Sábado, 6 de Fevereiro de 2016

Porsche 906 Carrera 6 de Américo Nunes

Porsche 906 Carrera 6 de Américo Nunes

 

O Porsche 906 - Carrera 6 de Américo Nunes com o qual participou no Circuito de Vila Real 1972 foi reproduzido por José Manuel Smiley Madureira e faz parte da colecção Smiley - Scale Models

Base KDW

 

KDW.jpg

2.JPG

6.JPG

12.JPG

8195_1037712632934595_1566894974690601729_n.jpg

E no Blogue onde se pode ver o excelente trabalho

http://smileyscalemodels.blogspot.pt/

 

Mas por vezes....

 

"Quanto construímos um modelo, temos como uma das ferramentas essenciais o suporte fotográfico documental do modelo em questão, como meio orientador. Acontece que algumas vezes somos induzidos em erro devido ao facto de ou as fotos não são suficientemente esclarecedoras ou o nosso "olho de falcão" falhou. Foi o que aconteceu comigo durante a construção do Porsche 906 (Carrera 6) de Américo Nunes. Após uma observação feita (e bem) por um amigo meu, a quem eu agradeço aqui, sobre a falta de um pequeno rebordo nas cavas das rodas traseiras, vim a comprovar como realmente "ele" existe, daí, procedi de imediato à correcção exigida. Assim nas fotos seguintes poderão ver o dito rebordo e o modelo já com a correcção executada.

Posso dizer que agora está em condições."

motos sabrosa.jpg

 

12654469_1046378198734705_8309987535749303373_n.jp

12661875_1046378255401366_3907861834815767545_n.jp

Dias mais tarde também ao ver a minha miniatura que nunca acabei.. 

12661949_1038531929522191_1485239964675945994_n.jpAgora, ao ver na revista "Hobby, jogos e brinquedos" a segunda parte do artigo de Jorge Curvelo e onde encontrei este esquema do 906 de Américo Nunes em Vila Real e que me levou a pintar a entrada ar no tejadilho do meu Auto Pilen, de verde.

 


publicado por dinis às 20:01
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 10 de Dezembro de 2015

A Bomba Verde de Américo Nunes

 

A Bomba Verde de Américo Nunes

"O Senhor Porsche",

Presente em Vila Real em:

1969

Américo Nunes-Evaristo Saraiva Porsche 911S

1970

Américo da Silva Nunes               Porsche 911ST que ainda me lembro de a ver junto á cervejaria Gomes 

1971

Américo da Silva Nunes               Porsche Carrera 6

1972

Américo da Silva Nunes               Porsche Carrera 6

 

 

1394783_590732287650476_964570059_n.jpg

 À memória de Américo Nunes, deixamos-lhe agora o nosso ensaio à Bomba Verde, publicado na edição de outubro de 2013 da revista TURBO.

1377090_587489374641434_118316643_n.jpg

A Bomba Verde de Américo Nunes

O melhor amigo do Homem

 

image_14115_0_1449766887.jpeg

Este era, na sua época, o carro mais impressionante que se podia ver numa prova de estrada nacional. Foi o próprio multicampeão Américo Nunes que o foi buscar a Estugarda. Já era verde e o piloto transformou-o na sua bomba

 

 

O Porsche 911 é um carro omnipresente na história do automobilismo nacional. E neste contexto a sua imagem está literalmente colada ao rico palmarés do piloto lisboeta Américo Nunes. Ao longo dos seus 20 anos de carreira desportiva (entre os anos 60 e 80), com grande fidelidade aos carros da casa de Estugarda, teve muitos Porsche, mas este 911 ST é a sua imagem de marca. Não é o carro que mais vitórias lhe deu, mas foi, pela sua pujança e sonoridade, o que fez mais furor nas provas da época e que era provavelmente o carro mais potente que os aficionados poderiam ver nas mãos de um piloto nacional.

