Segunda-feira, 22 de Janeiro de 2024

Ford Fairlane Sunliner Convertible de corrida - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Ford Fairlane Sunliner Convertible de corrida - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1090ª – Ford Fairlane 56 Curtis Turner Quatzo     

1956 Ford Fairlane Sunliner Convertible Curtis Turner

O meu primeiro modelo da Quartzo, um Vitesse de corrida

Como o

1074ª –  Ford Fairlane 1956 open Vitesse 

https://manueldinis.blogs.sapo.pt/ford-fairlane-descapotavel-um-olhar-1803946

o modelo de corrida.

Modelo real

#26 Curtis Turner 1956 Ford Sunliner

Iniciando sua carreira de piloto em 1946, Oldsmobiles e passou a dirigir Ford em 1954,

O Ford equipado com seu V8 312ci original e transmissão automática Ford-o-Matic repleto de opções, ar condicionado, direção hidráulica, capota elétrica, assento elétrico, overriders de pára-choques grandes, tampas de rodas de arame, kit continental e muito mais! com acabamento em sua combinação de dois tons EN- Colonial White e Mandarin Orange, também serviam para correr.

Os primeiros Ford Fairlanes de 56' só podiam obter os motores 292 V8 menores e, em meados do ano, todos os Ford Fairlanes poderiam obter os novos motores maiores de 312 blocos em Y, mesmo com superalimentadores.

Os primeiros Stock cars eram apenas veículos de produção com algumas atualizações de suspensão e pequenas melhorias de segurança. Além de alguns patrocinadores pintados nos carros, muitos pareciam muito semelhantes.

A Ford Motor Company levou as corridas a sério em 1955. Mantendo o piloto da Indy 500, Peter De Paolo, como gerente, a Ford iniciou seu programa e contratou Curtis Turner, Joe Weatherly, Ralph Moody e Marvin Panch para 1956.

O primeiro carro nº 26 de Curtis Turner em 1956 era totalmente branco, lembrando o carro nº 22 de Fireball Roberts e os conversíveis nº 12 de 1956 de Joe Weatherly. O mesmo aconteceu com os 56 modelos posteriores, que tinham dois tons e ostentavam o motor 312 Y Block maior.

O segundo carro de Curtis em 1956 seria uma versão posterior do Ford Fairlane conversível, com motor bloco 312 Y e pintura em dois tons, que foi seu carro de maior sucesso.

O Ford Fairlane conversível, Curtis se tornaria o único piloto a vencer 25 corridas importantes da NASCAR em uma temporada em 1956 - 22 foram vencidas como o carro #26 na divisão conversível, os outros três, incluindo o Southern 500 de 1956, foram vencidos com o carro Schwam nº 99.

Curtis é o único piloto a vencer uma corrida da NASCAR depois de receber a bandeira vermelha porque seu carro era o único que ainda rodava na pista de Asheville, Carolina do Norte, em 30 de setembro de 1956.​

Era um piloto agressivo que se recusava a ceder um centímetro sequer durante uma corrida como se vê uma foto, onde Turner se envolve com Normal Schihl (nº 3), ambos em descapotáveis  Ford Sunliner 1956 no Bowman Gray Stadium em Winston-Salem, Carolina do Norte em 1956. Turner já virou seu volante para o desafiante enquanto usa o lado alto do a pista para manter a liderança. Este confronto foi típico da ação vista durante o período inicial das corridas de stock car de sábado à noite.

IMG_20240122_135822.jpg

IMG_20240122_135923.jpg

IMG_20240122_140004.jpg

IMG_20240122_140057.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Quartzo

Série

Referencia nº 1003 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Portugal

Anos de fabrico  a

 

 

 

 

 


publicado por dinis às 18:04
link do post | comentar | favorito
Domingo, 21 de Janeiro de 2024

Ferrari Special - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Ferrari Special - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1089ª –  Ferrari 375 F1 HP 380 1951 Brumm

Alberto Ascari Ferrari 375 F1 1952 Indianapolis 

Modelo real

Em 1950, a FIA decidiu incluir a Indy 500 no Campeonato Mundial de Fórmula I,

O Alfa Romeo 158 'Alfetta’ era dominante, foi encomendado por Enzo Ferrari quando responsável pelo departamento de corridas da Alfa Romeo antes da guerra. O segundo foi o 375 da própria Ferrari.

O campeonato de 1952 e 1953, os regulamentos incluíam a F2 para atrair mais fabricantes, mas tornam o 375 obsoleto.

