Sexta-feira, 15 de Novembro de 2013

S. Martinho “Clássico” nas Barraquinhas Jalotas parte 5

S. Martinho “Clássico” nas Barraquinhas Jalotas 

 

Na antiga rua, outrora poeirenta, desciam os mineiros depois de um turno de trabalho, já lhe faltavam os carris que atravessavam o caminho e ligavam a serração, da qual já nem restos existem, à carpintaria. Carris esses, por onde as vagonetas eram puxadas por mulas e mais modernamente por máquinas eléctricas que transportavam a madeira de pinho para escorar as galerias, até ao poço de Santa Barbara. A madeira de pinho usada pra escorar as galerias , torna-se quase eterna para estes lugares, como todos sabem e principalmente os lisboetas em que parte da sua cidade se encontra edificada.

Uma rua nova, símbolo do progresso, perto do local onde existiu um grande buraco, que de um dia para o outro se abriu motivado pelo aluimento de terras, formou um poço sem fundo, que por lá existiu durante muitos anos e que segundo se dizia, terminava ao lado da primeira mina.

   

Do lado esquerdo, encontrei o saudoso Bairro da Companhia, já com poucas casas em madeira da época.


Um pouco mais abaixo, e junto da primeira entrada para as habitações, um velho caminho como o de outrora, que circundava a velha Garagem, onde por vezes era guardado o sumptuoso Rolls Royce dos “patrões”, onde mais a trás se encontrava o um velho compressor e umas instalações eléctricas, que segundo o meu Pai, ainda poderiam ser usadas em caso de necessidade. Tudo isto desapareceu, também o velho tanque de refrigeração, já fora de uso, e que constituíam os restos da primeira fase do início da mina. Mas, do outro lado, como a querer manter a força da natureza, ainda por lá se encontram os velhos castanheiros, agora acompanhados de alguns pinheiros.

No cruzamento, o velho campo de futebol, ainda utilizado, o largo e arredores serviam para as brincadeiras da pequenada, principalmente nos dias de festa.

Era o local de encontro e de passagem entre as duas aldeias. Junto, um conjunto de edifícios disposto em U, era onde se encontrava o refeitório destinado aos trabalhadores da empresa.

 

O refeitório era periodicamente transformado em sala de cinema, quando a furgoneta do cinema ambulante visitava o aldeamento. Um projector rústico, montado na hora, um lençol esticado na parede a fazer de tela e um filme desactualizado, longos momentos de espera e no meio de uma grande algazarra, iam gritando “começa, está na hora" até que chegava o silêncio total com o início das primeiras imagens. Era a alegria de todos, naquela noite.

Por altura do natal também se fazia ali a distribuição das prendas no Natal e por vezes incluía um filme para a pequenada.

Aquele conjunto de imóveis, era onde se localizava a oficina eléctrica, reparava principalmente os motores utilizados para retirar a água da mina, estes armazéns continuam na mesma, embora adaptados à nova realidade.

 

Mais à frente, na curva, estava a cantina, com todo o tipo de produtos disponíveis, desde a roupa para a mina, a produtos de primeira necessidade, vendidos a crédito a todos os trabalhadores, também desapareceu, bem como todo o complexo mineiro foi destruído e vendido, como dizia um antigo trabalhador:

“Venderam e levaram tudo e na casa do compressor até uma discoteca já lá funcionou”.

Mensalmente, junto da porta e na rampa, também se via uma longa fila de mineiros, a antever o dia de pagamentos.

Efectivamente, já não há nem restos da lavandaria. O segundo elevador já desapareceu bem como muitas das oficinas de apoio ao bem equipado complexo industrial, alguns edifícios ainda resistem como que a querer desafiar os homens e a oferecer uma segunda vida .

Restam no centro, agora Bairro do Branquinho, as casas onde funcionavam os escritórios, com destaque para o laboratório, onde fui muitas vezes buscar uns vasinhos pequenos e umas tigelas, muito uteis nas nossas brincadeiras

 

O edifício enfermaria onde se encontrava permanentemente o médico e o enfermeiro, em baixo, o bairro operário dos mineiros “Sainça” por lá ainda se encontram, mas sem o bulício e a alegria de outrora, com as mulheres a chamar pelos filhos, ou a limpar ou lavar a roupa no seu tanque comunitário.

O parque infantil era a delícia da pequenada e os baloiços, escorrera e cavalinhos, feitos nas oficinas locais eram a nossa alegria.

Também já la vão as típicas vedações de madeira e por vezes com arbustos.

As Minas de Jales, foi um complexo industrial com mais de um milhar de postos de trabalho, com sede em Lisboa e S. João da Madeira onde era feita a selecção dos componentes. Estava dotada permanentemente de um médico, uma enfermaria com um enfermeiro e de um Posto da PSP.

Na estrada nacional circulava diariamente um autocarro público que efectuava diariamente uma carreira entre Vila Pouca e o Pópulo. Existia ainda ao serviço dos trabalhadores das minas, havia também um autocarro particular que os transportava para as suas aldeias de origem, todos os dias, excepto ao Domingo, dia de descanso.   

A “aldeia do mineiro” como era também conhecida foi nos seus tempos áureos uma aldeia próspera e muito conhecida, contribuindo para o desenvolvimento das aldeias vizinhas.

As minas de Jales, fechadas em 1992, foram as últimas em Portugal de onde se extraiu ouro.


publicado por dinis às 23:16
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28
29

30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Ford Capri Roger Clark - ...

. Avallone Chrysler - Um ol...

. Mazda Cosmo Sport da Poli...

. Cyan Racing "Estamos tris...

. Maestro Tiago Monteiro e ...

. Brixia Zust 10 Hp 1908 - ...

. Este ano não há corridas ...

. GAZ-69 - Um olhar sobre a...

. De Dion Bouton Cab 1900 -...

. 140º Encontro de Clássico...

. Porsche 917 Le Mans 1971 ...

. Fiat 525 N quase como o d...

. Honda N 360 Zagato Mini B...

. Ford Capri - Um olhar sob...

. Citroen GS Solido - Um ol...

. Lotus Climax F1- Um olhar...

. 140º Encontro de Clássico...

. Chevrolet Astro 1 - Um ol...

. Datsun 240z safari - Um o...

. Rover P6 2000 TC - Um olh...

. Volkswagen para desmontar...

. Matra V8 F1 - Um olhar so...

. Ferrari 250 Gt Lusso Berl...

. Citroen Dyane, Dyane Dyan...

. O meu Drive-It Day

. Drive it day

. Fiat 1100 - Um olhar sobr...

. Peugeot 204 Táxi- Um olha...

. Renault AG Town Car 1910 ...

. Ferrari Fórmula 1 - Um ol...

. Uma relíquia com o P de P...

. Aston Martin DB5 descapot...

. Azcona, Gene espera que a...

. Duesenberg Model J - Um o...

. Land Rover 109 - Um olhar...

. Ferrari 312 PB - Um olhar...

. Gabriele Tarquini pergunt...

. BMW Isetta - Um olhar sob...

. Fiat Abarth 2000 Pininfar...

. Jaguar Mark X  Sallon Cor...

. Morris Bull Nose 1923 Spo...

. O Azulinho de José Luis M...

. Iso Rivolta S 4 300 - Um ...

. Abarth 1000 bialbero - Um...

. Voisin 17 CV "Carene".- U...

. 7º Encontro Virtual Além ...

. Seat 850 Sport - Um olhar...

. James Bond 007 Aston Mart...

. 139º Encontro de Clássico...

. Mc Laren M8 A can Am - Um...

.arquivos

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs
RSS
Em destaque no SAPO Blogs
pub