 

Porque ainda há quem, por pura paixão, decida recuperar e manter carros que fazem a história do nosso automobilismo, o “bomba verde” está bem e recomenda-se. Encontrámo-lo muito perto de nós, nos arredores de Lisboa, num estado de preservação de fazer inveja a muitos carros de museu. Com alguns elementos modernos que o desviam da originalidade mas que lhe garantem as condições de segurança e homologação necessárias para que se mantenha no ativo, o Porsche 911 ST com a matrícula LH-36-76 provavelmente ainda esconde algures uma impressão digital de Américo Nunes, que o comprou em 1970.

image_14115_0_1449766939.jpeg

Continua verde, continua pujante, bem preservado e com uma voz de trovão a emanar das duas cornetas negras de escape, responsável pela parte “bomba” da alcunha e que mais parecem os canos de uma metralhadora pesada. São uma espécie de garganta dupla do belíssimo boxer com duas velas por cilindro, a ostentar no topo mais duas filas de três cornetas, estas de admissão, bem espetadas para o alto e com um cromado reluzente que fica bem em qualquer fotografia, mas que de tão abertas dão pena quando pensamos que toda a poeira e terra que saltasse da estrada seria profundamente inspirada pelo nobre boxer, já que a única coisa que se interpõe entre as goelas de admissão e o meio ambiente é a rede da tampa do motor... Era assim no passado, porque o importante mesmo era andar para a frente e depressa e nem o Américo aceitaria outra coisa que não o máximo que a bomba pudesse dar.

image_14115_0_1449766956.jpeg

Ele exigia tudo aos seus Porsche, mas respeitava-os. Tal como nos disse da última vez que estivemos ao seu lado dentro de um Cayman em 1997: “Os Porsche são os melhores amigos do Homem. Mas não admitem erros!”

 

O “Bomba Verde” foi construído pelo próprio departamento de competição da marca alemã, em Estugarda, com a competição como objetivo. Ainda assim, este exemplar não nasceu uma bomba, já que foi entregue ao piloto português com especificações de circuito, com os 240 CV de potencia a surgirem apenas nos regimes mais elevados de rotação (às 7800 rpm), suspensões e barras estabilizadoras demasiado firmes e relações de caixa pouco apropriadas para os ralis. O carro estava portanto difícil de guiar em estrada, revelando uma forte tendência para soltar a traseira. Américo Nunes sentiu tudo isso ao trazê-lo de Estugarda para Lisboa e não apreciava este “setting”, começando de imediato a afinar o carro a seu gosto, como tinha o hábito de fazer a todos os seus bólides de competição, arte que bem dominava. No motor tentava sempre manter as especificações de fábrica por respeito à fiabilidade, mas acreditava que uma suspensão demasiado dura castigava a integridade estrutural do carro.

Contra todas as previsões, Américo Nunes venceu o Campeonato nacional de Ralis no primeiro ano em que correu com este ST, mesmo antes de ter terminado as alterações que considerava necessárias. Havia qualquer coisa nele que lhe permitia, de facto, “falar” com os Porsche, desde muito jovem.

image_14115_0_1449766974.jpeg

De aprendiz a campeão

Ao contrário do que acontecia com alguns dos seus adversários, as origens humildes de Américo Nunes obrigaram-no a conquistar a sua carreira a pulso. Começou a trabalhar em 1939, aos 11 anos de idade, como aprendiz de bate-chapa. O trabalho era duro mas a paixão pelos carros, que nascera com ele, tornava tudo mais fácil. O seu profissionalismo abriu-lhe as portas da Guérin, importadora da Volkswagen e Porsche na altura, onde aprendeu a reparar e modificar os carros da marca com uma destreza invulgar. Em 1962 o seu talento deu frutos de forma inesperada: o diretor da empresa, José Duarte Ramos Jorge, danificou seriamente o seu 356A num acidente. O jovem Américo decidiu comprar-lhe o carro a prestações, recuperou-o e alinhou com ele no Rali de Fim de Ano de 1962, começando assim uma carreira desportiva que resultaria em seis títulos nacionais e 183 vitórias, entre provas de velocidade e ralis. Depois da segunda prestação de cinco contos, Ramos Jorge decidiu oferecer-lhe o carro.

image_14115_0_1449766991.jpeg

Os Porsche 911 entraram na vida do piloto em 1967, passando a ser os seus carros de competição mas também do dia-a-dia. Naquele ano comprou um vermelho para os ralis (matrícula GL-61-22) e outro amarelo (matrícula GL-96-60) para as provas de velocidade. Ganhou ambos os campeonatos. No ano seguinte chegou o 911S branco (BG-34-18) que lhe daria algumas vitórias nos ralis mas que não conseguiria competir com os Lotus 47 e os Ford GT40 no Campeonato Nacional de Velocidade. O seguinte seria o “Bomba Verde”. Com ele Américo Nunes chegou a participar no Rali de Monte Carlo de 1972.