O importador americano da Ferrari, Luigi Chinetti, e a Grant Piston Ring propôs em 1951 adquirir á Ferrari os carros utilizados em Fórmula 1 para a sua utilização nas 500 Milhas de Indianápolis do ano seguinte.

Os 375 foram modificados com um motor um pouco menor e uma distância entre eixos mais longa para a Indy 500 de 1952.

O motor da Fórmula 1 levaram a empresa a mudar o motor para um carro da Indy, o motor dianteiro, montado longitudinalmente era o de 4382 cm³ Lampredi V12, 79 x 74.5 mm com três novos carburadores Weber 40IF4C  que elevaram a potência para 380 cv (279 kW), a distância entre eixos foi aumentada e o chassi e a suspensão foram reforçados

Ferrari inscreve um quarto para o seu principal piloto Alberto Ascari .

Quando a qualificação começou, as Ferraris logo tiveram problemas. Os três carros de Grant não conseguiram se classificar, embora tivessem o vencedor de 1950, Johnnie Parsons, que nãos gostou do Ferrari 375 Indianápolis Nº 6 e optou pelo Kurtis Kraft de 1949 e 1950 sendo substituto por Danny Oakes, e também não se conseguiu classificar.

Embora o carro tenha tido um bom desempenho nos testes europeus, não foi capaz de enfrentar o desafio americano, com apenas um dos quatro 375 o de Ascari foi o piloto que qualificou o carro para a corrida,

No dia da corrida, Alberto em poucas voltas, viu-se lutando para manter o controle no último lugar!

Após quarenta voltas, uma das rodas traseiras partiu. E Alberto, estacionou o monstro na beira da pista

IMG_20240121_141523.jpg

IMG_20240121_141531.jpg

IMG_20240121_141538.jpg

IMG_20240121_141544.jpg

IMG_20240121_141803.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Brumm

Série Oro

Referencia nº 126 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália

Anos de fabrico  a

 

 

 

 

 


publicado por dinis às 18:06
link do post | comentar | favorito
Sábado, 20 de Janeiro de 2024

Bugatti Grand Prix - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Bugatti Grand Prix - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1088ª – Bugatti 35 B sport 1927 Eligor  

O Bugatti 35B Henrique Lehrfeld 2º carro sem roda suplente

625ª - Bugatti – 35B sport 1928 Eligor

https://manueldinis.blogs.sapo.pt/bugatti-35b-1928-le-pur-sang-um-1496209

E a Elizabeth Junek no Bugatti T35

1013ª – Bugatti 35B course Eligor

https://manueldinis.blogs.sapo.pt/elizabeth-junek-bugatti-t35-um-olhar-1765800

Modelo real

O químico alemão Theodor Lehrfeld, veio para Portugal tornando-se industrial de adubos, enquanto o seu filho Henrique Lehrfeld, era o representante da Opel nos anos 20.  Para promover a marca, modifica num modelo para provas em Portugal, utiliza um Opel 10 hp na Rampa de Santarém a 8 de Julho de 1925 onde foi primeiro classificado a media de 99 quilómetros à hora

Quando as provas de automóveis em Portugal eram provas de montanha e quilómetros de arranque, Henrique Lehrfeld agita o mundo automobilístico português em Abril de 1930 ao trazer para Lisboa um Bugatti de Grande Premio semelhante àqueles que dominavam a generalidades das competições europeias daquela época.

No III Quilometro de Arranque do Campo Grande compareceu com um Bugatti T 35C chassis 4930, com um motor de 8 Cilindros de 2l com compressor para vencer a corrida, mas de seguida vende o Bugatti azul a Adalberto Mendonça Marques, um dos sócios da Sociedade de Luso-Brasileira.

Em seguida, adquire um potente Bugatti 35B, o único que veio para Portugal, com que participo no 1º quilometro arranque em Setúbal onde vai defrontar o seu anterior Bugatti 35C. com Adalberto Marques que foi o mais rápido, embora só com uma passagem, o que não estava no regulamento.

A sua actividade em 1931 divide-se entre Paris e outras provas pelo que não vem a Vila Real.

O Bugatti azul também não comparece em 1932 apesar de inscrito com a desculpa de não ter sido convidado. Mas ao que parece estava avariado.

No ano seguinte também não vem a Vila Real, ao único circuito realizado em Portugal e em 1934 a Bugatti de Henrique Lehrfeld vem a Vila Real para ser pilotada por António Guedes Herédia  e obter uma vitoria á media de 85,740 Km/h.

O Brasil atraía e para a corrida da Gávea a 2 de Junho 1935, os Bugatti são pintados de Branco a carroçaria e de Vermelho o chassis, para terminar em 2º.

