Mans - Um olhar sobre as minhas miniaturas

454ª – Triumph TR2 Le Mans Modelos 3J

À chegada a Le Mans!!!

Modelo real

O que se aprendia com a folha de instruções dos Modelos 3J

“ O aparecimento e criação do Triumph TR2 deveu-se principalmente a Sir John Black, director então da Standard- Triumph, o qual sempre desejaria construir um carro que fosse simultaneamente de Turismo e de competição. O novo modelo destinava-se também a coupar o vasio existente no mercado entre o MG TD e o Jaguar XK120. Concebido como um carro de sport, e utilizando o chassis do antigo Flying Nine/Tem de 1936, devidamente actualizado, e as suspensões do Mayflower, o protótipo do novo modelo é apresentado no Motor Show de 1952 com um motor do Vanguard mais trabalhado. É quase imediatamente seguir á exposição que Ken Richardson surge ligado ao projecto do TR2 a convite de Ted Grisham e Sir John Black. A sua participação foi considerada fundamental para o aperfeiçoamento do modelo. 

Um novo chassis é desenhado e construído, as suspensões e o motor são melhoradas, a carroceria ligeiramente alterada. O novo carro ultrapassa agora as 100 milhas por hora e o motor debitava 90hp.

Em 1953 é feita uma tentativa para bater o record de 120 milhas/hora estabelecido pouco antes na autoestrada Ostend-Bruxelas por Sheila Van Damm num Sumbeam, Alpine. Conduzindo um TR2 com uma carroceria normal,mas ligeiramente mais aerodinâmica, Ken Richardson bate o record no mesmo local e passa-o para 124, 095 milhas por hora.

Para as 24 Horas de Le Mans de 1955 a fábrica preparou cuidadosamente a sua participação, três equipas de fábrica são inscritas e aparecem em La Sarte com a intenção de tentar classificar os três carros no final e se possível, obter uma vitória na classe.  

IMG_20220116_181422.jpg

IMG_20220116_181457.jpg

IMG_20220116_181543.jpg

IMG_20220116_181657.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas têm pneus de borracha

As rodas são de resina de acordo com as originais.

Fabricante Modelos 3J

Série

Referencia nº 7

Material – resina

Apresentado em caixa de cartão.

País - Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 18:58
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9


26
27
28

29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Nash Healey Le Mans 1950 ...

. Austin Healey LM 1953 - U...

. Jaguar XK 120 - Um olhar ...

. Cooper Racing Car  - Um o...

. Fiat 500C Topolino 1949 -...

. Cunningham - Um olhar sob...

. Maserati A6 GCS, afinal o...

. Ferrari 250 P 1963 - Um o...

. Maserati A6 GCS - Um olha...

. Triumph TR2 Le Mans - Um ...

. Aston Martin DB3S - Um ol...

. Vanwall F1 Grande Prémio ...

. MG 182 EX - Um olhar sobr...

. Connaught Type A 1953 - U...

. Jaguar C - Um olhar sobre...

. Mercedes Benz 220 - Um ol...

. Lotus 11 em Vila Real  - ...

. Citroen 2 CV - Um olhar s...

. Citroen DS 21- Um olhar s...

. Jeep Willys CJ5 - Um olha...

. Marcos 1800 - Um olhar so...

. Austin London Taxi - Um o...

. Lotus Elan  - Um olhar so...

. Mini Marcos GT 850 - Um o...

. Mercedes Benz W 196 Strea...

. Volkswagen 1952 Ribeirinh...

. Opel Rekord - Um olhar so...

. Ferrari Testa Rossa - Um ...

. Mercedes Benz Formula 1 -...

. Mercedes Auto Union com r...

. Porsche 550 Spyder - Um o...

. Unimog, o "burro do mato ...

. Ferrari 550 Squalo em Kit...

. Alfa Romeo Giulia SS - Um...

. Jaguar E V 12  - Um olhar...

. Jaguar 3.4 - Um olhar sob...

. Hillman Minx Sallon de qu...

. MG A coupé - Um olhar sob...

. Jaguar D, um carro de bri...

. MG 1100 - Um olhar sobre ...

. Lotus Elan - Um Olhar Sob...

. Heinkel Buble Car - Um ol...

. Cooper Norton - Um olhar ...

. AEC Route Master 64 seate...

. Volkswagen Karmann Ghia 1...

. Volvo PV 544 - Um olhar s...

. Simca Aronde salon - Um o...

. M G A Sports, o meu prime...

.arquivos

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs
RSS
Em destaque no SAPO Blogs
pub