image_14115_0_1449767011.jpeg

Bomba sempre verde

Com as especificações do S puxadas até novos limites e o peso do base de gama T, o histórico 911 ST verde teve vários proprietários depois dos seus momentos áureos nas mãos do piloto, mas só recentemente recebeu os cuidados que merecia. Teve direito a um motor totalmente renovado e mistura agora a aura do passado com as exigências de segurança ditadas pela atualidade. É por isso que nele encontramos uma moderna bacquet desportiva e um painel de instrumentos mais completo do que o original, com a inevitável “roll bar”, tudo isto a contrastar com um habitáculo totalmente descascado de qualquer revestimento ou elemento de conforto. É graças a estes elementos de segurança que o “Bomba Verde” se mantém vivo, continuando a participar, pelo menos, numa prova por ano, contando recentemente com uma participação no Le Mans Classic, outra em Nurburgring, no Tour Britania e mais recentemente na Volta à Espanha de 2012.

image_14115_0_1449767032.jpeg

As enormes rodas com jantes Fuchs no eixo dianteiro e Minilite no traseiro são a imagem do processo de restauro infindável em que um carro histórico sempre se encontra (as Fuchs do eixo traseiro estavam a retificar), embora nenhuma delas fuja ao rigor histórico, já que Américo Nunes correu com ambos os tipos de jantes. De resto, desde o motor à caixa de velocidades com a primeira para trás, passando pelos pedais, volante e chassis, estamos perante o autentico companheiro de batalha do grande Américo. Um valioso pedaço da nossa história automobilística que não podia estar mais vivo. Agora definitivamente, a Bomba Verde está de volta.

image_14115_0_1449767051.jpeg

Curiosidades do Américo e do carro:

 

-Quando participou na sua primeira prova, o Rali de Fim de Ano de 1962, Americo Nunes já tinha 32 anos de idade

 

-Em 1970 o Bomba Verde estreou-se na rampa de Monsanto, onde obteve o sexto lugar da geral. Ostentava ainda a matrícula provisória alemã de exportação (428 Z-9361), pois tinha acabado de vir de Estugarda, conduzido pelo próprio Américo Nunes. Tinha especificações de pista e não era ainda uma “bomba”.

 

-O verde era a pintura original do carro e Américo Nunes só o soube quando o foi buscar à Alemanha. A tonalidade verde dos seus carros é, de facto, uma mera coincidência na sua carreira. A faixa do 356 B Carrera resultou de um resto de tinta que havia na Guérin, tonalidade que, por motivos óbvios, não tinha grande saída comercial. O verde de Américo Nunes devia-se a motivos meramente orçamentais.

 

-No nevoeiro, Nunes instalava faróis a menos de um palmo do chão para iluminar por baixo da neblina, retirava a pala do capacete, encostava a cara ao para-brisas e acelerava a fundo.

 

-Embora trabalhasse na Guérin, a importadora da Porsche não apoiava diretamente a carreira desportiva de Américo Nunes no início da sua carreira. Mais tarde, perante os seus resultados passou a fazer-lhe descontos nas peças e a “esquecer” uma ou outra conta da revisão do 911.

 

-No início dos anos 70 a “English Leather” patrocinou o piloto português. Um patrocinador angariado por um amigo e que o piloto nunca soube exatamente de quem se tratava…

 

-Em 1972 a Bomba Verde foi disputar o Rali de Monte Carlo. O carro não estava bem adaptado às condições do piso. O resultado foi fraco.

 

-Américo Nunes acreditava na fiabilidade original dos Porsche, por isso raramente lhes alterava os motores. Apenas modificava as relações de caixa e lhes retirava todo o peso que podia. O piloto acreditava também que as suspensões muito duras reduziam a durabilidade do carro.

 

-- Enquanto Campeão nacional de Velocidade, em 1973, Américo Nunes foi convidado para correr no VII Circuito Automobilístico de Moçamedes. Atrasou-se para o avião e foi dado o aviso à tripulação de que o “senhor Américo” estava atrasado. Esta interpretou mal o recado e avisou os passageiros de que “o presidente Américo Tomás” também ia no voo mas estava atrasado. Quando Américo Nunes embarcou os passageiros não tiveram a reação mais calorosa.