Em 1937 vem finalmente a Vila Real onde é 6º com o nº 4, já um um carro bastante antiquado e cansado.

A sua frente ficou Jorge de Monte -Real 35C e Ribeiro ferreira num 51.

O Bugatti T 35B encontra-se no Museu do Caramulo e volta novamente a Vila Real em 2004

Modificação na miniatura

A miniatura foi pintada nas cores nacionais.

IMG_20240120_173257.jpg

IMG_20240120_174626.jpg

IMG_20240120_174633.jpg

IMG_20240120_174728.jpg

IMG_20240120_174752.jpg

IMG_20240120_174718.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Eligor

Série

Referencia nº 1025 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – França

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 18:25
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 19 de Janeiro de 2024

Peugeot 905 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Peugeot 905 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1087ª – Peugeot 905 Vitesse     

Peugeot 905 versão apresentação Magny Cours 1990

Modelo real

Em meados dos anos 80, a popularidade do WSC, era com cada vez maior, com as equipas a acusar as dificuldades em suportar os custos elevadíssimos da era Turbo. A Peugeot a dominar os ralis do Grupo B no Campeonato Mundial de Ralis, com o 205 T16 a conquistar os campeonatos de 1985 e 1986, mas a sua proibição leva a Peugeot Talbot Sport, a 23 de novembro de 1988, através de Jean Boillot, o patrão da Automobiles Peugeot, e Jean Todt, chefe do departamento de competição, confirmaram a existência de um projeto para provas de resistência, sob a responsabilidade de André de Cortanze, diretor do departamento técnico da Peugeot Talbot Sport, apoiado por Gérard Welter, Xavier Delfosse, Jean-Claude Vaucard e Jean-Pierre Boudy. Parceiros de renome apoiam a Peugeot nesta aventura e, em particular, o fabricante de aeronaves Dassault fornece as suas competências de design graças ao software Elfini e ao seu conhecimento em termos de fabricação de cascos em materiais compósitos.

O motor do Peugeot foi elaborado no departamento desportivo em Vélizy-Villacoublay, era um V10 aspirado debitava uma potência de 600 CV. feito de liga leve, 3499 cm 3, diâmetro de 91 mm e um curso de 53,8 mm. tecnologia de quatro válvulas, um par de cames e, claro, injeção de combustível. Em vez dos clássicos 90 graus, os cilindros formavam um ângulo pouco convencional de 80°, estava associado a uma transmissão de seis velocidades montada num chassis monocoque de fibra de carbono de apenas 750 quilogramas.

Os eixos estavam separados por 2,8 m, as rodas 1,63 me 1,55 m, respectivamente. As suspensões trapezoidais duplas em ambos os eixos foram complementadas por molas helicoidais, amortecedores e estabilizadores transversais. A direção precisa de pinhão e cremalheira não carecia de reforço e os compósitos de carbono serviram como material de construção para os quatro freios a disco. Com 4,80 m de comprimento, 1,96 m de largura e apenas 1,04 m de altura (ou melhor, curto), o carro pesava pelo menos 750 kg. Os pneus da Michelin nacional eram 32x63 na frente e 34x70 atrás, calçados em rodas de dezassete e dezoito polegadas, respectivamente.

O Peugeot EV11 foi apresentado em Magny Cours no dia 4 de julho de 1990 e Jean Todt também revelou os nomes dos pilotos, o finlandês Keijo Rosberg, campeão mundial de F1 em 1982, e Jean- Pierre Jabouille. nas duas provas finais do campeonato de 1990.

Modificação na miniatura

A miniatura tem dois parafusos passa a segurar à base que são muito difíceis de colocar.

IMG_20240119_142918.jpg

IMG_20240119_143321.jpg

IMG_20240119_143752.jpg

IMG_20240119_143844.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Vitesse

Série Esso Peugeot

Referencia nº preço 2635$00

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Portugal

Anos de fabrico  a


publicado por dinis às 18:15
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 18 de Janeiro de 2024

Ferrari 312 F1 1968 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Ferrari 312 F1 1968 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1086ª – Ferrari 312 F1 1968 Brumm   

Ferrari 312/67 F1 1968 Nº9 GP Africa do Sul 1968 Jack Ickx abandono

Ickx aqui já com o aileron por cima do motor em Rouen prova que venceu.

https://manueldinis.blogs.sapo.pt/ferrari-formula-1-um-olhar-sobre-as-1198895

agora no dia de Ano Novo na estreia de Ickx na Ferrari

Modelo real

Modificação na miniatura

O South African Grand Prix Kyalami, de 1968, foi a prova de abertura do Campeonato Mundial de Fórmula 1, realizado no Circuito Kyalami no Dia do Ano, 1 de janeiro de 1968.

