Terça-feira, 13 de Novembro de 2012

Magusto na Senhora de Lourdes

Magusto na Senhora de Lourdes - Monte da Virgem- Folhadela -Vila Real

 

 

Já lá vão alguns anos, ainda na Escola Primária, o nosso magusto era feito no dia de S Martinho ou, quando acontecia no Domingo, era antecipado. O seu anúncio era sempre recebido com muita alegria, pois era um dia que íamos passar ao ar livre e sem ter nada que estudar.

O local escolhido era sempre o santuário em honra da Senhora de Lourdes, naquela altura pertencente à freguesia de Folhadela.

 

A saltitar, trincando um trigo com marmelada e sem a pasta dos livros, mas com a lancheira e um saquinho de castanhas, eu e a minha irmã, íamos ter à Escola, na qual e naquele dia, podíamos brincar juntos, e não separados por aquele muro que nos dividia. Era uma escola novinha, estreada por nós, um belo edifício pertence ao Plano Centenário com aquela arquitectura típica, e da qual existe pelo menos um exemplar em quase todas as povoações do país. Com duas salas de aula, uma para meninos e outra para meninas, instalações sanitárias e um alpendre que servia de cozinha, onde se merendava e se brincava nos dias de chuva.

Deixávamos as instalações escolares, e no meio de enorme algazarra, lá íamos seguindo e brincando sob o olhar atento das professoras, que atentamente quando ouviam o motor de algum veículo motorizado que naquele momento pudesse por lá passar, nos mandavam encostar para a borda… - atenção para a borda, que aí vem um automóvel. Ordeiramente, encostávamo-nos a beira da estrada, às vezes caindo, e por vezes, empurrados pelos mais velhos e marotos, íamos às valetas. Entretanto procurávamos adivinhar a marca e o proprietário do veículo que passava. Eram tão poucos e tão raros que não era difícil adivinhar.

“ Um mais ronceiro e barrulhento, certamente seria o autotanque da Sacor ou da Mobil enquanto o camião era normalmente o do “Xastre”.

A chegada era saudada com entusiasmo, mas, pouco dava para brincar, imediatamente entravamos nas matas, (outrora limpas com muito cuidado para evitar os incêndios), à procura de lenha, de preferência seca e com pouco orvalho, proveniente dos ramos caídos dos pinheiros ou então dos pequenos arbustos, que escapavam à limpeza das matas, procurávamos as pinhas, próprias para acender mais facilmente a fogueira.

Em pouco tempo, formávamos um enorme monte de lenha, perante a alegria da pequenada, agora livre para poder brincar e jogar os seus jogos preferidos.

Uma enorme fumarada, precedia o início da fogueira que iria assar as desejadas castanhas trazidas por todos, cultivadas nos soutos de uns, ou encontravam caídas ao longo dos caminhos por outros.

Estoiros e saltos da pequenada, sobre o crepitar do lume, decorriam, enquanto se assavam as castanhas, que de vez em quando, explodiam, e eram projectadas para bem longe.  Para terminar, era colocada uma camada de giestas que abafava e ajudava a assar as castanhas.

Chegada a hora, no meio de enorme alegria, todos procurávamos as deliciosas castanhas parcialmente escondidas na cinza, entre as brasas e tições que provocavam pequenas queimadelas, mas, nem mesmo assim, deixávamos de as disputar, entre alguns empurrões e umas tímidas trincas nas castanhas quentinhas, consolando-nos com tal pitéu.

 

As mãos já pretas por descascar as castanhas, faziam adivinhar o que muitos de nós sentiam vontade de fazer, sorrateiramente enferrotar as colegas e colegas que em sua defesa nos tentavam fazer o mesmo, enquanto outras, as mais tímidas, se agarravam as professoras entre inúmeros gritinhos como que a procurar salvaguardar a sua limpeza. A brincadeira continuava até ao regresso a casa, era o fim de um dia diferente e inesquecível.

 

 

 

Os anos foram passando e este dia sempre foi lembrado associada a uma lenda, a qual dizia que um soldado romano, mais tarde conhecido por Martinho de Tours, ao passar a cavalo por um mendigo quase nu, como não tinha nada para lhe dar, cortou a sua capa ao meio com a sua espada; estava um dia chuvoso e diz-se que, neste preciso momento, parou de chover, os raios de Sol inundaram a Terra de luz e calor e o bem tempo prolongou-se por cerca de três dias, derivando daí a expressão: "Verão de São Martinho"

 

Diz-se que Deus, para que não se apagasse da memória dos homens o acto de bondade praticado pelo Santo, todos os anos, nessa mesma época, cessa por alguns dias o tempo frio e o céu e a terra sorriem com a bênção dum sol quente e miraculoso." É o chamado Verão de São Martinho! 