 

Texto: António Amorim;

Fotos: José Bispo (foto de Américo Nunes) e Vasco Estrelado (fotos da Bomba verde)

In
http://turbo.sapo.pt/ultimas/artigo/americo-nunes-1928-2015-14115.html?utm_source=dlvr.it&utm_medium=facebook

 

 


publicado por dinis às 22:33
link do post | comentar | favorito
Domingo, 23 de Agosto de 2015

Porsche 911 S de Américo Nunes

Porsche 911 S de Américo Nunes

11855792_886844968065502_1259795296530690586_n.jpgO Porsche 911 S de Américo Nunes-Evaristo Saraiva Porsche 911S que em 1969 participou no Circuito Internacional de Vila Real no qual se classificaram em 11º lugar

11251167_855576354525697_7015491388695673143_n.jpg

Fotos in:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=886844968065502&set=a.358188184264519.86522.100002200224796&type=3&theater

 


publicado por dinis às 00:53
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 9 de Julho de 2015

Miniaturas de Vila Real Minisquadra

Miniaturas de Vila Real Minisquadra

 

A poucas horas do inicio de mais uma edição do Circuito de Vila Real - a primeira edição da corrida transmontana efectuou-se a 15 de Junho de 1931 - apresentamos X modelos de colecção á escala 1/43 (aproximadamente 10 cm).

Iniciamos esta viagem por este "Vila Real Legend's" de modelos á escala para coleccionadores exigentes pelo Ferrari 212 com que Giovanni Bracco venceu o X Circuito Internacional de Vila Real em 1951. Este modelo além da sua excepcional silhueta apresenta detalhes como jantes com raios em metal (foto-incisão) e aros em alumínio. Também a grelha é um metal e o para-brisas em acetato. Avançamos para o XVI Circuito Internacional de Vila Real de 1969 onde encontramos dois modelos que participaram na prova de Sport de 6 Horas: O Porsche 908 de David Piper e Chris Craft, primeiro classificado. Trata-se um modelo "aberto" com todos os detalhes do cockpit á vista - chassis, volante, cintos ou manómetros - bem como os triângulos da suspensão traseira ou a caixa de velocidades. Nessa mesma prova no sétimo lugar classificaram-se os melhores portugueses Manuel Nogueira Pinto e João Andrade Vilar conduzindo um Porsche 906. Um dos mais curiosos detalhes deste modelo é a diferente cor na protecção dos faróis da frente. "Acelerando" dois anos até ao XVIII Circuito Internacional de Vila Real para a corrida de GT, Sport e Protótipos encontramos dois modelos da marca alemã: O Porsche 917K conduzido por Mário Araújo Cabral que após 35 voltas se classificou no segundo lugar. Este modelo apresenta-nos as curiosas jantes em foto-incisão da ... Ferrari, bem como toda a traseira magistralmente reproduzida em metal ou a zona frontal do modelo com as alterações características dos carros de David Piper. A Vecar Racing inscreveu um Porsche 907 para Rui Guedes (o popular Topo Gigio) mas um acidente nos treinos impossibilitou do carro na grelha de partida a 4 de Julho de 1971. O modelo com uma decoração psicadélica - muito em voga na época - adquire um lugar imprescindível em qualquer colecção em que o tema seja os pilotos nacionais ou até a marca alemã.
No XIX Circuito Internacional de Vila Real realizado a 8 e 9 de Julho de 1972 o melhor piloto português (nono classificado) foi Américo Nunes em Porsche 906. Este modelo apresenta-nos uma vistosa decoração amarela com pequenos apontamentos verdes no capot da frente, traseira e laterais inferiores. Também nas jantes encontramos na frente umas Fuchs em foto-incisão e na traseira as clássicas rodas de chapa em resina pintadas em cor de alumínio.

A nossa viagem irá continuar e ainda este mês estará disponível - apenas por encomenda - o Lotus Elan de Ernesto Neves participante no XIV Circuito Internacional de Vila Real, tendo completado oito voltas na prova de Sport realizada a 9 de Julho de 1967. Trata-se de mais um modelo em resina muito apelativo pela sua cor que apresenta - pouco utilizada nos modelos ingleses - ou as jantes de serie em resina com as porcas em foto-incisão.

Continuaremos a editar novos modelos que preservam o património do Desporto Automóvel em Portugal e nos transmitem todas as emoções e memórias únicas fazendo-nos viajar por um dos mais Míticos Circuitos Portugueses.

Se quiser fazer parte desta emocionante descoberta contacte-nos por email para info@minisquadra.com ou através do telemóvel 917 589 899
Poderá também fazer "Like" em Facebook/Minisquadra passando assim a receber todas as informações relativas á sua paixão.