Os treinos e qualificações foram no final de 1967 com a maioria das equipes com versões de desenvolvimento de carros novos ou máquinas de 1967, mas, bastante atualizadas.

A equipe italiana, contrata o jovem Jacky Ickx para a equipe,  Chris Amon, numa segunda temporada com a Ferrari e um terceiro carro e entregue a Andrea de Adamich, naturalmente os três carros são de 1967, embora todos tivessem motores atualizados produzindo 408 cv.

Jim Clark na sessão de quinta-feira e em apenas quatro voltas quebrou a barreira de 1m28s0, quebrando o recorde de Brabham.

Na Ferrari, Andrea de Adamich foi o segundo mais rápido logo no início, antes de seu carro começar a ter problemas de temperatura do combustível, com Chris Amon e Jacky Ickx presos no avião.

No sábado Clark faz 1: 21,6 e o companheiro de equipe Hill por um segundo e conquistar a pole, em 7º lugar com o nº10 está Andrea de Adamich da Ferrari 1:23.6, no 8º lugar o nº 8 Chris Amon Ferrari 1:24.81 e em 11º o nº 9 Jacky Ickx Ferrari 1:28.9

No dia de ano novo, Domingo foi um dia de descanso na África do Sul, os mecânicos puderam trabalhar em um ritmo mais tranquilo para preparar os carros para o dia da corrida, segunda feira, com muito pouca comemoração na véspera de Ano Novo.

Na partida, Jackie Stewart, no Matra-Ford Cosworth assumiu a liderança, enquanto Hill caía para sétimo. Clark ultrapassaria seu compatriota para retomar a liderança na segunda volta, antes de Hill começar a passar para a frente dos pilotos que o ultrapassaram na linha de partida.

O Cooper-Maserati verte toda a água sobre Ludovico Scarfiotti provocando-lhe queimaduras de primeiro grau.

Andrea de Adamich na Ferrari nº 10 abandona depois do acidente na 12 volta, quando desiste devido a um acidente, depois de passar por uma mancha de óleo. fazendo girar quando o carro se soltou, embora tenha conseguido manter o carro fora das barreiras.

Jack Brabham correu entre os líderes até ter problemas no motor, na 16 volta, um destino compartilhado por Stewart, na 43º volta.

O Ferrari nº 9 de Jacky Ickx, terminaria a sua estreia na Ferrari quando um tubo de óleo falhou, na 50º volta.

A corrida estava agora a cominho do final, Jim Clark no Lotus 49 cruzou a linha de chegada para conquistar a vigésima quinta vitória recorde na carreira na sua última vitória. Hill fez uma dobradinha sem ser incomodado por Rindt, que estava satisfeito em terceiro em sua estreia na Brabham, duas voltas à frente do carro seguinte.

O único Ferrari sobrevivente foi o de Amon, no 4º lugar, após paragem  forçada para abastecer nos momentos finais, deixando-o a apenas alguns segundos de Hulme, que abriu sua defesa do título com um quinto lugar para a McLaren.

IMG_20240118_141244.jpg

IMG_20240118_141250.jpg

IMG_20240118_141303.jpg

IMG_20240118_141311.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Brumm

Série Oro

Referencia nº 172 preço 1550$00

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - italia

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 19:31
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 17 de Janeiro de 2024

Toyota Célica GT 4 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Toyota Célica GT 4 - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1085ª – Toyota Célica GT 4 Carlos Sainz /Luis Moya Monte carlo 90 Trofeu     

WRC Monte carlo 1990 Carlos Sainz - Luis Moya 2º classificado

Modelo real

A quarta geração do Celica, teve em1986 uma versão com tração nas quatro rodas chamada GT- Quatro ST165.

Nas versões de rua, a evolução do motor montado no Toyota Celica GT subiu para 150 CV. No entanto, as unidades de rua GT-Four receberam atualizações, como um turbo vindo do Supra que aumentou o desempenho deste bloco de 190 litros para 2CV. Tudo isso obrigou a reforçar o chassi, bem como a incorporar novas barras estabilizadoras e molas no amortecimento com maior peso e volume. Um conjunto dos mais difíceis, mas também com 1350 quilos.