A verdade é que neste dia o sol sempre raiou, não choveu e não me lembro de nenhum magusto com mau tempo.

 

Passei por lá nesta época e não vi nada, será que toda a gente já consome as castanhas que encontramos à venda prontas a comer?

Espero que não, seria bom manter esta tradição.

 

A primeira vista do santuário inacabado 

 

 

O antigo caminho 

 

 

 

 

A entrada norte, por aqui entrava-se para o recinto

O local do magusto

 

 

 

 

 

O espaço exterior foi limpo, cortado todo o arvoredo, terraplanado o terreno, erguidos os muros em ruína e fechados os portões. Foi aranjado o telhado , o tecto da capela-mor ainda inacabado e a sacristia. As paredes foram pintadas, bem como as portas e as janelas e procedeu-se às obras mínimas de protecção do espaço sagrado, trabalhos iniciados em 2008 e presentemente suspensos por falta de verbas, conforme me informou a amável zeladora que propositadamente foi buscar a chava do edificio.

 

 

 

A aniversariante cá de casa, também me acompanhou para recordar este dia, porque as meninas do Colégio de S. José, também faziam aqui o seu magusto.

Coincidências do destino… há muitos anos atrás, apenas duas crianças, hoje, dois seres que a vida uniu. 

 

 

 A recordar tempos vividos há mais de cinquenta anos e a relenbrar os que já partiram...

 

A avenida que liga ao portão sul

Portão sul

 

 

Portão oeste


publicado por dinis às 23:38
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Julho 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

16
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Kia Picanto GT Cup Qualif...

. Kia Picanto GT Cup Qualif...

. Campeonato de Portugal de...

. Open de Velocidade TCR Ib...

. 118º Encontro de Clássico...

. Open de Velocidade TCR Ib...

. Kia Picanto GT Cup Free P...

. Vila Real Kia Picanto GT ...

. Campeonatos de Portugal d...

. Campeonato de Portugal de...

. Open de Portugal + TCR Ib...

. Emilio Romano 2º Classifi...

. Sessão de Autógrafos

. Quarta-feira, 1 de Julho ...

. Terça-feira, 1 de Julho d...

. Vila Real 2019 Kia Picant...

. Segunda-feira, 1 de Julho...

. Domingo, 30 de Junho 2019

. Gostavas de sentir a adre...

. Transmissão em directo da...

. Citroen Saxo não vai perc...

. Vila Real 2019 Campeonato...

. Inscritos VIla Real 2019 ...

. Parada Comemorativa

. Campeonato Nacional de Ve...

. Vila Real 2019 WTCR RACE ...

. José Rodrigues não vai es...

. Circuito de Spa-Francorch...

. S. Pedro e a Avenida Carv...

. Alfa Romeo 156 Spark Vila...

. Noite Negra na Avenida Ca...

. Maserati A6 GCS Bialbero ...

. Horários para o 50º Circu...

. 1º Perícia de Vila Real 2...

. 1ª Perícia de Vila Real 2...

. 1ª Perícia de Vila Real 2...

. “50 Circuitos Internacion...

. WTCR 24 Horas de Nurburgr...

. 5ª Rampa de Santa Marta 2...

. 5ª Rampa de Santa Marta 2...

. 5ª Rampa de Santa Marta 2...

. 5ª Rampa de Santa Marta 2...

. 5ª Rampa de Santa Marta 2...

. 24h de Le Mans 2019

. XXI Passeio Aleu 2019

. 1000 Km de Paul Ricard Bl...

. 117º Encontro de Clássico...

. Shakedown de Baltar 2018 ...

. Shakedown de Baltar 2018 ...

. Shakedown de Baltar 2018 ...

.arquivos

. Julho 2019

. Junho 2019

. Maio 2019

. Abril 2019

. Março 2019

. Fevereiro 2019

. Janeiro 2019

. Dezembro 2018

. Novembro 2018

. Outubro 2018

. Setembro 2018

. Agosto 2018

. Julho 2018

. Junho 2018

. Maio 2018

. Abril 2018

. Março 2018

. Fevereiro 2018

. Janeiro 2018

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.tags

. todas as tags

SAPO Blogs
RSS