20008_980029268708686_9044891796138811968_n.png

11665395_980029232042023_7533856273626555810_n.png

11701217_980029222042024_9198771793136002280_n.png

 

11049595_980029395375340_3861089534476988553_n.jpg

11695905_980029415375338_8922076016785753440_n.jpg

 

11659439_980029242042022_1356396447805876699_n.png

11659473_980029255375354_6782522168532375172_n.png

11659498_980029195375360_5412914964810098809_n.png

11665658_980029355375344_6379724135961458835_n.jpg

11737815_980029398708673_2814849090331279672_n.jpg

 

11728879_980029068708706_8962953421044856731_o.jpg


publicado por dinis às 18:49
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 3 de Junho de 2013

Circuito Vila Real GT GTS S 1972

Circuito Vila Real GT GTS S 1972

 

 No Jardim da Carreira

vila real 41_n.jpgO Lola T 212 de Claude Larrieu passa defronte de Busto de Camilo Castelo Branco

vila real41_n.jpgO Porsche Carrera 6 de Américo Nunes a abastecer na Sacor

 

vila Real 433_n.jpgLola T 290 de Claude Swietlick

 

Carlos Santos disponibilizou o Porsche Carrera 6 transformado na garagem Aurora para Manuel Nogueira Pinto.  

No Circuito Internacional de Vila Real, uma das atrações nacionais foi o Aurora Porsche era e era interessante ver o podia fazer face aos mais modernos protótipos presentes.

VR72_Aurora Porsche.jpgE assim nos treinos de sábado tive o privilégio de o ver ao vivo.

À primeira vista, era um modelo artesanal como muitos que naquela época, embora já muitos acreditassem nos excelentes trabalhos de Eduardo Santos, principalmente na assistência a carros de competição e principalmente na construção dos famosos Aurora da Fórmula V.

Carlos Santos deu umas voltas e Nogueira Pinto tentou adaptar-se ao carro que guiava pela primeira vez.   

Um tempo 2. 52,55s colocou-o entre Martin Raymond e Paco Josa, mas um princípio de incendio impossibilito-o de alinhar.

 

asdfRK8K1j.jpg

 

Vila REal5_n.jpgMarsilio Pasotti "PAM" substituiu Giancarlo Gagliardi com pouca sorte.

Ford_Postal1 (1).jpg

15727321_10206809762322498_520563348483301473_n.jpJohn Bridges no Chevron B21 FVC 

22050121_1623876744300847_7541145865312508144_n.jpgPAM pensativo!!! 

1654469_696957027005276_2019770179_n.jpgCarlos Gaspar seguido de Ernesto Neves, José Maria Juncadella e de John Bridges 

vila real 27_n.jpg

No início … José Maria Juncadella (Chevron B 21), Vic Elford (Lola T 290), Carlos Gaspar (Lola T280), Peter Hanson (Chevron B 21), John Burton (Chevron B 21), John Bridges (Chevron B 21), Ernesto Neves (Lotus 62) e Roger Heavens (Chevron B 21)

 

22141144_1623876730967515_6210516299133915292_n.jpg

vila real09_n.jpgEm primeiro plano John Bridges no Chevron B21, seguido em carro identico de John Burton e do Lotus 62 de Ernesto Neves.

vila real a1_n.jpgCarlos Gaspar com o Lola T280 do Team Bip junto dos dois Chevron B21 do Espanhol José Maria Juncadella e do nº 31 o Britânico Peter Hanson, acabaram de ser filmados pelo câmara men da RTP, e cujo camião de exteriores se pode ver junto do edifício onde funcionava o Distrito de Recrutamento e Mobilização de Vila Real.

vila real 29_n.jpgAmérico Nunes Porsche Carrera 6

vila real 38_n.jpg

vila real 0178_n.jpg

vila real 28_n.jpg

11847307_nnaDA.jpeg

vila real 9_n.jpg

vila real 7082_n.jpgPaco Josa no Chevron B21 da Escudería Montjuich.

 

 

 

 Fotos

Jornal

Motor

O Volante

Revista Notícia

Capa do Livro das Corridas

Livro, Carros e Pilotos de Francisco Santos

 


publicado por dinis às 23:31
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 16 de Maio de 2013

Circuito de Vila Real 1972 por Ricardo Assis Cordeiro

Circuito de Vila Real 1972 por Ricardo Assis Cordeiro

540160_362518897158776_999677378_n.jpgPormenor de Américo Nunes no Porche Carrera 6

248140_458095597601105_415970663_n.jpgRetro Course Magazine nº 113 - Maio / May 2013

 


publicado por dinis às 22:24
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 28 de Março de 2013

As 6 Horas de Vila Real 1969

As 6 Horas de Vila Real  1969

 

No parque fechado do Jardim da Carreira lá estava o pequeno protótipo que iria ser pilotado por John Markey e José Baptista dos Santos e que na lista de inscritos aparecia como Nathan 1600, certamente um erro de impressão.