Tudo isso conectado ao solo graças a uma caixa de transferência que distribuía a tração meio a meio entre os eixos dianteiro e traseiro. Uma configuração diferente em comparação com os rivais da época, como o Lancia Delta HF 4WD, que entregou 56% da potência para o eixo dianteiro e 44% para o traseiro. Com todos esses dados, A estreia do Toyota Celica GT-Four ST165 foi feita na temporada de 1989,

Carlos Sainz e a Toyota Team Europe conquistaram três pódios em 1989. Um prólogo para a implementação de todo o esforço tecnológico desenvolvido pelos japoneses, confiado a Carlos Saínz, de 28 anos, um objetivo que eles queriam alcançar na temporada seguinte.

As melhorias introduzidas no Celica GT-Four ST165 para 1990 prometiam destronar a Lancia e alterar os resultados do Campeonato do Mundo, vencido pela Lancia em três anos consecutivos.

No primeiro desafio do ano, o 58º Rallye Automobile Monte-Carlo 1990, realizado de 19 a 25 de Janeiro foi a primeira prova do Campeonato Mundial de Rali.

Monte Carlo durante o evento, nas 20 provas especiais de 556 km as estradas estavam sem neve e os membros da Equipe Toyota se saíram extremamente bem. Tudo apontava para uma vitória certa de Sainz, que liderou a prova em vários troços e deu uma luta formidável aos ex-campeões do asfalto de Monte Carlo.

No entanto, o desempenho da Lancia melhorou subitamente e os seus membros conseguiram dar a volta à corrida, chegando em primeiro, com Carlos, diga-se, a chegar num promissor segundo lugar, 54 segundos atrás do vencedor, Didier Auriol - Bernard Occelli Seus companheiros de equipe Schwarz e Ericsson terminariam em quinto e sétimo lugar, respectivamente. O segundo lugar do piloto da Repsol, foi um início de temporada promissor.

IMG_20240117_143521.jpg

IMG_20240117_143539.jpg

IMG_20240117_143551.jpg

IMG_20240117_143636.jpg

IMG_20240117_143646.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Trofeu

Série

Referencia nº 020.1 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Portugal

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 19:13
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 16 de Janeiro de 2024

171º Encontro de Clássicos Além Corgo parte 2

171º Encontro de Clássicos Além Corgo parte 2

Agora vamos às novas máquinas dos nossos amigos.

IMG_20240107_102519.jpgNissan Patrol 1988 Gil Escaleira 

IMG_20240107_102529.jpg

IMG_20240107_111054.jpgMini 1000 1978 Gil Escaleira

IMG_20240107_111109.jpg

 

IMG_20240107_105054.jpg

IMG_20240107_105936.jpg

IMG_20240107_105951.jpg

IMG_20240107_110012.jpg

IMG_20240107_110346.jpg

IMG_20240107_110814.jpg

IMG_20240107_110820.jpg

IMG_20240107_110908.jpg

IMG_20240107_110921.jpg

IMG_20240107_110940.jpg

IMG_20240107_111037.jpg

IMG_20240107_111737.jpg

IMG_20240107_112312.jpg

IMG_20240107_113324.jpg

IMG_20240107_113451.jpg

IMG_20240107_113453.jpg

IMG_20240107_113456.jpg

IMG_20240107_113547.jpg

IMG_20240107_113605.jpg

IMG_20240107_114043.jpg

IMG_20240107_115141.jpg

IMG_20240107_115148.jpg

IMG_20240107_115159.jpg

IMG_20240107_115203.jpg

 


publicado por dinis às 22:01
link do post | comentar | favorito

Porsche 356 Eva Peron - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Porsche 356 Eva Peron - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1084ª – Porsche coupé 356 1952 Brumm   

Porsche 356 Carrera Mexico 1953

Porsche 356 Pre-A Carrera Panamericana 1953, Jacqueline Evans "En Memoria de Eva Peron"

Jacqueline Evans atriz e piloto de automóveis, veio paro o México na década de 1940 para férias, mas a indústria cinematográfica cativou-a para participar em filmes como Dizzy Sinbad (1950), ao lado de #TinTan , ou El Suavecito (1951), junto com #VíctorParra

Modelo real

Na primeira Carrera Panamericana, realizada a 10.5 de1950 participa com um Chrysler Windsor coupé de 1947 com o nº 17, é descrita pela imprensa como “a garota glamourosa”  termina no 45º lugar.

Volta no ano seguinte, a 25.11.1951 para a segunda Carrera Panamericana agora com um Chrysler Saratoga nº 31 mas, abandona.