14739284_zpihI.jpeg

14739295_Vg7qs.jpeg

 "Junto do Ginetta Climax nº27 de Jeremy Richardson/Bernard Farthing, o rapazinho de óculos à direita c'est moi Carlos Batista dos Santos".

vila real 37_n.jpgO Ferrari Dino 206 S (ex-Tony Dean) de Alain de Cadenet e Mike Walton 

15554380_0rTtA.jpeg

Os treinos de sexta-feira foram livres e no sábado conseguiu um lugar na 9º fila ao lado do Ford GT 40 de William Green /Johnny Blades com 2, 58.61s., Manuel Atsoc /Pinto Bastos Lotus Elan S 2.em 3.4,77s  e  John Markey/ José Batista dos Santos /G. Konig  com 3,11.23s.

 

vila real 5_n.jpg

 

vila real19_n.jpgO Porsche 908/2 da equipa David Piper - Chris Craft de Alain de Cadnet

vila real 44_n.jpg

circuito vila real9_n.jpg

inicio da prova.jpeg

 Início da prova

circuito vila real 65.jpeg

Aí vão, após a partida, à direita o Nathan quase ao lado do Ford GT 40 do britânico William Green /Johnny Blades, seguido do Porsche 911de Américo Nunes/Evaristo Saraiva, segue o Lotus Elan de Manuel “Atsoc”.Costa / Pinto Bastos e dois Chevron B 8.

"John abusou do excelente vinho (uma paixão, dizia ele), e na manhã da prova a dor de cabeça não ajudava nada.

O transtorno era tal, que engoliu primeiro o alka seltzer antes de beder a àgua.

Foi no entanto ele quem partiu, para largar o volante na volta seguinte;

Depois, cerca de meia hora de voo no levíssimo carrito de madeira (só 300 kg) empurrado pelo motor 1000 do IMP.

Em seguida, sem travões (vinham-se degradando), imobilizámo-nos para o resto da prova, tentando recuperar a frágil mecânica.

Já para o final, o John ainda voltou à pista só para cruzar a meta sobre rodas."

vila real48_n.jpg

vila real 7.jpeg

Foto Alberto Correia

O  Brabham BT 8 Climax de Peter Crossley / Richard Shardlow  seguido do Costin Nathan de John Markley/ Batista dos Santos / Gabriel Konig e o Porsche 911 T de Paul Vestley / Peter Sadler.

 Ao fim de 26 voltas o Costin Nathan abandona… e com ele o fim de um belo sonho..

vila real8663_n.jpg 

vila real 3_n.jpgManuel Nogueira Pinto/ João Andrade Vilar.

vila real 155_n (1).jpg

vila real aaa.jpg

vila real 69_n.jpg

 

1969421_n.jpgO Alfa Romeo 33 de Taf Gosselin- Claude Bourgoignie  a fazer companhia ao carro de Joaquim Filipe Nogueira

vila real 58_n.jpg

vila real 2_n (1).jpg

vila real 32923_n.jpg

 

Fotos

Alberto Correia

Autosport

ACP

Livro das Corridas

 

 


publicado por dinis às 22:26
link do post | comentar | favorito
Sábado, 16 de Março de 2013

O fim de um belo sonho...

O fim de um belo sonho...

 

O Costin Nathan nasceu de um projecto para o piloto Roger Nathan utilizar em 1966 época em que  em seis provas,  ganhou na sua classe  cinco vezes e foi segundo uma vez , em Outubro vence a “Coupes du salon à Montlhery ”  R Nathan bate o Abarth oficial de Ortner na corrida de GT e Sport Protótipo, menos de 1150c.c,..

 

O Costin-Nathan GT é um pequeno protótipo cuja construção foi iniciada em 1965, é o fruto da experiencia do projectista Frank Costin, irmão de Mike Costin (pai da Cosworth) que durante a 2ª Guerra Mundial se especializou na construção de planadores em madeira, Horsa e contraplacado de madeira.

 

Apresentado no Racing Car Show de 1967, o coupé foi baseado no Costin Nathan aberto, está dotado de uma carroçaria feita inteiramente em de fibra de vidro, que o torna aerodinamicamente muito elegante. Foi projectado especialmente para Le Mans, onde inscrito pelo Roger Nathan Racing, e pilotado pelo seu criador e por Mike Beckwith, teve de abandonar ao fim de 15 voltas, com problemas eléctricos. Ainda efectuou mais algumas provas do mundial de marcas, mas o seu pequeno motor (preparado pela Roger Nathan racing )  é que não se manifestou adequado.

Frank Costin abandona o projecto e dedica-se a um outro. o  Astra. Roger Nathan prossegue o projecto e ainda pensa na possibilidade de o equipar com um motor BMW 2000.

A primeira versão era aberta e depois também se construiu uma com capota (GT) para Roger Nathan correr as 24 Horas de Le Mans.
Até à separação os dois sócios construiram 6 spyders e 6 GT; depois Nathan produziu mais 18 GT, nunca conseguindo a homologação em Grande Turismo.

 

Em 1968 Charles Graemiger esteve inscrito para a prova de Vila Real com um Costin Imp, mas no dia da prova não compareceu.

No ano seguinte, na 53° edição do Targa Florio, um circuito com um perímetro de 71.9 km, o Costin-Nathan GT - Hillman Imp pilotado por John Markey (GB)/Terry Hunter (GB) e Dominique Martin (CH) não terminam  devido a uma ligeira saída de estrada na 6º volta.  

Em seguida a 1 de Junho, nos 1000 km Nürburgring faz equipa com Clydesdale, agora com um motor Ford Cosworth 1300,mas retira-se ao fim de percorrer por duas vezes os 22.835 kms. agora com problemas de motor.

No final do mês na Suécia, em Anderstorp, o carro do Falken Racing é agora 4º, em Protótipos até 2000, a quatro voltas do vencedor.

Uma semana depois está em Vila Real e para alegria de Batista dos Santos poder concretizar um sonho …numa prova de seis horas.

No parque fechado do Jardim da Carreira lá estava o pequeno protótipo que iria ser pilotado por John Markey e José Baptista dos Santos e que na lista de inscritos aparecia como Nathan 1600, certamente um erro de impressão.

"Junto do Ginetta Climax nº27 de Jeremy Richardson/Bernard Farthing, o rapazinho de óculos à direita c'est moi Carlos Batista dos Santos".

 

Os treinos de sexta-feira foram livres e no sábado conseguiu um lugar na 9º fila ao lado do Ford GT 40 de William Green /Johnny Blades com 2, 58.61s., Manuel Atsoc /Pinto Bastos Lotus Elan S 2.em 3.4,77s  e  John Markey/ José Batista dos Santos /G. Konig  com 3,11.23s.

 

vila real97_n.jpg

 Início da prova 

 

Aí vão, após a partida, à direita o Nathan quase ao lado do Ford GT 40 do britânico William Green /Johnny Blades, seguido do Porsche 911de Américo Nunes/Evaristo Saraiva, segue o Lotus Elan de Manuel “Atsoc”.Costa / Pinto Bastos e dois Chevron B 8. 

"John abusou do excelente vinho (uma paixão, dizia ele), e na manhã da prova a dor de cabeça não ajudava nada.

O transtorno era tal, que engoliu primeiro o alka seltzer antes de beder a àgua.

Foi no entanto ele quem partiu, para largar o volante na volta seguinte;

Depois, cerca de meia hora de voo no levíssimo carrito de madeira (só 300 kg) empurrado pelo motor 1000 do IMP.

Em seguida, sem travões (vinham-se degradando), imobilizámo-nos para o resto da prova, tentando recuperar a frágil mecânica.

Já para o final, o John ainda voltou à pista só para cruzar a meta sobre rodas."

 

 

Foto Alberto Correia 

O  Brabham BT 8 Climax de Peter Crossley / Richard Shardlow  seguido do Costin Nathan de John Markley/ Batista dos Santos / Gabriel Konig e o Porsche 911 T de Paul Vestley / Peter Sadler.

 

Ao fim de 26 voltas o Costin Nathan abandona… e com ele o fim de um belo sonho...

 

Fotos incluídas na sua página pessoal de Carlos Batista dos Santos https://www.facebook.com/cbsantos?fref=ts


publicado por dinis às 23:40
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 11 de Julho de 2012

500 Km de Vila Real

500 Km de Vila Real

Visto em Le Mans 

389_n.jpg

 

13316913_10207737235761449_7814485905361124007_o.j

 Preço dos Chevron em 1969.