Volta em 1952 Jacqueline Evans terminado no 37º lugar num Chrysler Saratoga,

Para a Carrera Panamericana de 1953 onde participaram as mais famosas marcas internacionais, Lancia, Ferrari, Mercedes, Chevrolet, Lincoln, Chrysler, Ford, Hudson... Jacqueline Evans está inscrita num Porsche 356, uma das primeiras unidades com carroceria de aço construída em Zuffenhausen. é um carro de aço um Porsche 356 pré-um modelo da Reutter.

Inscrito e dirigido pela atriz de TV e cinema Jacqueline Evans (nome completo Jacqueline Evans de López), este Porsche 356 foi pintado em memória de Eva Perón, a primeira-dama argentina até sua morte no ano anterior. encontramos a atriz concorrente prestando homenagem à sua heroína. Com Sponsors: En memoria Eva Peron/IV-Carrera Panamericana Mexico matricula 4072TT2Y

A Carrera Panamericana de 1953 foi a quarta edição do evento mexicano de corridas de carros esportivos e aconteceu de 19 a 23 de novembro em oito etapas totalizando 3.077 quilômetros (1.912 milhas) de Tuxtla Gutiérrez, Chiapas, a Ciudad Juárez, Chihuahua.

Embora tenha feito prorrogação, o que resultou na desclassificação da corrida, ela está entre as competidoras mais fotografadas daquele ano. Se foi por causa da pintura exótica, a relativa novidade de uma mulher piloto, ou porque ela parecia tão legal, ou quem sabe, em representação das mulheres do mundo, de fato.

Um outro Porsche 356 foi inscrito por Joaquin del Castillo, Uruguai, e portando o número 199.

Volta no ano seguinte a 23.11.1954 para a última Carrera Panamericana agora com o nº 100 sem a decoração anterior o Porsche 356 este era um Gmund 356 inscrito por del Castillo na corrida de 1953, então Evans aparentemente dirigiu dois cupês diferentes naqueles anos. Jacqueline Evans de Lopez abandona..

Modificação na miniatura

Com uma decoração incompleta e o círculo vermelho onde se encontram os números aparece agora em amarelo.

IMG_20240116_140316.jpg

IMG_20240116_140344.jpg

IMG_20240116_140356.jpg

IMG_20240116_140407.jpg

IMG_20240116_140421.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Brumm

Série

Referencia nº206 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País - Itália

Anos de fabrico  a

 

 

 


publicado por dinis às 18:35
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 15 de Janeiro de 2024

Mercedes Benz Argentino - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Mercedes Benz Argentino - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1083ª – Mercedes-Benz SSKL1931 Solido   

O 770ª - Mercedes-Benz SSKL1931 Solido

https://manueldinis.blogs.sapo.pt/mercedes-benz-sskl-1931-um-olhar-1517162

o 885ª – Mercedes-Benz SSKL 1931 Solido

https://manueldinis.blogs.sapo.pt/mercedes-benz-sskl-um-olhar-sobre-as-1674127

agora

o branco ou vermelho sem para-lamas

Mercedes-Benz SSK #14 C. Zatuszek. Corrida do Outono 1931, Argentina.

Modelo real

Mercedes-Benz SSK #14 vencedora Argentina Outono Raça 1931 C. Zatuszek

Carlos Zatuszek mecânico do exército na Primeira Guerra Mundial chegou em 1923 á Argentina, para começar a trabalhar na oficina automóvel de Luis Viglione, uma das mais importantes da cidade de Buenos Aires e onde também são preparados carros de corrida.

Os seus conhecimentos mecânicos são aplicados na preparação do carro de corrida de Ernesto H. Blanco, lhe pede para acompanhá-lo em algumas corridas.

Mais tarde abrem a própria oficina mecânica atendem todos os tipos de veículos, são especializados em automóveis Mercedes Benz, alguns dos quais modelos como o S e o SSK circulam pelas ruas de Buenos Aires.

Carlos Zatuszek, acompanhado pelo seu cunhado Juan Maczak, conseguiu a primeira vitória nas 12 Horas Standard, um dia depois de ter contraído casamento com a irmã.

O Mercedes com a qual venceu em La Tablada foi fornecida por Perico Ganduglia entusiasmado, decidiu adquirir outra unidade da mesma marca, mas do modelo SSK de 7.020 cc. de deslocamento, teve com primeiro proprietário Juan Malcom e vendido a Berndt, imediatamente o vendeu para Pedro Ganduglia.