 

vila real 15_n.jpg

vila real 55_n.jpg

 

 

vila real 82_n.jpgNo Jardim da Carreira a abastecer…

vila real  lancia  santos.jpegMomentos que antecederem os treinos para a equipa Miguel Correia /Artur Santos  e o Lancia Fulvia H F

vila real 33_n.jpg

vila real 52_n.jpgO rápido bolide de Chris Craft 

.

vila real.jpegInicio dos 500 Km com o McLaren M8 C de Cris Craft  e do Lola T 210, o  proprietário dos dois veículos, Alain de Cadenel tendo ao lado os futuros vencedores, o Lola T 70 de Teddy Pilette/ "Taf Gosselin

vila real 366_n.jpgNo Lola T210 Alain de Cadenet é seguido pelo Porsche 906 de Carlos Santos e pelo Lotus 47 de Ernesto Neves

vila real 80_n.jpg  . 

vila real 512_n.jpg

Vila real1.jpgMike Coombe/John Chatham passa pelo Lola    

vila real 76_n.jpg

 

vila real 00_n.jpg

 

Claude Larrieu no Porsche Carrera 6 aberto

 vila real 30_n.jpg

 O estado em que ficou o bólide de Alain de Cadenet0

vila real nogueira.jpegNas boxes Filipe Nogueira aguarda a intervenção dos mecânicos…

vila rea a_n.jpgO Nomad BRM

122_n.jpg

 O Chevron B 8 de Mike Combe e Roger Heavens

vila real b.jpegA caminho da vitória 

 

Foto Marius

Revista Flama

 


publicado por dinis às 00:47
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 6 de Junho de 2012

Porsche 911 S de Américo Nunes

Porsche 911 S de Américo Nunes

Foi durante a apresentação do livro Américo Nunes O SENHOR DOS PORSCHE que tomei contacto com o carro que participou na Prova de Vile Real em 1969 e no qual acompanhado por Evaristo Saraiva se qualificaram em 11º lugar

11081203_1429782120654513_3479287706810698978_n.jp

11150251_1432381773727881_695900400967161289_n.jpg

 

 


publicado por dinis às 02:00
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Dezembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

.posts recentes

. Porsche 906 Carrera 6 de ...

. A Bomba Verde de Américo ...

. Porsche 911 S de Américo ...

. Miniaturas de Vila Real M...

. Circuito Vila Real GT GTS...

. Circuito de Vila Real 197...

. As 6 Horas de Vila Real 1...

. O fim de um belo sonho...

. 500 Km de Vila Real

. Porsche 911 S de Américo ...

. O Porsche 911 ST, Américo...

. GT ,Sport e Protótipos 19...

. Porsche 906 Grip Américo ...

. 42º Circuito de Vila Real...

. Senhor dos Porsche

.arquivos

. Dezembro 2017

. Novembro 2017

. Outubro 2017

. Setembro 2017

. Agosto 2017

. Julho 2017

. Junho 2017

. Maio 2017

. Abril 2017

. Março 2017

. Fevereiro 2017

. Janeiro 2017

. Dezembro 2016

. Novembro 2016

. Outubro 2016

. Setembro 2016

. Agosto 2016

. Julho 2016

. Junho 2016

. Maio 2016

. Abril 2016

. Março 2016

. Fevereiro 2016

. Janeiro 2016

. Dezembro 2015

. Novembro 2015

. Outubro 2015

. Setembro 2015

. Agosto 2015

. Julho 2015

. Junho 2015

. Maio 2015

. Abril 2015

. Março 2015

. Fevereiro 2015

. Janeiro 2015

. Dezembro 2014

. Novembro 2014

. Outubro 2014

. Setembro 2014

. Agosto 2014

. Julho 2014

. Junho 2014

. Maio 2014

. Abril 2014

. Março 2014

. Fevereiro 2014

. Janeiro 2014

. Dezembro 2013

. Novembro 2013

. Outubro 2013

. Setembro 2013

. Agosto 2013

. Julho 2013

. Junho 2013

. Maio 2013

. Abril 2013

. Março 2013

. Fevereiro 2013

. Janeiro 2013

. Dezembro 2012

. Novembro 2012

. Outubro 2012

. Setembro 2012

. Agosto 2012

. Julho 2012

. Junho 2012

. Maio 2012

. Abril 2012

. Março 2012

. Fevereiro 2012

. Janeiro 2012

. Dezembro 2011

. Novembro 2011

. Outubro 2011

. Setembro 2011

. Agosto 2011

. Julho 2011

. Junho 2011

. Maio 2011

. Abril 2011

. Março 2011

. Fevereiro 2011

. Janeiro 2011

. Dezembro 2010

. Novembro 2010

. Outubro 2010

. Setembro 2010

. Agosto 2010

. Julho 2010

. Junho 2010

. Maio 2010

. Abril 2010

. Março 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

.Estatísticas

genius stats



SAPO Blogs

.subscrever feeds