Essa, por pressões familiares (“Você comprou O QUÊ!!? Filho, você vai se matar...” “Se você vai correr com isso, arrume outra mulher, eu vou embora.. ." etc. etc.) Ganduglia Percebeu que havia uma certa maré em sua família e emprestou o carro novo para Zatuszek correr as 500 Milhas de Rafaela e o Audax em Córdoba, terminando em 2º em Rafaela e 1º em Audax com o o enigmático Julio Berndt como co-piloto.

Equipado com motor de 6 cilindros com compressor, produzia 250 CV. Tinha válvulas suspensas e um virabrequim montado em 4 bancos. Zatuszek e Maczak conseguiram extrair um ótimo desempenho deste Mercedes.

Julio Berndt adquiriu o SSK, e com Carlos Zatuszek e o número 14, competiu no Prêmio Otoño da Argentina de 1931 12/04/193, corrida de 400 quilômetros que venceu a estabelecendo um novo recorde.

Construído em 1929 e com acabamento em vermelho, este SSK foi pilotado vitoriosamente por Carlos Zatuszek em uma série de corridas de longa distância na Argentina, até a prova em que faleceu em 8 de outubro de 1937.

Depois que Berndt e Zatuszek venderam o carro  Chassis #: 36246, foi restaurado e Carlos Zatuszek ficaria para sempre ligado aos SSK dos outros dois pilotos lendários do difícil SSK com  travões sempre escassos e estabilidade horrível, Hans Stuck (1900-1978) e Rudolf Caracciola (1901-1959).

Modificação na miniatura

Retirado os guarda lamas tipo bicicleta ficou á espra da uma solução de pintura.

IMG_20240115_142848.jpg

IMG_20240115_142935.jpg

IMG_20240115_143009.jpg

IMG_20240115_143449.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Solido

Série Age d´or

Referencia nº preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – França

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 19:06
link do post | comentar | favorito
Domingo, 14 de Janeiro de 2024

Jaguar E, primeira vitoria - Um olhar sobre as minhas miniaturas

Jaguar E, primeira vitoria - Um olhar sobre as minhas miniaturas

1081ª – Jaguar Type E  Spyder Oulton Park 61 Best    

O Jaguar E foi apresentado no Salão Automóvel de Genebra em Março de 1961, e um mês depois vence a primeira corrida

Modelo real

No Salão Automóvel de Genebra de 1961quando foi apresentado o Jaguar E-Type era um carro de estrada mas um mês depois a 15.4.1961, no National Open Oulton Park  uma prova para carros de GT, estava Graham Hill  no ECD 400 num dos primeiros Jaguar E, entregues ao revendedor Jaguar Tommy Sopwith e Roy Salvadori no 'BUY1'

 Num dia ensolarado e quente de Primavera, os Jaguares E fizeram o terceiro e quarto tempo o colocaram-se na primeira linha da grelha de partida. Ao lado estava Innes Ireland no Essex Racing Team no Aston Martin DB4 GT, um dos carros utilizados na corrida Tourist Trophy do ano passado. Ao lado de Irland no grid estava a Equipe Endeavour no Ferrari 250 GT SWB Berlinetta, pilotada por Sears e Salvadori.

Uma moldura de 45 mil pessoas aguardavam a partida e para grande surpresa, os Jaguar tomaram a liderança. e em Old Hall, a ordem era Jaguar, Jaguar, Aston Martin, Ferrari – Salvadori, Hill, Ireland e Sears.

Depois de oito voltas, cerca de três segundos separaram os Jaguars e o Aston da Irland. Sears permaneceu em quarto à frente de Whitehead, enquanto sexto, sétimo e oitavo - e correndo em ordem numérica - foram os três carros do Team Elite os Lotus Elite Climax de Wagstaff, Arundell e Allen, com McKee nunca deixando Allen fora de vista.

Na 13ª volta, Hill, que já se aproximava do líder há algum tempo, passou por ele em Knickerbrook para assumir o controle da corrida e rapidamente abriu uma vantagem de cerca de três segundos. Na volta 18, ele e Salvadori registraram novamente a volta mais rápida com 1m58,2s (84,69mph).

A Irland, começou a aumentar a pressão e aproximou-se cada vez mais do Jaguar cinzento de Salvadori e na volta 24 ele passou para o segundo lugar, mas Hill estava bem à frente e não pôde ser alcançado com a prova terminar na volta seguinte.

O Aston Martin DB4 de Innes Ireland, com Salvadori em terceiro e as Ferrari 250 GT em quarto e quinto lugar. 

As únicas atualizações instaladas neste carro foram uma cabeça grande angular e Webers triplos. O desempenho de Salvadori e Hill no E-Type, relançou o departamento de competição inativo da Jaguar no final de 1962.

A Jaguar Classic celebra as vitórias dos primeiros E-type, produzindo sete pares exclusivos, os E-type ZP Collection, foram estreados no Goodwood Festival of Speed 2021.

IMG_20240114_144148_1.jpg

IMG_20240114_144159_1.jpg

IMG_20240114_144208_1.jpg

IMG_20240114_144213_1.jpg

IMG_20240114_144222_1.jpg

Miniatura

Interior detalhado

Sem suspensão.

As rodas são de plástico de acordo com as originais.

Fabricante Best

Série

Referencia nº 9631 preço

Material – zamac

Material da placa de base – plástico

A base está aparafusada à carroçaria

Apresentado em caixa de cartão com janela de visualização e expositor plástico.

País – Itália

Anos de fabrico  a

 


publicado por dinis às 17:17
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Maio 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4

5
6
7
8
9

13
15
16
17
18

19
21
22
23
24
25

26
27
28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. 53º Circuito Internaciona...

. O Rally de Portugal 2024 ...

. Wartburg A 311 coupé 1958...

. Rally de Portugal 2024 cl...

. Maserati 250F – 1957 F1- ...

. O Rally de Portugal 2024 ...

. Renault RE 20/23 René Arn...

. Cooper T 51 F1- Um olhar ...

. Tyrrell P34 1976 - Um olh...

. 175º Encontro de Clássico...

. Mc Laren F1 GTR - Um olha...

. Vanwall VW57 F1- Um olhar...

. Lotus 78 F1- Um olhar sob...

. Alfa Romeo 158 F1- Um olh...

. Mc Laren Mercedes F1- Um ...

. Mercedes-Benz W196 sport ...

. Delahaye 135 M Spider  Bu...

. Mercedes F1 com carroçari...

. Porsche 356 - Um olhar so...

. Mc Laren Mercedes F1- Um ...

. Bugatti 57C coupé longo -...

. III Especial Sprint de Vi...

. 500 Milhas ACP Clássicos ...

. Triumph Spitfire - Um olh...

. Vila Real Gathering Super...

. III Especial Sprint de Vi...

. 500 Milhas ACP Clássicos ...

. A última vitoria da Ligie...

. Vila Real Gathering Super...

. III Especial Sprint de Vi...

. 500 Milhas ACP Clássicos ...

. III Especial Sprint de Vi...

. 500 Milhas ACP Clássicos ...

. Vila Real Gathering Super...

. Circuito Internacional de...

. III Especial Sprint de Vi...

. 500 Milhas ACP Clássicos ...

. Branco no início e vermel...

. Minardi Ford M195B - Um o...

. Tyrrell Yamaha 024 - Um o...

. Williams Renault FW17 - U...

. Ferrari 412 T2 1995 - Um ...

. 174º Encontro de Clássico...

. Alfa Romeo 155 V6 TI DTM ...

. Mercedes Benz AMG C 180 D...

. Renault 5 Maxi Turbo - Um...

. BMW 502 Coupé - Um olhar ...

. Porsche 911 GT2 Irmãos Br...

. Mercedes-Benz 190E 2.5-16...

. 174º Encontro de Clássico...

.arquivos

. Maio 2024

. Abril 2024

. Março 2024

. Fevereiro 2024

. Janeiro 2024

. Dezembro 2023

. Novembro 2023

. Outubro 2023

. Setembro 2023

. Agosto 2023

. Julho 2023

. Junho 2023

. Maio 2023

. Abril 2023

. Março 2023

. Fevereiro 2023

. Janeiro 2023

. Dezembro 2022

. Novembro 2022

. Outubro 2022

. Setembro 2022

. Agosto 2022

. Julho 2022

. Junho 2022

. Maio 2022

. Abril 2022

. Março 2022

. Fevereiro 2022

. Janeiro 2022

. Dezembro 2021

. Novembro 2021

. Outubro 2021

. Setembro 2021

. Agosto 2021

. Julho 2021

. Junho 2021

. Maio 2021

. Abril 2021

. Março 2021

. Fevereiro 2021

. Janeiro 2021

. Dezembro 2020

. Novembro 2020

. Outubro 2020

. Setembro 2020

. Agosto 2020

. Julho 2020

. Junho 2020

. Maio 2020

. Abril 2020

. Março 2020

. Fevereiro 2020

. Janeiro 2020

. Dezembro 2019

. Novembro 2019

. Outubro 2019

. Setembro 2019

. Agosto 2019

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs
RSS
Em destaque no SAPO Blogs
pub